sexta-feira, fevereiro 20, 2009

HUMANISMO E A EDUCAÇÃO HUMANISTA



HUMANISMO E A EDUCAÇÃO HUMANISTA - O humanismo caracterizou-se como um movimento filosófico ocorrido no século XIV e XV, representando um aspecto revolucionário meritório de registro na história, pelas influências exercidas até o presente momento. Por esta razão, o presente estudo procura investigar as questões que marcaram as antecedências e conseqüências do humanismo na modernidade, procurando encontrar as suas bases teóricas para entendimento de sua influencia, inclusive, ainda, na atualidade. Indaga, portanto, de que forma se processou o humanismo no contexto educacional, observando-lhe as tônicas filosóficas, políticas, culturais e econômicas. O humanismo, tendo por base as idéias expressas por Nunes (1980), Muzukami (1986) e Paviani e Dal Ri Junior (2000), é a doutrina ou conjunto de tendências de caráter filosófico que, durante o Renascimento italiano dos sécs. XIV e XV, se orientou no sentido de reviver os modelos artísticos, literários e científicos da Antiguidade greco-latina, considerada como exemplo de afirmação da independência do espírito humano. Do ponto de vista histórico, conforme Muzikami (1986), o humanismo está intimamente ligado ao Renascimento, sendo então mais amplo e complexo por ser a descoberta do homem enquanto o homem com reafirmação de todas as categorias do humano, em todas as preocupações artísticas, filosóficas e morais. Neste sentido, salienta Paviani e Dal Ri Junior (2000), que o humanismo foi uma reação do espírito renascentista contra a filosofia medieval e o cristianismo, tornando-se um processo histórico europeu de retorno à cultura e às letras clássicas a partir da Itália, alcançando a Alemanha, a Inglaterra, os Paises Baixos, a França e, depois, Espanha e Portugal. O humanismo europeu, conforme Nunes (1980), entrou em conflito com a ortodoxia cristã e, mesmo com sua redução e transformação, influenciou o pensamento posterior, adquirindo uma forma humanitarista. Os antecedentes do humanismo estão localizados com a crise do feudalismo e florescimento do mercantilismo no sec. XVI, o poderio católico do pensamento clássico do teocentrismo, o surgimento da imprensa de Gutemberg que tirou o jugo dos livros da igreja, possibilitando a publicação e a difusão de obras; o descobrimento de novos mundos na busca do desconhecido; um cenário de guerra e fome que levou a mudanças intensificadas pelos apelos ao sobrenatural e sentimentos religiosos, resultando em choque com as idéias dominantes. Com isso, o humanismo construiu uma nova verdade não mais baseada na fé, mas na razão e no pensamento antropocentrista. E, por esta razão, o humanismo é considerado a raiz do pensamento moderno, trazendo uma concepção de que Deus e o mundo são a mesma coisa, trazendo à tona a ciência não teorética, nem especulativa, nem matafísica, mas técnica e empírica. Daí ocorre a Renascença com uma concepção afirmada e vivida do imanentismo naturalista ou humanista, sistematicamente consciente e se equivale à reforma religiosa protestante, destruindo, assim, o grande edifício religioso, teológico e filosófico da unidade cristã e o Absolutismo. Em razão disso, o humanismo é considerado uma época de transição, por essas razão foi nele que começaram a surgir novas idéias, novas maneiras de se enxergar o mundo, preparando-o para o Renascimento e logo depois o Classicismo, tendo por conseqüência a expansão dos valores burgueses e a formação do capitalismo. Tem-se, pois, seu inicio no sec. XV, prossegue com os estudos do homem como agente político, moral e técnico-artistico dominando a natureza e a sociedade nos séc. XVI e XVII, e chega com a idéia de civilização no sec. XVIII, influenciando até o tempo presente. O pensamento moderno surgido com o humanismo surge com as idéias do pensamento de Descartes e de Galileu, sendo que este último dedicou seus estudos aos fenômenos naturais, experimentalmente provados e matemáticamente conexos. Por isso, influencia o empirismo e racionalismo dos séculos seguintes. Também os pensamentos de Montaigne com seu empirismo pode ser categorizado como integrante da segunda geração de humanistas, ao lado da defesa de Copérnico com sua teoria heliocentrista que deu inicio à revolução cientifica moderna e rompendo com o sistema geocêntrico formulado por Ptolomeu. E, com isso, considera-se como transformações