quinta-feira, março 07, 2013

CAIO PRADO JUNIOR, EDUCAÇÃO E PEDRINHO GUARESCHI


CAIO PRADO JÚNIOR – EVOLUÇÃO POLÍTICA DO BRASIL – COLONIA E IMPÉRIO

O advogado, historiador, geógrafo, escritor, político e editor Caio da Silva Prado Junior (1907-1990) foi livre-docente de Economia Políticas e por meio de suas obras deu inicio a uma tradição historiográfica identificada com o marxismo, buscando uma explicação diferenciada da sociedade colonial brasileira. Ele foi um intelectual que teve importante atuação política ao longo das décadas de 1930 e 1940, tendo participado das articulações para a Revolução de 1930. Entre as suas obras, em 1933, ele publicou a sua primeira obra - Evolução Política do Brasil -, uma tentativa de interpretação da história política e social do país.O livro é composto de quatro partes dedicadas à colonia, a revolução e o império. Na primeira parte ele aborda a colônia com uma abordagem acerca do caráter geral da colonização brasileira, economia, sociedade e estatuto político da colonia. Na segunda parte ele também aborda a colonia sob a ótica das novas condições economicas, sociais e políticas. Na terceira parte ele trata acerca da revolução a partir de D. João VI no Brasil, a organização do Estado Nacional e a Assembleia Constituinte de 1823, o primeiro reinado, a menoridade, a revolta dos cabanos no Pará e a regência de Feijó, findando com a revolta dos balaios e a agitação praieira e com a trajetória reacinária de 1837 a 1849. Por fim, na quarta parte ele aborda o segundo reinado e o fim do império.

FONTE:
PRADO JÚNIOR, Caio. São Paulo: Brasiliense, 1991.




O livro “Regiões culturais do Brasil”, escrito pelo eminente professor Manuel Diegues Júnior para a série Sociedade e Educação, traz uma série de questionamentos, dentre eles o sentido e desenvolvimento da ocupação humana, considerando o ambiente físico, as diversidades geografias e o processo de ocupação, bem como os fundamentos culturais da ocupação humana, a fazenda como ambiente de relações étnicas e de cultura e os núcleos urbanos com o aparecimento e desenvolvimento da vida atual. Em seguida ele aborda a questão das regiões culturais sob a ótica da formação, característica e condições atuais, a partir do Nordeste agrário do litoral, do Mediterrâneo pastoril, da Amazônia extrativista, da mineração no planalto, do Centro-Oeste extrativista e pastoril, o extremo-sul pastoral, colonização estrangeira e papel do imigrante, o café com sua tradição e influencia social, o cacau, o sal, a pesca e as populações respectivas, bem como as industrias, as cidades e as metrópoles. Logo após ele traz o panorama cultural do Brasil contemporâneo, observando a unidade pela diversidade, as transformações sociais e a inter-relação regional. Assim, neste livro, o autor estuda com profundidade os critérios de classificação cultural do Brasil.

FONTE:
DIÉGUES JÚNIOR, Manuel. Regiões culturais do Brasil. Rio de Janeiro: INEP, 1960.



PEDRINHO GUARESCHI: SOCIOLOGIA CRÍTICA – O livro “Sociologia crítica: alternativas de mudança” de Pedrinho A. Guareschi, aborda questões como teoria e ciência, ideologia, teorias e ideologia da sociologia, sistema ou modo de produção, a teoria do modo de produção, o capitalismo, o socialismo, o comunismo, classe social, infra-estrutura e superestrutura, os aparelhos de reprodução da sociedade, da escola, do direito, da família, das igrejas, dos sindicatos e das cooperativas, os meios de comunicação e o massacre da cultura, as belas mentiras, propaganda-publicidade, a comunicação alternativa e a força da utopia.

FONTE:
GUARESCHI, Pedrinho A. Sociologia crítica: alternativas de mudança. Porto Alegre: Mundo Jovem, 1984.


NICHOLAS HANS – EDUCAÇÃO COMPARADA

A obra “Educação comparada”, de Nicholas Hans, traduzida por José Severo de Camargo Pereira, traz na primeira parte,os fatores naturais, compreendendo no seu capítulo I a definição e objetivo da Educação Comparada, considerando os pioneiros, outros estudos comparativos, o ponto de vista estatístico, psicológico e histórico, as tradições nacionais e a definição de nação. No segundo capítulo traz o fator racial, definindo raça, a hereditariedade, os problemas raciais na educação, a política educacional nas colônias britânicas, no Império francês, na América Latina, a educação dos maori na Nova Zelândia, a complicação racial na África do Sul, a inteligência dos africanos brancos e a educação dos negros no EUA. No terceiro capítulo vem o fator lingüístico, abordando a língua como repositório da experiência racial e nacional, como meio de instrução, a imposição de uma língua estrangeira e os resultados dessa imposição, vários grupos lingüísticos, o bilingüismo na Bélgica, as quatro línguas da Suíça, as duas línguas do Canadá, o renascimento do irlandês, o bilingüismo no País de Gales, a solução dos problemas lingüísticos na União Soviética, as duas línguas nacionais na Noruega e o problema lingüístico na China. No capítulo quarto traz fatores geográficos e econômicos, abordando a influencia do clima e da geografia, o caso da Austrália, a história e geografia como fatores nos EUA e no Canadá, os fatores econômicos, a revolução industrial na Inglaterra e a adaptação gradual da educação ás novas condições, a Rússia antes da Revolução Soviética, a reconstrução socialista e industria e a rápida adaptação do sistema nacional, as finanças educacionais e a igualdade dos encargos e o sistema inglês. Na segunda parte aborda os fatores religiosos envolvendo as tradições religiosas da Europa, a tradição católica, anglicana e puritana. Na terceira parte vêm os fatores laicos como Humanismo, socialismo, nacionalismo e democracia e educação. Na quarta parte vem a educação em quatro democracias, o sistema educacional inglês, nos Estados Unidos, na França e na União Soviética. Por fim, traz a educação na América Latina abordando o problema racional, lingüístico, geográficos e econômicos, a tradição religiosa, os jesuítas, a tradição leiga, a guerra civil na América Espanholam a organização da educação e a estrutura escolar.

FONTE:
HANS, Nicholas. Educação comparada. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1971.



Veja mais sobre:
Cobiça na Crônica de amor por ela, Buda, Miguel de Cervantes y Saavedra, Montesquieu, Magda Tagliaferro, Ciro Alegría, Lucrécio, Charles Robert Leslie, Emerico Imre Toth, Millie Perkins & Jussanam Dejah aqui.

E mais:
Edgar Allan Poe, Paul Cézanne, Magda Tagliaferro, Jacques Lacan, Nara Leão, Janis Joplin & Miguel Paiva aqui.
As trelas do Doro aqui.
Émile Durkheim, Paul Niebanck, Mauro Cappelletti, Juliette Binoche, Rodolfo Ledel, Samburá, Intrépida Trupe, Micahel Haneke, Ernesto Bertani, Janaína Amado, O direito como linguagem e decisão aqui.
Quando Ciuço Pacaru embarcou no maior revestrés aqui.
Pra vida ofereço a outra face aqui.
Canto paródia de mim aqui.
Candidato faz tudo cara de pau na maior responsa aqui.
Alagoas e o império colonial português aqui.
A viagem de Joan Nieuhof & Pernambuco nos séculos XVI e XVII aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.