sexta-feira, junho 28, 2013

A HIPERMODENIDADE DE GILLES LIPOVETSKY & A TRAJETÓRIA TATARITARITATÁ!

GILLES LIPOVETSKY – O filósofo, professor e teórico da Hipermodernidade, Gilles Lipovetsky, é autor de uma série de livros que abordam sobre a temática do hiperconsumo e do individualismo na contemporaneidade. Durante a mais longa parte da história da humanidade, as sociedades funcionaram sem conhecer os movimentados jogos das frivolidades. Assim, as formações sociais ditas selvagens ignoraram e conjuraram implacavelmente, durante sua existência multimilenar, a febre da mudança e o crescimento das fantasias individuais. A legitimidade inconteste do legado ancestral e a valorização da continuidade social impuseram em toda parte a regra de imobilidade, a repetição dos modelos herdados do passado, o conservantismo sem falha das maneiras de ser e de parecer. O processo e a noção de moda, em tais configurações coletivas, não têm rigorosamente nenhum sentido. Aliás, não que os selvagens, mesmo fora dos trajes cerimoniais, não tenham por vezes o gosto muito vivo das ornamentações e não procurem certos efeitos estéticos, mas nada que se assemelhe ao sistema da moda. Mesmo múltiplos, os tipos de enfeites, os acessórios e penteados, as pinturas e tatuagens permanecem fixados pela tradição, submetidos a normas inalteradas de geração em geração. Hiperconservadora, a sociedade primitiva impede o aparecimento da moda por ser esta inseparável de uma relativa desqualificação do passado: nada de moda sem prestígio e superioridade concedidos aos modelos novos e, ao mesmo tempo, sem uma certa depreciação da ordem antiga. Inteiramente centrada no respeito e na reprodução minuciosa do passado coletivo, a sociedade primitiva não pode em nenhum caso deixar manifestarem-se a sagração das novidades, a fantasia dos particulares, a autonomia estética da moda. Sem Estado nem classes e na dependência estrita do passado mítico, a sociedade primitiva é organizada para conter e negar a dinâmica da mudança e da história. Como poderia ela entregar-se aos caprichos das novidades quando os homens não são reconhecidos como os autores de seu próprio universo social, quando as regras de vida e os usos, as prescrições e as interdições sociais são colocados como resultantes de um tempo fundador que se trata de perpetuar numa imutável imobilidade, quando a antiguidade e a perpetuação do passado são os fundamentos da legitimidade? Para os homens, nada mais resta fazer senão continuar na mais estrita fidelidade àquilo que foi contado, nos tempos originários, pelas narrativas míticas. Na medida em que as sociedades foram submetidas, tanto em suas atividades mais elementares como nas mais carregadas de sentido, aos comportamentos dos ancestrais fundadores, e na medida em que a unidade individual não pôde afirmar uma relativa independência em relação às normas coletivas, a lógica da moda viu-se absolutamente excluída. A sociedade primitiva criou uma barreira redibitória à constituição da moda, na medida em que esta consagra explicitamente a iniciativa estética, a fantasia, a originalidade humana, e implica, além disso, uma ordem de valor que exalta o presente novo em oposição frontal com o modelo de legitimidade imemorial fundado na submissão ao passado coletivo. Para que o reino das frivolidades possa aparecer, será preciso que sejam reconhecidos não apenas o poder dos homens para modificar a organização de seu mundo, mas também, mais tardiamente, a autonomia parcial dos agentes sociais em matéria de estética das aparências. [...]