quarta-feira, julho 03, 2013

O TRÂNSITO E A FUBICA DO DORO

Foto da Variant encontrada na carteira do Doro, meramente ilustrativa porque o estado atual do mandú está muito mas muito mais mesmo deplorável.

O TRÂNSITO E A FUBICA DO DORO

Andar no trânsito de qualquer cidade já é um sacrifício dos mais massacrantes, quanto mais cruzar com a fubica do Doro, hem? Nunca vi duas coisas se parecerem tanto e darem tão certo: o loré véio e o dono! Como se identificam, parece mais que um foi feito pro outro. Ou, no mínimo, Deus fez e o diabo ajuntou essas duas trepeças.

Esse mandú é famoso: é uma Variant (quem lembra? bem, parece, não se sabe ao certo se), modelo mil novecentos e antigamente, com ignição direta por qualquer chave virando aos peidos e só aos empurrões. Diz-se ser esse flagelo do mundo o ganha-pão do amolestado.

É assim: logo cedo toda vizinhança é surpreendida com uma barulhada medonha! É que o sujeito está todo cheio dos pantins manipulando chaves e ajeitados para a geringonça pegar, coisa de passes e exorcismos escabrosos.

Depois de muita chupeta, mutreta, remoeta e munganga além da conta, o desmantelo está pronto: a engrenagem toda funciona, o cabra debréia, engata primeira e a desgraça está solta no mundo. E lá se vai o mondrongo atormentar a humanidade.

A monstruosidade vai todo de cara lisa invadindo ruas, avenidas e rodovias carregando a cor do infortúnio e, ao que parece, todas as enfermidades da boceta de Pandora. A cor? Qual? Identificar a pintura do desastre dá trabalho: uma mistura inadequada de qualquer ocre com todas as cores desbotadas. Não me espantarei se ficar invisível qualquer dia desses. Ninguém sabe se é conversível ou se o teto já era. Motor? Deve ser a lenha porque o que o horroroso peida e fumaça, num tá no gibi. Sai pipocando, com o disco de embreagem deslizando, as marchas pisando no rabo do gato e o cara todo ancho buliçoso virando os braços no exercício da folga múltipla do volante. Eita, pau!

Olhando mais de perto não dá direito para identificar os acessórios, exceto alguns mais visíveis como os pneus que de tão empenados rebolam mais bambolês, todos carequíssimos de não poder ver toco de cigarros acesos ou pedrinhas pontudas, e alinhados em conformidade com o pau da venta do sujeito: cada qual puxando pruma direção diferente, o que dá a impressão que a borréia tem complexo de caranguejo pelo eixo entortado e de só andar de banda.

Também as portas – se é que se pode chamar de porta aquela disparatada parte da lataria: um traste, abre o que? Não possui vidros, nem maçanetas nem nada: são amarradas por barbantes nas colunas e cobertas por uma lona rasgada que mais parece coberta de circo chué. Ah, se abrir a mala, cai o para-choque. E o para-brisa? Ah, um plástico grosso e os óculos Ray Ban paraguaio maior que o defunto nas ventas do condutor. Retrovisores? Já era, só se for o pescoço virado pros lados e pra trás na iminência de qualquer desastre. Sinaleiras? Os braços do apaideguado gritando que vai entrar (ou se foder, não faz diferença). E um desplante: tem som, um gasguito dum rádio estridulante que dói no ouvido só do zoadeiro fino que ninguém entende de nada que está tocando ou dizendo (talqualzinho aqueles avisos sonoros de caminhões de venda de botijão de gás, imagina?). Acentos? Uma cadeira de balanço pra quem guia e mais nada: uma catrevagem de coisas pelo assoalho esburacado, tais como cilindros, baterias, bujões, gambiarras, trincos, ferramentas, brebotes e teréns.

Pra subir com a tranqueira ladeira arriba, vambora macacada, tudo empurrando, ora. Ao descer, segura senão vira merda. E lá vai ele todo serelepe na maior estripulia até chegar a hora de brecar o malassombro irrefreável que o sinal fechou – ê, boi! -, e sai tirando fino, cortando num ziguezague pra livrar o povo da frente aos gritos e com o pé dando injetada no pedal do freio, de findar o solado da alpercata rangendo e se gastando no chão, debaixo do maior fumaceiro. Eita, pau!

Para se ter ideia, só pra estacionar é um estrupício: sobe na calçada, derruba o que tiver pela frente e só acaba enfiado no para-choque de outro. Até hoje não vitimou ninguém, pelo menos, pura cagada de sorte.

