terça-feira, abril 15, 2008

AS TRELAS DO DORO - A VINGANÇA



VINGANÇA



De novo Doro - sempre o Doro, ora -, enrabichou-se, desta vez, por Lucrecilda. De novo? Num aprende mesmo, hem?
Minha nossa, nunca vi o cabra passar um aperto arrochado. Ele quando viu aquela belezura dando asa pro bico dele, amanhou-se e saiu flertando com uns leros trepidantes de chega se adiantar exultante, com proseado virado na gota.
Quiquiqui, cacacacá, tudo correndo frouxo, na calha.
Nem havia ele ainda se esquecido direito do incidente com a pingueluda, mas tava amorcegando nova paquera, cego de paixão, que, segundo ele mesmo, amor à primeira vista. Avassalador.
Aí só foi conversa, pantim, frescurinhas, risadagem, tudo se encaminhando para a maior moleza.
- Essa, tá mais fáci qui portão aberto, é só intrá! É hoje!
O celerado arrudiou a moça, tomou conta do espaço todo, caprichou nos galanteios, arrotando riqueza, de uma hora prá outra já dono de fazendas, de gado, de haras, meio mundo de posses inimagináveis, faroso chega quase ele próprio acreditar.
- Dessa veizi caprichei na dose, vai ser o maió vortê!
Depois de meio mundo de vuque-vuque, apertão, bate-coxa, rastapé, ajeitados e apalpadelas, lá prás tantas, a moça resolveu quebrar o silêncio.
- Sou casada.
O cabra pelou, ficou branco.
- Cadê o corno?
- O quê, tais pensano o quê? Num sou dessas não e dê-se ao respeito, cabra!
Vote, Doro aperreou-se. Meteu as mãos pelas pernas quando tudo estava indo conforme a maravilha.
Sabia ele que já havia driblado o meio de campo, engalobado a defesa, empapado o goleiro, era só entrar com bola e tudo e comemorar na galera.
Desilidiu-se, nada disso encantava a moça.
Com o infortúnio brabo ele meteu o dente na cachaça de vê-lo por dias encarreados cheio das meropéias, chorando de paixão. Isso durou noites e dias, semanas e meses.
Certa noite perdida, ele lavando a jega, já sem esperança de nada, eis que recebe um recado:
- Lucrecilda disse que você fosse lá na casa dela que ela quer falar com você.
Ôxe, iluminou-se. Sambou e botou fé.
De uma golada só virou o copo, pigarreou, revestiu-se da virilidade que a homência exige, amolegou a pêia, ajeitou o colarinho, estufou o peito e zarpou na hora.
- Hoje eu encho a pança!
E foi.
Lá chegando, a mulher estava só encantadora com um pano que mal cobria os seios robustos e esticados de quase furar o tecido, uma calcinha miúda de não cobrir nada da sedenta púbis, cheirosa de enfeitiçar o juizo do melepeiro, toda se rindo, olhando apertado, falando manso, jeitosa, reboladeira, tesuda, perguntando disso, daquilo, como vai, entra, chega aqui, senta, vai, fica à vontade, e meio mundo de puxa-e-encolhe. Foi tanto paparicado dele ficar com a maior empáfia!
- Ôxe, prá quem sempre foi a bosta do cavalo do bandido, essa é a maior moleza, acertei na loteria! Vou já palitar os dente, ora se vô.
Todo sem jeito ele foi entrando devagar, se acercando do ambiente que ele não era bobo, podia ser uma arapuca e cabra sabido num se deixa pegar no vexame nem levar pênalti na última hora.
Comedido, foi timidamente se familiarizando com o seu espaço, chegando a constatar que ali possuía um vão com uma única porta, que tanto servia para enrtar como para sair, somente ela.
Ah, virou a cara pro perigo e que fosse lá o que deus quisesse.
Negócio rolando solto, sarro pesado, profundezas invadidas, intimidades obliteradas, negócio apertado, tudo afogueando no tempeio do rala e rola.
De repente, bei bei bei!
- Abra a porta!
Eita, era o marido dela.
Maior correria, escondo aonde, vou por ali, sair pelo telhado, nada é de laje, janela nenhuma, fresta alguma, ôxe, guarda-roupa nem cabia, geladeira, forno do fogão, e na borta bei bei bei, nada de lugar para se esconder, embaixo do urinol, atrás do sofá, embaixo da mesa, na cama de campanha, onde porra?! E bei bei bei.
- Abra a porta senão arrombo!
- E agora?
- Abra a porta e vamo vê onde vai dá o carnavá!
- Seja homi, cabra!
- Sê-se, já fui. Bora, quero vê o empenado. Vai, abre logo, vai.
Bei, bei, bei!
Abriu, pronto: o inferno estava pronto!
O cara puto, virado nos duzentos demônios. Vinha fumaçando quando entrou ligeiro, parou no centro da sala, olhou dos lados, encarou o pé-de-pano e, assim sem mais nem menos, disse:
- Dá licença, amigo!
Dirigiu-se para a televisão, arrancou o fio da tomada, ajeitou junto da antena, pegou o aparelho nos braços e já ia arribando quando, da porta, ameaçou:
- E já já venho buscar o botijão de gás.
Aí a Lucrecilda foi petulante:
- Ôxe, isso é um corno vingativo, num quer que o pé-de-pano nem coma nem veja!
Aí, meu, o negócio fedeu. E como!
O cara esticou os olhos, respirou fundo e cuidadosamente colocou a televisão num recanto assim da calçada e voltou-se à mulher com um bofetão daqueles da gente ver que não vai sobrar nem a foto do documento de identificação. Tei bei!
A mulher espragatou-se na parede com a força da intrépida mãozada, e só foi bufe bufe bufe até umasoras.
Quando a mulher já estava ali arriada, molezinha chega ver que nem tinha mais vida, o corno virou pro Doro e disse:
- E aí, meu?
- Ôxe, pode continuar, tá melhor que o filme que eu tava assistindo. Mande brasa.

© Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.  





Veja mais sobre:
O Doro no dia do professor, Fernando Pessoa, Nietzsche, The Three Graces, Michel Foucault, Fela Kuti, Denise Fraga, Richard Linklater. John Vanderlyn & Julie Delpy aqui.

E mais:
As trelas do Doro: o desmanttelo da paixonite arrebentadora aqui.
A poesia de Maria Esther Maciel aqui.
Proezas do Biritoaldo: Quando a língua dá no dente do alcagüete, sai de riba que lá vem o enterro voltando aqui.
Fecamepa: enquanto os caras bufam por aumento no governo, aqui embaixo a gente só paga mico, né? Aqui.
Lavando pano & aprumando a conversa aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
 Leitora parabenizando o Tataritaritatá.
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
 Paz na Terra
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.
 

RILKE, HUYSSEN, MARIA IGNEZ MARIZ, ANTÔNIO PEREIRA, LUCIAH LOPEZ & ARTE NA PRAÇA

PRIMEIRO ENCONTRO: MEU OLHAR, SEU SORRISO – Imagem: arte da poeta, artista visual & blogueira Luciah Lopez . - Da tarde a vida fez-se ...