segunda-feira, maio 16, 2011

PRINCÍPIOS DE RETÓRICA


PRINCÍPIOS DE RETÓRICA - introdução: conceitos e definições: A retórica é a arte de exprimir-se, expressar-se, pela palavra.  Como disciplina ensinada e aprendida a retórica apresenta um sistema de formas de pensamento e de linguagem, que devem ser conscientemente utilizadas como fim de obter efeitos determinadas. Essas formas são definidas, reconhecidas e classificadas por terminologia específica. Existe entretanto uma retórica natural assimilada empiricamente junto com a língua. É patrimônio coletivo, embora não inteiramente consciente, de todos os membros de uma sociedade falante. A arte retórica nasceu na Sicília, em meados do século V ªC., quando a política dos tiranos cedeu lugar à democracia. Os primeiros profissionais retóricos foram Córax e Tísias, ambos sicilianos de Siracusa. Naturalmente, o ensino da dialética e o trabalho dos sofistas, no uso consciente da linguagem para convencer sempre o opositor de suas idéias, prepararam o campo de desenvolvimento da retórica. Em pouco tempo, já se aplicava a três situações diferentes de eloqüência necessária, que vieram a conformar três gêneros de discurso: o forense, o político e epidíctico. A arte da retórica foi sistematizada por Aristóteles (384-322 aC.) no tratado Arte Retórica em que recomenda como qualidades máximas para o estilo e clareza e a adequação dos meios de expressão ao assunto e ao momento do discurso. Relacionando os métodos de persuasão do júri e da assembléia, classifica-os em três diretrizes funcionais: os que produzem atitude favorável à pessoa do orador; os que produzem emoção; e os argumentos lógicos, exemplos e entimemas, isto é, unidades de silogismo retórico. A premissa básica da retórica é que todo discurso é feito com a intenção de alterar uma situação determinada. Por isso, sempre se insere no chamado ato processual, que é um conjunto de discursos de três tipos: a apresentação da situação feita por qualquer pessoa; os discursos partidários, pronunciados pelos interesses nas várias possibilidades de modificação da situação; e o discurso do árbitro, que apresenta a decisão. Princípios: A retórica, segundo Reboul (1998), para o senso comum é sinônimo de coisa empolada, artificial, enfática, declamatória, falsa. Segundo Charles Perelman e L. Olbrechts-Tyteca (apud Reboul, 1998:XIII), a retórica é a arte de argumentar e busca seus exemplos mormente entre os oradores religiosos, jurídicos, políticos e até filosóficos. Para Morier, G. Genette, J. Cohen e do Grupo UM, considera a retórica como estudo do estilo, e mais particularmente de figuras. (Reboul, 1998:XIII). A retórica clássica começa com Aristóteles e se prolonga até o século XIX. Ele fundou o Liceu, concorrendo com a Academia de Platão. Filósofo e sábio, soube conciliar duas tendências: o espírito de observação e o espírito de sistema. Para ele a retórica é útil, porque tendo o verdadeiro e o justo mais força natural que os seus contrários, se os julgamentos são proferidos como conviria, é necessariamente por sua única culpa que os litigantes são derrotados. Aristóteles (1972), consigna: "... é preciso ser capaz de persuadir dos prós e dos contras, como no silogismo dialético, para saber claramente quais são os fatos e para, caso alguém se valha de argumentos desonestos, estar em condições de refutá-lo. E assim ele argumenta sobre a retórica : 1.º  argumento: a retórica é útil, dela se pode esperar aquilo que se espera de todas as técnicas: um serviço. 2.º argumento: o verdadeiro e o justo são por natureza mais fortes que seus contrário. 3.º argumento: é preciso ser capaz de defender tão bem o contra quanto o pró, não para torná-los equivalentes, mas para compreender o mecanismo da argumentação adversária e assim a refutar. 4.