. O IMPÉRIO DO EFÊMERO – O livro O império do efêmero, de Gilles Lipovetsky aborda temas como o feérico das aparências, a moda e o Ocidente, o momento aristocrático, a moda de cem anos, a moda aberta, a moda consumada, a sedução das coisas, a publicidade mostra suas garras, cultura à moda mídia, voga o sentido, os deslizamentos progressivos do social, entre outros assuntos. Uma nova modernidade nasceu: ela coincide com a “civilização do desejo” que foi construída ao longo da segunda metade do século XX. Essa revolução e inseparável das novas orientações do capitalismo posto no caminho da estimulação perpetua da demanda, da mercantilização e da multiplicação indefinida das necessidades: o capitalismo de consumo tomou o lugar das economias de produção. Em algumas décadas, a affluent society alterou os gêneros de vida e os costumes, ocasionou uma nova hierarquia dos fins bem como uma nova relação com as coisas e com o tempo, consigo e com os outros. A vida no presente tomou o lugar das expectativas do futuro histórico e o hedonismo, o das militâncias politicas; a febre do conforto substituiu as paixões nacionalistas e os lazeres, a revolução. Sustentado pela nova religião do melhoramento continuo das condições de vida, o maior bem-estar tornou se uma paixão de massa, o objetivo supremo das sociedades democráticas, um ideal exaltado em todas as esquinas. Raros são os fenômenos que conseguiram modificar tão profundamente os modos de vida e os gostos, as aspirações e os comportamentos da maioria em um intervalo de tempo tão curto. Jamais se reconhecera tudo que o homem novo das sociedades liberais “deve” a invenção da sociedade de consumo de massa. [...] Muitas são as razões que levam a pensar que a cultura da felicidade mercantil não pode ser considerada um modelo de vida boa. São suficientes, no entanto, para invalidar radicalmente seu principio? Porque o homem não e Uno, a filosofia da felicidade tem o dever de fazer justiça a normas ou princípios de vida antitéticos. Temos de reconhecer a legitimidade da frivolidade hedonística ao mesmo tempo que a exigência da construção de si pelo pensamento e pelo agir. A filosofia dos Antigos procurava formar um homem sábio que permanecesse idêntico a si próprio, querendo sempre a mesma coisa na coerência consigo e na rejeição do supérfluo. Isso e de fato possível, de fato desejável? Não o creio. Se, como sublinha Pascal, o homem e um ser feito de “contrariedades”, a filosofia da felicidade não tem de excluir nem a superficialidade nem a “profundidade”, nem a distração fútil nem a difícil constituição de si mesmo. O homem muda ao longo da vida e não esperamos sempre as mesmas satisfações da existência. Significa dizer que não poderia haver outra filosofia da felicidade que não desunificada e pluralista: uma filosofia menos cética que eclética, menos definitiva que móvel. No quadro de uma problemática “dispersa”, não e tanto o próprio consumismo que compete denunciar, mas sua excrescência ou seu imperialismo constituindo obstáculo ao desenvolvimento da diversidade das potencialidades humanas. Assim, a sociedade hipermercantil deve ser corrigida e enquadrada em vez de posta no pelourinho. Nem tudo e para ser rejeitado, muito e para ser reajustado e reequilibrado a fim de que a ordem tentacular do hiperconsumo não esmague a multiplicidade dos horizontes da vida. Nesse domínio, nada esta dado, tudo esta por inventar e construir, sem modelo garantido. Tarefa árdua, necessariamente incerta e sem fim, a conquista da felicidade não pode ter prazo. O que e verdade para a sociedade e verdade para o individuo: o homem caminha rumo a um horizonte que se evapora a medida que ele imagina estar próximo, toda solução trazendo consigo novos dilemas. A cada dia, a felicidade tem de ser reinventada e ninguém detém as chaves que abrem as portas da Terra Prometida: sabemos apenas pilotar sem instrumentos e retificar ponto por ponto, com mais ou menos sucesso. Lutamos por uma sociedade e uma vida melhor, buscamos incansavelmente os caminhos da felicidade, mas o que nos e mais precioso, a alegria de viver, como ignorar que sempre nos será dada por acréscimo? A FELICIDADE PARADOXAL – O livro A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo, de