importantes da época a demonstração da validade do modelo heliocêntrico, a formulação da noção de um universo infinito, a concepção do movimento dos corpos celestes, a valorização da observação e do método experimental e a utilização da matemática como linguagem da física. Com a ascensão do racionalismo humanista estão fundamentadas as noções modernas de valorização do novo, do indivíduo, do progresso, que formaram uma revolução cientifica na redescoberta do ceticismo antigo baseado na temática sofista de que o homem é a medida de todas as coisas, e a Reforma Protestante, rompendo com a tradição escolástica e aristotélica, e rejeitando a autoridade institucional. O rompimento proporcionado pelo ideário humanista foi incisivo na rejeição à tradicional escolástica, onde predominava o saber adquirido e a autoridade imposta pela hierarquia e pelos costumes, favorecendo, com isso, o espontâneo e virtuoso na natureza humana. A partir de então, tudo passou a se explicar pela ciência e pela razão, tendo por base o neoplatonismo que exalta os valores humanos numa nova dimensão. Mediante o exposto, entende-se que o humanismo trouxe à tona a critica, a pesquisa e a observação, baseada na abordagem da importância do ser humano sobre todas as coisas e revolucionando, inclusive a educação, pois foi nessa época que surgiu grandes e significativas mudanças de conceitos e pelas novas perspectivas que possibilitaram a estruturação do pensamento humano moderno. Na esfera educacional, segundo Nunes (1980), o humanismo processou uma série de mudanças significativas que começaram com os tempos modernos, com novos valores burgueses, como o otimismo, o individualismo, o naturalismo e o antropocentrismo. No período renascentista, conforme Aranha (2006) e Moser (2008), a educação escolar passou por modificações em seu modelo tradicional, que estava embasada na Escolástica e na concepção cristã. Aparecem os primeiros colégios, associados a uma nova concepção de infância e família. A sociedade toma consciência da necessidade de proporcionar o acesso à educação e da criação de universidades para difundir e aprimorar as novas descobertas de modo científico e racional, seguindo sempre a concepção humanista para afastar o misticismo do período medieval. Para Nunes (1980), com o humanismo diversas modificações profundas ocorreram tanto na sua concepção, como nos meios usados para a consecução dos seus objetivos. Deu-se, então, com o inicio de se buscar um modo claro e definido à formação integral do homem, o seu desenvolvimento intelectual, moral e físico, em contraste com a educação medieval que se esmerava na formação religiosa e intelectual e dava às escolas superiores um alcance prático, um objetivo profissionalizante, uma vez que as faculdades de teologia preparavam mestres, assessores de papas e bispos. Os objetivos da educação renascentistas, conforme Nunes (1980), era o de atingir homens livres e dignos., referindo-se à formação do homem, do ser humano abstrato, contudo,  na prática, era essencialmente aristocrática e só aceitável aos ricos. A reforma protestante proposta por Lutero, conforme Freitag (1994), promoveu um projeto de criação de escolas públicas que foi implantado na Alemanha, revelando-se uma proposta inovadora de ensino que defendia o acesso de todos ao conhecimento e a proposta curricular embasada nas Ciências Humanas e no estudo da História para a formação ser qualitativa. A Contra-Reforma realizada pela Igreja Católica diante do surgimento da reforma protestante, resultou na Companhia de Jesus, criada por Ignacio de Loyola, em 1540, com a proposta jesuítica de ampliar o catolicismo mundialmente por meio da catequização dos povos americanos e asiáticos, possuindo uma metodologia fundamentada num sistema de rotinas e celebrações religiosas freqüentes, promovendo, assim, o desenvolvimento da educação católica. Conforme Freitag (1994), as escolas jesuíticas eram rígidas, enfocando a memorização, enfatizando a escrita, leitura e práticas profissionais, como a marcenaria, a ferraria e a agricultura. Com suas características confessional e catequizadora, tiveram papel importantíssimo na instrução da população e também na fundação de diversas cidades. A educação no ideário humanista, conforme Bruniera (2007), assumiu o caráter de formação, caracterizada por acesso à cultura humana e interpretação dessa cultura por outras