º argumento: se a palavra é característica do homem, é mais desonroso ser vencido pela palavra que pela força física. Aristóteles notava que o exemplo é mais afetivo que o silogismo; o primeiro dirige-se de preferência ao grande público, enquanto o segundo visa a um auditório especializado, como um tribunal. (Reboul, 1998:XVII). Apreendemos, assim, que a retórica é a arte de persuadir pelo discurso. Por discurso entendemos toda produção verbal, escrita ou oral, constituída de uma frase ou por uma seqüência de frases, que tenha começo e fim e apresente certa unidade de sentido: (...) a retórica não é aplicável a todos os discursos, mas somente àqueles que visam a persuadir, o que de qualquer modo representa um belo leque de possibilidades. Enumeremos as principais: pleito advocatício, alocução política, sermão, folheto, cartaz de publicidade, panfleto, fábula, petição, ensaio, tratado de filosofia, de teologia ou de ciências humanas. Acrescente-se isso o drama e o romance, desde que "de tese, e o poema satírico ou laudatório. (Reboul, 1998:XIV). Persuadir é levar alguém a crer em alguma coisa. Alguns distinguem rigorosamente persuadir de convencer., consistindo este último  não em fazer crer, mas em fazer compreender. (Reboul, 1998:XV). A persuasão retórica consiste em levar a crer, sem redundar necessariamente no levar a fazer. Se ao contrário, ela leva a fazer sem levar a crer, então não é retórica. (Reboul, 1998:XV). O verdadeiro orador é um artista no sentido de descobrir argumentos ainda mais eficazes do que se esperava, figuras que ninguém teria idéia e que se mostram ajustadas; artista cujos desempenhos não são programáveis e que só se fazem sentir posteriormente. (Reboul, 1998:XVI). A primeira função da retórica decorre de sua definição: arte de persuadir. E os meios de competência da razão são os argumentos. Que são de dois tipos: os que se integram no raciocínio silogístico (entimemas) e os que se fundamentam no exemplo. A retórica apresenta algumas funções, dentre elas: Função hermenêutica: para ser persuasivo, o orador deve antes compreender os que lhe fazem face, captar a força da retórica deles, bem como seus pontos fracos. Esse trabalho de interpretação é feito por todos de modo mais ou menos espontâneo. Isto quer dizer que para ser bom orador, não basta saber falar; é preciso saber também a quem se está falando, compreender o discurso do outro, seja esse discurso manifesto ou latente, detectar duas ciladas, sopesar a força de seus argumentos e sobretudo captar o não-dito. Essa é a função hermenêutica da retórica, significando a hermenêutica a arte de interpretar textos. (Reboul, 1998:XIX). Função heurística: a arte de persuadir pressupõe que não estamos sozinhos. Portanto, essa a função da retórica que denominamos de heurística, do verbo euro, eureka, que significa encontrar. Em resumo, uma função de descoberta. (Reboul, 1998:XX). Função pedagógica: a arte do discurso persuasivo implica a arte de compreender e possibilita a arte de inventar. A retórica não é, pois, a prova do pobre. É a arte de defender-se argumentando em situação nas quais a demonstração não é possível, o que a obriga a passar por noções comuns, que não são opiniões vulgares, mas aquilo que cada um pode encontrar por seu bom senso, em domínios nos quais nada seria menos científico do que exigir respostas científicas. (Reboul, 1998:27). Mediante o exposto, o orador deve assumir posturas conhecidas como Etos, que é o caráter que o orador deve assumir para inspirar confiança no auditório, pois, sejam quais forem seus argumentos lógicos, eles nada obtêm sem essa confiança; e Patos, que é o conjunto de emoções, paixões e sentimentos que o orador deve suscitar no auditório com o seu discurso. O orador deve estabelecer regras, como introduzir um Exórdio, que é a parte que inicia o discurso, e sua função é essencialmente fática: tornar o auditório dócil, atento e benevolente. Inicialmente vem o exórdio, depois a narração, confirmação, digressão e peroração. (Reboul, 1998). A retórica é composta de dois elementos: argumentativo e oratório. A importância da oratória é maior quanto mais urgente for a questão, mas restrito o acordo prévio, e menos acessível à argumentação lógica o