Gilles Lipovetsky aborda na primeira parte sobre a sociedade do hiperconsumo, as três eras do capitalismo de consumo, o nascimento dos mercados de massa, a produção e marketing de massa, uma tripla invenção: marca, acondicionamento e publicidade; os grandes magazines, a sociedade de consumo de massa, a economia fordista, uma nova salvação, além da posição social: o consumo emocional, do consumo ostentatório ao consumo experiencial, o consumo intimizado, paixão pelas marcas e consumo democrático, fetichismo das marcas, luxo e individualismo; hperconsumo e ansiedade, poder e impotência do hiperconsumidor, medicalização do consumo, controle do corpo e espoliação, um hipermaterialismo médico, consumo, tempo e jogo; o consumo como viagem e como divertimento, hedonismo, lazer e economia da experiência; a compra-prazer, a febre da mudança perpétua, o consumo, a infância e o tempo;  rejuvenescer a experiência vivida, nostalgia e desejo de insignificância, a organização pós-fordista da economia, a economia da variedade, extensão das séries e produção personalizada, a reorientação de marketing de grande distribuição, a corrida à inovação, a inflação das novidades, a economia da velocidade, cronoconcorrência, imagem, preço e qualidade, hiperpublicidade e hipermarcas, rumo a um turboconsumidor, o consumo discricionário de massa, a revolução do auto-serviço, o hedonismo consumidor, o turboconsumismo, o consumo hiperindividualista, o consumidor-viajante, o consumo continuo, um turboconsumismo policrônico, o efeito Diva, o consumo balcanizado, a criança hiperconsumidora, Power Age, entre medida e caos, consumidor “profissional” e consumidor anárquico, o fabuloso destino do Homo consumericus, o consumo-mundo, o consumo sem freio, a espiritualidade consumista, o hiperconsumidor cativado pela ética, o consumismo sem fronteira, o consumo reflexivo, da vitrine à consciência, o hiperconsumo como destino, limites da mercantilização, relações mercantis e sociabilidade, aniquilação dos valores? A sentimentalizacao do mundo, frivolidade e fragilidade. Na segunda parte, aborda sobre prazeres privados e a felicidade ferida, Penía: gozos materiais, insatisfação existencial, da decepção, consumo e decepção, os novos vetores da decepção, vida profissional, vida sentimental, vida malograda, desejos, frustrações e publicidade, a publicidade prometeica, extensão do domínio publicitário, a ilusão da onipotência, a publicidade-reflexo, a tragédia do hiperconsumo, a falta, o agir e os outros, pobreza e delinquência: a violência da felicidade, exclusão, consumo e individualização, precariedade e individualismo selvagem, miséria material, miséria interior, aflições e renascimento, a vida recomeçada, Dionísio: sociedade hedonista, sociedade antidionisíaca, a sagração das pequenas felicidades, o cotidiano ludicizado, lazeres e tempo para si, era das comunidades, era dos indivíduos, conforto e bem-estar sensitivo, do conforto tecnicista ao bem-estar emocional, o amor pela casa: o conforto no conforto. conforto, tecnologias de conexão e segurança, o design polissensorial, beber e comer, Gargantua envergonhado, prazeres gastronômicos e cozinha hipemoderna, o desvanecimento do carpe diem, o triunfo de Knock, orgia pesada, sexo ajuizado, um hedonismo bem temperado, sexo, amor e narcisismo; noites de embriaguez dias de festa, drogas, desestruturação e criminalização, a ressurreição da festa, a festa maneira, Super-Homem: obsessão pelo desempenho, prazeres dos sentidos; vida profissional, vida privada, trabalho e tempo livre, feliz no trabalho? Corpos competitivos e preguiçosos, a euforia esportiva, sociedade dopante, esporte-lazer e corpos preguiçosos, superar-se ou sentir-se bem? “Maior bem-estar” e corpo das sensações, medicalização, prudência e sofrimento; o consumo paliativo, sexo-máquina, o amor, sempre; sexo-proeza, sexo emocional; miséria sexual e