gerações. Tal processo seria possível se o ensino acolhesse a re-significação do legado e não se resumisse a seguir um receituário. Este esforço humanista consistiu em conceber a educação tendo como ponto de partida uma aproximação das verdadeiras proposições dos autores clássicos. A intenção era que, como leitores, pudessem se apropriar do pensamento da Antiguidade e também criar seus próprios textos, deixar seu próprio legado. Sendo assim, o homem crê ter a capacidade também de criar e dessa forma começam a investigar e a estudar a natureza, para tentar desvendar os mistérios do universo. O humanismo influenciou Jean-Jacques Rousseau, importante teórico da educação que, segundo Cabral (1978), criadas pelo confronto das antinomias do individuo versus sociedade, natureza versus cultura e sociedade versus educação positiva, rompendo com a sociedade em favor de si mesmo, considerando a sociedade como uma coisa sacralizada, traduzindo que os problemas da sociedade foram criados pelos homens e que devem ser resolvidos por eles. Defendia com isso a necessidade de re-educação do homem, optando pela educação negativa. O humanismo ainda influenciou Dewey que, conforme Aranha (2006), defendia que educar deve ser mais que reproduzir conhecimento, incentivando a preparação das pessoas para a transformação com o desejo do desenvolvimento continuo. Neste sentido, para Dewey (1979), a educação é vista como uma constante reconstrução da experiência, um processo de formar atitudes fundamentais de natureza intelectual e sentimental, perante a natureza e os outros homens. O humanismo também influenciou Freinet que, conforme Morais (1997), entendeu o humanismo como ética humana que, na educação, é operada como a capacidade que todo educador tem de desenvolver plenamente todas as capacidades do estudante, aprimorando todas as atividades na concepção do bem-estar e da dignidade do ser humano. Nesta proposta, o aluno é entendido como um ser autônomo e racional capacitado para opinar, criticar e escolher sobre a orientação das atividades segundo seu interesse. A educação humanista de Freinet, conforme Morais (1997), tem por objetivo a democratização, a pluralidade, a abertura, o criticismo e o alcance da vida humana dignamente plena por meio da apropriação da cidadania e da cultura. E, conforme o autor, a educação humanista é formadora de pessoas livres, construtores de um juízo sólido e de nobre caráter em seus alunos, praticando as virtudes e a sabedoria humana, exercitando as faculdades naturais, a espontaneidade e o interesse pelas coisas naturais. A escola, conforme Moser (2008), na abordagem humanista deve respeitar os alunos e oferecer condições para que ela se desenvolva possibilitando sua autonomia, utilizando a metodologia de que o educador deve desenvolver seu estilo próprio. A abordagem humanista, conforme Moser (2008), traz a idéia de ensino centrado no aluno, ênfase nas relações interpessoais e ao crescimento que desta resulta, no desenvolvimento da personalidade do indivíduo, dos seus processos e organização pessoal da realidade em sua capacidade de atuar como uma pessoa integrada. Nesta abordagem, a educação assume significado amplo, pois trata-se da educação do homem não apenas da pessoa em situação escolar em uma instituição de ensino, criando condições para que os alunos possam se tornar pessoas de iniciativa, de responsabilidade, de autodeterminação, de discernimento na solução de seus problemas e que tais conhecimentos os capacitassem a se adaptar as situações com mais flexibilidade. A importância do humanismo é refletida na atualidade onde se encontram diversas formas de humanismo, como o renascentista, o marxista, o positivista, seculares, religiosos, logosófico, entre outros. O humanismo renascentista é aquele, conforme visto, que propõe o antropocentrismo ocorrido durante a Renascença, confiando na capacidade renovadora do ser humano do discernimento. O humanismo marxista se baseia no entendimento de que o marxismo é a ciência da história e da economia, criticando o idealismo hegeliano que pregava o homem como ser espiritual, e opondo-se ao materialismo dialético de Engels. Os humanistas seculares são entendidos como empiristas e racionalistas, ateis e agnósticos que se preocupam com a ética e na dignidade do ser humano. O humanismo positivista proposto por Auguste Comte propõe a religião da humanidade