quinta-feira, junho 12, 2014

HAROLDO DE CAMPOS & JACQUES LACAN



A ARTE NO HORIZONTE DO PROVÁVEL – A obra A arte no horizonte do provável, do poeta e tradutor Haroldo de Campos, aborda temas como a poética do aleatório, do precário, da tradução, da vanguarda, da brevidade, haicai, poesia japonesa, Ungaretti e a Estética do Fragmento, Hoelderlin, Pindaro, a quadratura do círculo, Leopardi, Kitsch, poética sincrônica, diacronia e sincronia, entre outros importantes temas. Veja mais aqui.

REFERÊNCIAS
CAMPOS, Haroldo. A arte no horizonte do provável. São Paulo: Perspectiva, 1977.

ESTOU FALANDO COM AS PAREDES, DE JACQUES LACAN - [...] Os quatro discursos de que falei há pouco são essenciais para identificar aquilo de que, façam o que fizerem, vocês, de algum modo, são sempre os sujeitos, ou seja, supostos no que se passa de um significante a outro. O significante, é ele o senhor do jogo, e vocês não são mais do que o suposto, em relação a alguma coisa que é outra, para não dizer o Outro. Vocês não lhe dão sentido, nem sequer têm o suficiente para vocês próprios. Mas lhe dão um corpo, a esse significante que os representa, o significante-mestre. Pois bem, sendo vocês ali dentro, literalmente, sombras de sombra, não imaginem que a substância, que é o sonho de sempre lhes atribuir, seja outra coisa senão esse gozo de que vocês são cortados. Como não ver o que há de semelhante nessa invocação substancial e nesse incrível mito do gozo sexual, do qual o próprio Freud se fez reflexo? O gozo sexual é realmente esse objeto que corre, corre, como no jogo do anel, mas cujo estatuto ninguém é capaz de enunciar, a não ser como estatuto supremo. É o auge de uma curva à qual ele dá o seu sentido, e também, muito precisamente, da qual o auge escapa. E é por poder articular o leque dos gozos sexuais que a psicanálise dá seu passo decisivo. O que ela demonstra é, justamente, que o gozo que se poderia chamar de sexual, que não seria semblante do sexual, é marcado pelo índice, nada mais, até nova ordem, daquilo que só se enuncia, daquilo que só se anuncia pelo índice da castração. [...] Esta noite eu lhes comuniquei algumas reflexões e, é claro, são reflexões a que a minha pessoa, como tal, não pode estar alheia. Isso é o que mais detesto nos outros. Porque, afinal, entre as pessoas que me escutam de vez em quando, e que por isso, Deus sabe por quê, são chamadas de meus alunos, não se pode dizer que elas se privem de se  refletir. A parede \le mur\ sempre pode servir de espelho [muroir]. Foi por isso, sem dúvida, que vim contar coisas no Sainte-Anne. Não é para delirar, propriamente falando, mas destas paredes, de qualquer modo, guardei alguma coisa no coração. Se, com o tempo, eu tiver conseguido edificar, com meu S barrado, meu S1, S2 e o objeto a, a razão \réson\ de ser, como quer que vocês a escrevam, pode ser que, no final das contas, vocês não tomem o reflexo da minha voz nestas paredes por uma simples reflexão pessoal. ESTOU FALANDO COM AS PAREDES – O livro Estou falando com as paredes: conversas na capela de Saint-Anne, de Jacques Lacan, traz na primeira parte Saber, ignorância, verdade e gozo assuntos como a ignorância douta de Nicolau de Cuza, a psiquiatria, a psiquiatreria e a antipsiquiatria, Georges Bataille e o não saber, ignorância cassa, alingua, a psicanálise e a linguagem, resistência e o erro de Freud, Copérnico, o geocentrismo e o heliocentrismo, Freud e Darwin: sabemos que sabemos, o inconsciente estrutura-se como uma linguagem, função e campo da fala e da linguagem, o gozo e o princípio do prazer, a relação de Kant com Sade nos Escritos, a gama do gozo e o falo em Freud, racismo, trabalho, poder simbólico, o Iluminismo e o saber da impotência. Na segunda parte, Da incompreensão e outros temas, trata de significante e significado, o signo, sintoma e valor de verdade, sujeito suposto saber e transferência, Bertrand Russel, matemas, Leibniz e Newton, campo magnético, função e campo da fala e da linguagem, gozo sexual, castração, os seres acósicos, Hegel, o tetraedro, Henry Ey e a ciência e a verdade. Na terceira parte, Estou falando com as paredes, aborda sobre o princípio da seriedade, o saber do psicanalista, Platão e o valor da díade, a caverna, a psicanálise e a lógica, Mar, o homem e a mulher, entre outros assuntos. Veja mais aqui e aqui.

REFERÊNCIA
LACAN, Jacques. Estou falando com as paredes: conversas na capela de Saint-Anne. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.


Veja mais sobre:
O cis, o efêmero & eu aqui.

E mais:
Cancioneiro da imigração de Anna Maria Kieffer & Ecologia Social de Murray Bookchin aqui.
A poesia de Sylvia Plath & a Filosofia da Miséria de Proudhon aqui.
Antonio Gramsci & Blinded Beast de Yasuzo Masumura & Mako Midori aqui.
Mabel Collins & Jiddu Krishnamurti aqui.
Christiane Torloni & a Clínica de Freud aqui.
Paulo Moura, Pedro Onofre, Gustavo Adolfo Bécquer, Marcos Rey, Mihaly von Zick, Marta Moyano, Virna Teixeira aqui.
A irmã da noite aqui.
A obra de Tomás de Aquino & Comunicação em prosa moderna de Othon M. Garcia aqui.
Essa menina é o amor aqui.
Uma gota de sangue de Demétrio Magnoli & mais de 300 mil no YouTube aqui.
A filosofia & Psicologia Integral de Ken Wilber & o Natal do Nitolino aqui.
Possessão do prazer aqui.
Roberto Damatta & o Seminário do Desejo de Lacan aqui.
A febre do desejo aqui.
A nova paixão do Biritoaldo: quando o cara erra a porta de entrada, a saída é que são elas aqui.
A ambição do prazer aqui.

Todo dia é dia da mulher aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.





VINICIUS, MIGUEL ASTURIAS, ORTEGA Y GASSET, CAMILLE CLAUDEL & RICHARD MARTIN

IARA, IARAVI – Um dia Fiietó se apaixonou. E ele com a sua força e firmeza no braço, altivez de porte e agudez de vista, dominava a matari...