Mas eis que um dia da semana passada, ele vai pela rodovia todo pabo de fazer gosto. De repente, uma barreira policial. De lá deu pra se ver um dos patrulheiros com as mãos sobre os olhos fitando aquilo que se aproximava como a besta do apocalipse. Oxe, o alvoroço bateu na tropa de se ver um deles gritar:

- Que droga é nove!?!?!? -, e danou o apito como alarme, mandando-o parar.

Um escarcéu!

Com todo estrimilique ele livrou uma barroada na viatura, passou por cima do pé do guarda, matou um sagui que ia atravessando, deixou meio mundo de passageiros que desciam dum cata-corno infrator de pernas pro ar e às carreiras, e só conseguiu parar depois de muita tirineta uns 300 metros depois de distância.

Um pandemônio se instalou no local.

Logo um bocado de soldado armado de baioneta, fuzil e metralhadora arrodeou aquela calamidade.

Um policial graduado logo se aproximou com as mãos no quarto a lhe admoestar:

- Queria furar a barreira, era? Vou lascá-lo agora! -, e empunhou um bloco de multas, anotando com fúria e reclamo: - O senhor e esse desastre criminoso de carro estão incursos em todas as penas de todos artigos do Código de Trânsito, do Código Penal, do Código de Processo Penal, das Leis 9099/95, 11705/2008 e 12760/2012. Pronto, agora teje preso, seu condenado!

- Cuma? Bezodeus! Aí fodeu Maria-preá -, ficou Doro sem saber o que dizer, enquanto a patota da farda já o enquadrava nas algemas.

Felizmente alguma autoridade tomou a providência de remover das ruas esse delito ambulante, ao passo que, ainda temos a infelicidade de cruzarmos com toda espécie de tranqueira motorizada para embananar mais o trânsito que já é uma calamidade por culpa tanto dos engenheiros de tráfego, como da falta de educação dos condutores e transeuntes. Ainda acresça a isso a facilidade processual para escamotear multas e sanções dos intrépidos motoristas que não estão nem aí para quem pintou a zebra, todos que sequer tenham a mínima noção de direção defensiva ou de primeiros socorros, burlando sempre a lei e as autoridades.

Defenestrado do trânsito, com seu quengo mais frio da porretada que levou, o Doro ainda se saiu com essa:

- Danou-se! Esse cabrito lascou o véio! Tô numa peínha de nada: preso, lascado e fudido de tudo. Num tenho um réis no bolso pra cumprar esses recruta. Tô disvalorizado ao rés do chão. O que será de mim, da minha reputação de desenrolado, da minha campanha inleitorá e da minha vida de virador?

Veja mais das Proezas do Doro.


Veja mais sobre:
Folia Caeté na Folia Tataritaritatá, Ascenso Ferreira, Chiquinha Gonzaga, Nelson Ferreira, Adolphe William Bouguereau, José Ramos Tinhorão, Agostino Carracci, Frevo, Maracatu, Teatro & Carnaval, Dias de Momo As Puaras, Peró Batista Andrade, Baco & Ariadne aqui.

E mais:
Fevereiro, carnaval & frevo, Galo da Madrugada, Roberto DaMatta, Mauro Mota, Capiba, Orquestra Contemporânea de Olinda, Mário Souto Maior, Valdemar de Oliveira, Zsa Zsa Gabor, Helena Isabel Correia Ribeiro, Rollandry Silvério & Márcio Melo aqui.
A troça do Fabo aqui.
William Burroughs, Henfil, Ernest Chausson, Liliana Cavani, Hans Rudolf Giger, Charlotte Rampling, Religi]ão & Saúde Mental, A multa do fim do mundo & Auber Fioravante Junior aqui.
Quanto te vi, Christopher Marlowe, Duofel, Haim G. Ginott, Mary Leakey, François Truffaut, Dona Zica, Natalie Portman, Ewa Kienko Gawlik, Pais & filhos aqui.
A magia do ritual do amor aqui.
A psicologia de Alfred Adler & Abaixo a injustiça aqui.
Origem das espécies de Darwim & Chega de injustiça aqui.
Três poemetos de amor pra ela aqui.
Slavoj Žižek & Direito do Consumidor aqui.
E a dança revelou o amor aqui.
Pas de deux: todo dia é dia de dançar o amor aqui.
Três poemas & a dança revelou o amor... aqui.
Quando ela dança tangará no céu azul do amor aqui.
A dançarina aqui.
Poetas do Brasil aqui, aqui e aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA;
Veja Fanpage aqui e mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.




HERMILO, JESSIE BOUCHERETT, LUIZ BERTO, PINTANDO NA PRAÇA & SERRA DO QUATI – CAPOEIRAS

SERRA DO QUATI, CAPOEIRAS - Imagem: Serra do Quati/Capoeiras/Raimundo Lourenço. - Nasci na beira do Una, andejo do dia singrando na vida. ...