gozo sensual, Nemesis: superexposição da felicidade, regressão da inveja; o mau-olhado, quando a felicidade se mostra, a inveja neutralizada, dizer a felicidade, medo da inveja e modernidade, confiança: felicidade e inveja, confiança: suspeita e inveja, as metamorfoses da inveja, luxo e comparação provocante, inveja existencial e inveja geral, o recuo da inveja, Homo felix: grandeza e miséria de uma utopia, felicidade e esperança, sabedoria da ilusão, consumo destrutível e responsável, uma sociedade de hiperconsumo durável, hiperconsumo e anticonsumo, frugalidade e felicidade, a sabedoria ou a última ilusão, a sabedoria light, ilusão da sabedoria, ética e estética: uma nova barbárie, barbárie estética, barbárie moral, o espírito de consumo, arcaísmos, o pós-hiperconsumo, o ecletismo da felicidade, entre outros assuntos. Com a era individualista abre-se a possibilidade de uma era de violência total da sociedade contra o Estado, sendo uma das suas consequências uma violência não menos ilimitada do Estado sobre a sociedade, ou seja o Terror como modo moderno de governo pela violência exercida em massa, não só contra os opositores, mas também contra os partidários do regime. As mesmas razões que permitem à violência civil subverter a ordem social e política tornam possível um desafio sem precedentes do poder em relação à sociedade, nascendo o Terror na nova configuração ideológica resultante da supre macia do indivíduo: quer os massacres, as deportações, os processos se realizem em nome da vontade do povo quer da emancipação do proletariado, o Terror só é possível em função de uma representação democrática e, portanto, individualista, do corpo social, embora, sem dúvida, para denunciar a sua perversão e para restabelecer pela violência a prioridade do todo coletivo. Do mesmo modo que a vontade revolucionária não pode explicar-se por contradições objetivas de classe, também é vão querer dar conta do Terror a partir de simples necessidades circunstanciais é porque o Estado, de acordo com o ideal democrático, se proclama idêntico e homogéneo à sociedade que, com efeito, pode chegar a desafiar toda a legalidade, a desenvolver uma repressão sem limites, sistemática, indiferente às noções de inocência e de culpabilidade Se, por conseguinte, a evolução individualista-democrática implica correlativamente, na longa duração, uma redução dos signos ostentatórios do poder estatal e o advento de um poder benevolente, suave, protetor nem por isso deixou de permitir a emergência de uma forma particularmente sangrenta de poder, que podemos interpretar como uma última revivescência do brilho do soberano condenado pela ordem moderna, uma formação de compromisso entre os sistemas da crueldade simbólica tradicional e a impessoalidade gestionária do poder democrático A grande fase do individualismo revolucionário termina ante os nossos olhos: depois de ter sido um agente de guerra social, o individualismo contribui atualmente para abolir a ideologia da luta de classes. Nos países ocidentais desenvolvidos, a era revolucionária encerrou-se, a luta de classes institucionalizou-se, já não é portadora de descontinuidade histórica, os parti dos revolucionários encontram-se num estado de deliquescência total, a ne gociação leva por todo o lado a melhor sobre os confrontos violentos. [...]. A ERA DO VAZIO – O livro A era do vazio: ensaios sobre o individualismo contemporâneo, de Gilles Lipovetsky, trata acerca da sedução non stop, da indiferença pura, Narciso ou a estratégia do vazio, modernismo e pós-modernismo, a sociedade humorística e violências selvagens, violências modernas. OS TEMPOS HIPERMODERNOS – O livro Os tempos hipermodernos, de Gilles Lipovetsky, aborda sobre o individualismo paradoxal, tempo contra tempo ou a sociedade hipermoderna, a entrevista marcos de uma trajetória intelectual, entre outros diversos assuntos. Veja mais aqui e aqui.

