sábado, abril 28, 2012

PASSANDO A LIMPO



PASSANDO A LIMPO - Lembro bem, mas nem tanto que foi um dia lá de não sei quando dos anos 1970 – na verdade, cá pra nós, eu não tinha tirado ainda a catinga do mijo -, do momento em que se deu a minha primeira arteirice pública no palco da quadra do Colégio Diocesano.

Foi neste espaço que eu me apresentei na III Feira de Música, promovida pelo Fernando Pinras, cantando duas tranqueiras que denominei de músicas e que ousei ser da minha própria autoria: Escalavros e outra que nem sei nem mesmo o título que tinha, nem me peçam pra tocar por que eram garranchuras de tons e versos que nem eu mesmo sei como tive coragem de inscrever e, ainda, me apresentar. Valha-me.

Pronto, foi nesse exato momento que bati o centro levado por toda bola cheia que eu estava pela publicação dos meus poeminhas fajutos de infância, todo sábado no suplemento infantil Junior, do Diário de Pernambuco.

Na minha cabeça eu era o autor mais famoso do planeta, hehehehe, quando não passava de um ilustríssimo desconhecido que não era nem levado em consideração nem mesmo dentro de casa, avalie. Entretanto, esse foi o momento que me consagrou para mim mesmo. Verdade.

Até então, eu só tocava de fato uma guitarra invisível no bucho, vociferando sucessos do momento e solando ao mesmo tempo, enquanto desafinava na música e rasgava os solos vocais como se fosse o mais exímio dos guitarristas.

Nesse tempo a plateia era grande: a namorada e uns dois ou três gatos pingados pacientes e mangadores.

Ah, lembrei da Biuzinha, uma já senhora que servia na casa da namorada, que ficava batendo palma e apoiando as minhas baboseiras artísticas. Na verdade, ela era muito paciente para ver no que ia dar aquele despropósito e depois caía na maior das gargalhadas.

Enquanto eu pensava comigo mesmo que estava abafando, imaginando estar num palco engalanado e cheio do glamour para uma plateia duns dois milhões de gente (tudo isso na minha cabeça, ora), a namorada se ria, a Biuzinha mangava e outros iam embora mandando eu me lascar.

Mesmo assim, isso tudo era um incentivo.

Tanto que aprendi na marra amontado no meu bigodin ralo de dez anos de idade, a mandar ver blem-blem telengotengo no violão, até compondo algumas coisas que eu chamava de música sem mesmo ainda saber dominar o instrumento.

A determinação foi tanta que aprendi os acordes, saí ajeitando um ao outro numa coisa que se podia chamar de ritmo e danava-me a abrir o peito e soltar a voz de qualquer jeito. Dias, tardes e noites até ficar rouco mesmo. Mas, tá!

Quando eu via o Marco Ripe tocando no banco da praça, eu ficava de mutuca espiando cada detalhe dos dedos dele em cada corda do violão. Filei, copiei, imitei, fiz de tudo e na minha cabeça eu já era um astro quando, pra meu desencanto, era um dos mais estrondosos desastres em qualquer hora que eu quisesse mostrar que eu sabia tocar violão.

Por meus próprios esforços, enfim, tropeçando nas notas, desafinando na voz, trejeitando o tempo todo, aos trancos e barrancos, vai que ia, voltava que não fui, meio lá e meio cá, enfim, dei por composta a primeira música.

Oxe, fiquei mais que envaidecido e queria mostrá-la de qualquer jeito. Ninguém queria ouvir, pois quando eu começava a trastejar no violão e destabocar a voz, a turma botava o rabo entre as pernas e se danava para conversar, nem aí pro meu grandioso sucesso universal. Destá.

Não me abati e dessa mesma atrapalhada forma, compus a segunda coisa que denominei de música. Juntei palavras mesmo que desarrumadas, ajustei tons mesmo que jamais harmônicos, e disse pra mim mesmo: - Essa está melhor que a outra. Um horror.

Foi aí que ouvi o anúncio no som volante de Help Baterista, dando conta da abertura de inscrições para uma Feira de Música que iria acontecer dali uns dias. Na hora corri para encontrar o parceiramigo Fernandinho Melo e o primartista Marquinhos Cabral que me deixaram a par de tudo. Oxe, era a hora.