auditório. (Reboul, 1998:91). Argumentação: O argumento é uma proposição destinada a levar à admissão de outra. A argumentação dirige-se a um auditório, expressa-se em língua natural; suas premissas são verossímeis; sua progressão depende do orador; suas conclusão são sempre contestáveis. (Reboul, 1998:92). Enquanto isso, o que é verossímil é tudo aquilo em que a confiança é presumida. (Reboul, 1998:95). Uma boa argumentação precisa de uma causa, demonstrativa, lógica, agindo de tal modo que ela não seja sofisticada. (Reboul, 1998:100). Por outro lado, o Sofisma é um raciocínio cuja validade é apenas aparente e que ganha adesão por fazer crer em sua lógica. Pode servir assim para legitimar interesses, amor-próprio e paixões. Sofisma da argumentação seria dizer mais do que sabe. (Reboul, 1998:102). O Tratado de argumentação de Perelman-Tyteca distingue quatro tipos de argumento: 1. Os quase lógicos, do tipo um tostão é um tostão; 2. Os que se fundam na estrutura do real, como o argumento "a fortiori"; 3. Os que fundam a estrutura do real, como a analogia; 4. E os que dissociam uma noção, com o "distinguo" entre aparência e a realidade. (Reboul, 1998:164). Ou seja, mediante isso apreendemos que sempre se argumenta diante de alguém. Há de se considerar o auditório. É preciso ver a causa, fatos, verdades, presunções, os valores, os lugares. Nas classes de argumentos podemos encontrar: Argumentos quase lógicos que é aparentado com um princípio lógico, como identidade ou transitividade; e não fazem apelo à experiência (Reboul, 1998:168). Argumentos fundados na estrutura do real, que não se apoiam na lógica, porém na experiência, nos elos reconhecidos entre as coisas. (Reboul, 1998:173). Argumentos que é fundamental à estrutura do real, são empíricos, mas não se apoiam na estrutura do real: criam-na; ou pelo menos a completam, fazendo que entre as coisas apareçam nexos antes não vistos, não suspeitados. (Reboul, 1998:181). E os argumentos por dissociação das noções que consistem em dissociar noções em pares hierarquizados, como aparência/realidade, meio/fim, letra/espírito, etc. distinguem-se assim de todos os outros argumentos que associam as noções. Tudo isso nos habilita a fazer uma análise textual no sentido de compreender e encontrar as emoções e poder de persuasão de quem se manifesta através de um discurso, seja ele textual, seja oral.
REFERÊNCIAS
ARISTÓTELES. Arte retórica e arte poética. Rio de Janeiro: Edições de Ouro, 1972
COSTA, Ana R. F. ett alli. Orientações metodológicas para produção de trabalhos acadêmicos. Maceió: Edufal, 1999.
MARI, Juliana De. Seja você mesmo. In: Revista Você s.a. 27:3. São Paulo: set./2000 p. 56-60
REBOUL, Olivier. Introdução à retórica. São Paulo: Martins Fontes, 1998
TONELLI, Maria José. Demissão. In: RAE- Revista de Administração de Empresas. Out./dez./2000, 40:4, p.103-108.
WELCH, Jack. A administração depois da Internet. In: Revista HSM Management, 22:4 São Paulo: set./out, p.6-12, 2000.




Veja mais sobre:
De baratas, teias & farpas, Alexander Scriabin, Arquitas de Tarento, Artur Azevedo, Francisco Quevedo, Adrian Lyne, Richard Stainthorp, Charles Knight, Renata Zhaneta, Glenn Close & Clevane Pessoa de Araújo Lopes aqui.

E mais:
Educação, Hilton Japiassu, Leopold Nosek &  Óleo de peroba na política aqui.
Marcio Baraldi & Transversalidade na educação aqui.
Segmentação do mercado na área de serviços aqui.
Irmã da Noite aqui.
Inesquecível viagem ao prazer & poema matuto aqui.
Homofobia, sexualidade, bissexualidade & educação para as diferenças aqui.
Oração da cabra preta & Turismo Religioso aqui.
Cultura afrodescendente, carnaval & Célia Labanca aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
 Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.



 

QUINTANA, BUKOWSKI, ESPINOZA, CARLOS NEJAR, OTTO FRIEDRICH, SUZANNE VALADON, ARTUR GOMES & O FIM DO MUNDO

SE O MUNDO ACABAR, JÁ ACABA TARDE! - Pra todo lado que eu me virasse, a conversa era uma só. Bastou eu botar a cara na rua logo cedo, apar...