a partir do ser humano, substituindo a moral, a política, a filosofia e epistemologia das entidades supranaturais, valorizando o pensamento cientifico, afirmando a historicidade do ser humano e rejeitando a metafísica e a teologia. O humanismo religioso é constituído por cristãos liberais e deístas, originário da cultura da ética, do universalismo e do unitarismo, defendendo que a maior parte dos humanos possui necessidades sociais e pessoas que são satisfeitas apenas pela religião. O humanismo logosófico ou novo humanismo proposto por Pecotche, parte do princípio de que a Logosofia dá a conhecer este humanismo em seu conteúdo essencial, exaltando a parte humana de Deus no ser humano e se baseia na superação humana e no ser pensante e sensível na consumação do processo evolutivo seguida por toda humanidade.
CONCLUSÃO - O humanismo foi um acontecimento histórico que se revelou como movimento filosófico que ocorreu no séc. XV, promovendo mudanças educacionais, sociais, políticas, culturais, econômicas e religiosas que desencadearam no Renascimento. Opôs-se às previsões medievais, instaurando o antropocentrismo, a racionalidade moderna e o capitalismo. Com o antropocentrismo desenvolveu a dignidade humana, com a racionalidade moderna deu inicio à cientificidade e com o capitalismo substituiu o escambo pelo dinheiro, criando o mercantilismo. Contribuiu, assim, para a reforma luterana que criou uma proposta de escola pública para todos, inclusive mulheres, e para a criação da Companhia de Jesus que era bastante rígida e fundamentava-se na concepção católica. De uma forma ou outra, todas essas transformações serviram para enriquecer e aprimorar a sociedade moderna nos mais variados segmentos sociais. Assimilando o ideário platônico, o humanismo rompeu com o aristotelismo, a escolástica e o tomismo predominante na época pelo poderio católico, formulando uma revolução educativa que influenciou Rousseau, Freinet e Dewey. Com base na revisão da literatura realizada, conclui-se que o humanismo foi um marco nas transformações das concepções da sociedade contemporânea. O papel fundamental do humanismo para a valorização do homem, possibilitou a liberdade de descobrir e investigar a natureza sem o misticismo religioso. Como surgiram pensadores e artistas com obras fantásticas, as grandes invenções que trouxeram progresso a toda a sociedade.
REFERÊNCIAS
Aranha, M. L. A. (2006). História da educação e da pedagogia. São Paulo: Moderna.
Bruniera, C. F. G. (2007) Retorno é proposto num tempo de declínio das tradições. Pedagogia & Comunicação, p. 3.
Cabral, M. I. C. (1978). De Rousseau a Freinet ou de teoria à prática: uma nova pedagogia. São Paulo: Hemus.
Dewey, J. (1979). Experiência e educação. São Paulo: Nacional.
Freitag, B. (1994). O indivíduo em formação: diálogos interdisciplinares sobre educação. São Paulo: Cortez.
Mizukami, M. G. (1986). Ensino: as abordagens do processo – abordagem humanista. São Paulo: EPU.
Morais, M. F. (1997). Freinet e a escola do futuro. Recife: Bagaço
Moser, G. (2008). História da educação. São Paulo: ASSELVI.
Nunes, R. A. (1980). Historia da educação no Renascimento. São Paulo: EDUSP.
Paviani, H.; Dal Ri Junior, A. (2000). Globalização e humanismo latino. Porto Alegre: EDIPUCRS.
Rousseau, J. J. (1992) Emilio ou da educação. Rio de |Janeiro: Bertrand Brasil. Veja mais aqui, aqui e aqui.




Veja mais sobre:
Dignidade humana aqui, aqui e aqui.
Educação aqui, aqui e aqui.
Meio Ambiente aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

E mais:
Pra saber viver não basta morrer, Leonardo Boff, Luchino Visconti, Emerson & Lake & Palmer, Núbia Marques, Felicitas, Pedro Cabral, Psicodrama & Teatro Espontâneo aqui.
Literatura de Cordel: História da princesa da Pedra Fina, de João Martins de Athayde aqui.
A arte de Jozi Lucka aqui.
Robimagaiver: pipoco da porra aqui.
Dhammapada, Maslow, Educação & Responsabilidade civil da propriedade aqui.
O romance e o Romantismo aqui.
A arte de Syla Syeg aqui.
Literatura de Cordel: Brasi caboco, de Zé da Luz aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja aqui e aqui.




CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá
Veja aqui.

JUNG, BAUMAN, QUINTANA, GONZAGA, JOÃO CABRAL, DOROTHY IANNONE & ESCADA

UMA COISA DENTRO DA OUTRA – Imagem: Blue and wihte sunday morning , da artista estadunidense Dorothy Iannone . - Olá, gentamiga, um dia ra...