Apois, providenciei tudo e como não tinha banda com coragem suficiente para se apresentar comigo (claro, os caras não eram bestas de levar vaia na cara assim de graça), acertei na inscrição que seria apresentação solo. Arrepara só.

Na minha cabeça eu era um violonista maior que Paulinho Nogueira e Laurindo Almeida juntos. Também era um cantor maior que Nelson Gonçalves e Luis Gonzaga. Claro, depois que ouvi João Gilberto e o estouro do sucesso de Roberto Carlos, nossa, eu disse pra mim mesmo: - Oxe, isso eu também faço. Chegou a minha hora. Insana ignorância.

Na verdade, o que me deu mais entusiasmo foi ouvir Desafinado com João Gilberto. Não sabia eu, na minha mais aguda ingenuidade de bestão do mijado fedido, que pra arte precisa ser bom. E eu me tinha como o bom dos bons, danou-se! Pois inventei de tentar executar essa música Desafinado, resultado: fui pro palco sem ainda saber nem pra onde iam os acordes dessa magistral canção.

Mas como desafinado descarado que se preze não corre da raia, chegou o dia da apresentação e eu lá: sozinho no palco, violão na caixa dos peitos (imitando, claro, Chico Buarque), tremendo que só vara verde, abri a boca, mandei no recado e num instante terminei. Pronto: esperei a vaia comer no centro. A minha surpresa foi que aplaudiram, claro, plateia generosa, todo mundo conhecido. Mesmo assim, saí mais vermelho que morango maduro no galho do pé do quintal. Queria era me esconder, mas tinha que esperar para a segunda apresentação. Ué, nunca fui covarde!

Lá estou eu de novo sendo anunciado, subindo ao palco, sem nem olhar pro júri nem pra plateia, tasquei os dedos na corda e abri o berreiro. Tão rapidamente começou, assim mesmo terminou. Outros aplausos e eu procurando um buraco no chão pra me socar de morto de vergonha.

Pronto, tirei o cabaço. Nem esperei o resultado nem sei até hoje que classificação ficaram as músicas (acredito que viraram lanternas na lista, arengando as duas músicas para qual ficaria no último lugar). O que valia de mesmo era que eu tinha tirado o cabaço e a culpa é do Pinras que permitiu que músicas tão trejeituosas fossem apresentadas, e da plateia que ainda tiveram o desplante e a complacência de aplaudir o que não deveria ser nem executado. O júri está poupado do meu escárnio porque, claro, devidamente deram a nota acertada para que eu desistisse de ter a cara de pau de inventar de cantar um dia. Mas como não tomei conhecimento da manifestação do júri, sigo incólume até hoje abusando da paciência e da boa vontade alheia. Ainda hoje passo por esse vexame.

Depois disso, todo dia é uma surpresa para mim. Até mesmo hoje, a querida Meimei Corrêa acha de fazer um registro de comemoração desses meus trinta e dois anos de tentativa, contando, ainda, com a generosidade dos amigos Ricardo Machado e da Mônica Brandão. Mesmo sabendo quem sou, obrigado. Minha gratidão eterna procês.



Veja mais sobre:
30 anos de arte cidadã aqui, aqui e aqui.

E mais:
Sanha, a história da canção, Bronislaw Malinowski, Wolfgang Amadeus Mozart, Paul Gustave Doré, Sharon Bezaly, Anna Wakitsch, Lendas Africanas, Jaci Bezerra, Silvio Rabelo, Bertrand Bonello, Clara Choveaux, Ivoneide Lopes, Ju Mota & A história de dois moços e quatro moças aqui.
Ginofagia da chegada dela pro amor aqui.
Gestão Tributária aqui.
Mandonismo da paixão aqui.
Atos ilícitos & excludentes de ilicitude aqui.
Ela, a incógnita do prazer aqui.
A fibra na dieta alimentar aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
 Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.






ASCENSO, PAULO FREIRE, REICH, ELIÉZER MIKOSZ, ZWEIG, DIONE BARRETO, EDUCAÇÃO & GINÁSIO MUNICIPAL

O QUE É DE ARTE E CULTURA QUE EU NÃO SEI – Josedácio cometia uns versos brejeiros, coisas de seu; como não tinha escola, era só tirocínio,...