REFERÊNCIAS
LIPOVETSKY, Gilles. O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.
______. A era do vazio: ensaios sobre o individualismo contemporâneo. Barueri: Manole, 2005.
______. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
______. Os tempos hipermodernos, São Paulo: Barcarolla, 2004.


TATARITARITATÁ – Tudo começou na verdade em 2002 quando criei este blob no extinto Weblogger, uma plataforma que dava muito problema e me fez, em 2006, migrar para este espaço aqui. Aí, o que na verdade seriam 12 anos, viraram apenas 8. Tem nada não. Então, comemorando o aniversário de 8 anos de um projeto que começou como blog, virou site nas mãos da poeta e design Mariza Lourenço em 2006 mesmo.

Em 2008, passou a ser folheto de cordel que foi publicado pelas Edições Nascente.


Em 2009, foi transformado em programa radiofônico inserido dentro o Alagoas Frente & Verso, comandado pelo jornalista João Marcos Carvalho, na Radio Difusora de Alagoas, razão pela qual, depois de sair da emissora, passou a ser webradio, até então, transformando-o em Folia Tataritaritatá durante o carnaval, Forró Fuá Tataritaritatá durante os festejos juninos, afora dicionário de nordestinês e outras porqueiradas.

Em 2010, virou show musical que foi apresentado dentro do Projeto Palco Aberto, da BoiBumbarte, acompanhado pela banda Cianônima Ilimitada, além de ter sido apresentado em diversos palcos dos estados brasileiros. Logo em seguida foi transformado em pocket show solo e, posteriormente, em show pé-de-serra apresentado em diversas localidades e eventos com acompanhamento do trio Cianônima Ilimitada.


Em 2011, também passou a ser zine impresso que circula de forma intermitente até hoje, divulgando eventos, lançamentos, realizações, música, teatro, literatura e muitas outras dicas.


Virou em 2012 canal no Youtube, pelas mãos da poeta e radialista Meimei Correa que, em seguida, criou a fanpage no Facebook e o perfil do Twitter.

Já foi transformado, também, em livro de crônicas e causos, ainda inédito, a ser lançado muito brevemente, bem como o CD e DVD cd com as músicas do show.

Por essa razão, quero dividir com você que sempre prestigiou o Tataritaritatá a festa dos 8 anos e o alcance da marca de mais de 250 mil acessos. A festa toda culminará com uma edição especial do programa Domingo Romântico, no próximo dia 30 de junho, a partir das 10 hs, na Cidade FM.

Obrigado, obrigado, obrigado. Vamos sempre junto aprumando a conversa & tataritaritatá.


Veja mais sobre:
Amor imortal na Folia Tataritaritatá, Manuel Bandeira, Pedro Nava, Carlo Goldoni, Cacá Diégues, Carybé, SpokFrevo Orquestra, Luís Bandeira, Ana Paula Bouzas, Tatiana Cañas, Carnaval & Claudia Maia aqui.

E mais:
Jacques Prévert, A Paz de Ralph M. Lewis, Milton Hatoum, Eric Fischl, Jonathan Larson, Monica Bellucci, Madhu Maretiore & Sônia Mello aqui.
Fecamepa & Óleo de Peroba, Educação & Hilton Japiassu, Bresser Pereira & A psicanálise de Leopold Nosek aqui.
Erro médico & dano estético aqui.
A literatura de Hilda Hilst aqui, aqui, aqui e aqui.
O pensamento de Carl Rogers aqui e aqui.
O ativismo de Rosa Parks aqui.
A personologia de Henry Murray aqui.
Poetas do Brasil aqui, aqui e aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA;
Veja Fanpage aqui e mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.


  

FAULKNER, PIVA, BOURDIEU, FUREDI, LIA CHAIA, VITOR DA FONSECA, PALHAÇOS, SOCORRO DURÁN & AMANDA DUARTE

POETASTRO METE AS CATANAS SEM ENTENDER DO RISCADO – Imagem: Xilogravura de Amanda Duarte. - Nada dava certo mesmo pras bandas do Doro, tud...