segunda-feira, novembro 03, 2014

NIETZSCHE, ONIOMANIA & SHOPAHOLIC, NOAM CHOMSKY, MADAME DE STAËL, FLIMAR & DJAVAN



NIETZSCHE, FILOSOFIA E PSICOLOGIA – Evidente que a motivação para a realização do presente trabalho partiu da leitura do romance do Irving D. Yalom, Quando Nietzsche chorou, traduzido pelo Ivo Korytowski e que virou filme dirigido por Pinchas Perry, como também da obra Nietzsche e Freud, de Reinhard Gasser. Merece também registro a menção de Mosé (2005) ao fato da multiplicidade e proliferação de estudos cada vez mais diversificados acerca da obra do filósofo alemão, bem como o entendimento de Giacóia Junior (2001) de que o filósofo exerceu importante influência que o caracteriza como psicólogo. Com isso, por meio de uma revisão da literatura, caracteriza-se esta abordagem como uma pesquisa bibliográfica embasada nas fontes disponibilizadas. A FILOSOFIA E A PSICOLOGIA DE NIETZSCHE - A filosofia de Nietzsche, no dizer de Mosé (2005) é extremamente erudita e com um posicionamento crítico com relação à própria filosofia, adotando a ideia do devir por meio de três linhas de raciocínio: a arte, o pensamento e o saber. No dizer de Cotrim (2006), o filósofo teceu uma abordagem da genealogia da moral produto do histórico-cultural, tendo por consequência, no dizer de Chauí (2002 ), Giacoia Junior (2001) e Souza (2014), o desenvolvimento do Existencialismo inaugurado por Kierkegaard. Esse filósofo começará a lecionar filosofia clássica na Universidade da Basileia, em 1869, publicando seu primeiro livro O nascimento da tragédia no espírito da música, em 1872. Entretanto, é com o lançamento da sua obra Humano, demasiado humano, em 1878, que Nietzsche passará se autodenominar de psicólogo. A filosofia de Nietzsche, em conformidade com Noffat Neto (1991), Giacóia Junior (2001) e Marques (2003), é uma filosofia dos afetos, das paixões e desejos, que contempla o individualismo, a força, a abundância e os instintos de vida. Para ele filosofar não era uma atitude teórica e contemplativa, mas uma atitude prática que se enraíza na vida, um ato de libertação de toda subjugação, de toda moral, de toda deformação e de tudo aquilo que nos prende a religiões, grupos e ideologias. Em um determinado período da sua vida, a filosofia nietzschiana se voltou para a psicologia. Inclusive, Nascimento (2006) registra que esse filósofo se autodenominava psicólogo e em muitas de suas obras encontra-se a denominação de psicologia na sua proposta filosófica. É o que também identificam Oliveira (2014), Barbosa (2014) e Williams (2014), ao mencionarem que nos chamados escritos intermediários do filósofo, ocorrido no período entre 1876 e 1882, ele adota o procedimento de análise nomeado por ele mesmo de psicologia, se autoproclamando o primeiro psicólogo da história e efetuando uma relação interdisciplinar entre psicologia e morfologia, fisiologia, cultura, história, literatura, linguística, medicina e muitas outras áreas do conhecimento. Nietzsche (1978, p. 37) entende que a psicologia é a “[...] ciência que indaga a origem e a história dos chamados sentimentos morais e que, ao progredir, tem de expor e resolver os emaranhados problemas sociológicos”. Nessa ótica, ele faz adoção do procedimento que conjuga as vertentes históricas, fisiológicas e psicológicas unidas à sua filosofia, sob a proposta de tentativa da compreensão a partir do sentimento e das valorações humanas. Assim, para esse autor, a fisiopsicologia é entendida como instrumento de dissecação psicológica dos fenômenos morais. A respeito disso, assinala Vianna (1995) e Giacoia Junior (2001), que a psicologia nietzscheana compreende a visão além dos ângulos da realidade existencial, identificada na dimensão pulsional dos instintos. Noutra ocasião Nietzsche (2002, p. 23) assevera que “Toda psicologia, até o momento, tem estado presa a preconceitos e temores morais: não ousou descer às profundezas. Compreendê-la como morfologia e teoria da evolução da vontade de poder, tal como faço – isto é algo que ninguém tocou sequer em pensamento”. Nesse sentido, ele faz uso da noção procedimental fisiopsicológica para asseverar que a cultura é um sintoma fisiopsicológico das construções humanas, ao reinterpretar o corpo no contexto da corporalidade com o significado de instrumento complexo das múltiplas pulsões vitais e para romper com a dualística convenção do corpo/alma. Dessa forma, o filósofo entende que o ser humano é o resultado da luta das forças biológicas e psicológicas. Noutro momento, Nietzsche (2012, p. 354) assinala que: “Poderíamos, com efeito, pensar, sentir, querer, recordar-nos, poderíamos igualmente agir em todo sentido da palavra: e a despeito disso, não seria preciso que tudo isso nos entrasse na consciência (como se diz, em imagem)”. Com esse pensamento o filósofo defende que a consciência é independente das funções fisiológicas e psíquicas. Observa-se, portanto, que o autor coloca a psicologia no centro das ciências para alcance do ser humano de forma integral, reconhecendo-se a valorização do psíquico e fisiológico independentemente da consciência. Com esse entendimento, Oliveira (2014, p. 1) assevera que: A psicologia de Nietzsche está na base, portanto, de seu projeto de uma ética da amizade porque, ao destituir a moral de seus fundamentos metafísicos, ela abre a possibilidade de pensar as relações humanas e o próprio humano para além do princípio gregário do ethos. Observa-se que a concepção nietzschiana, segundo Vianna (1995, p. 32), é na direção de uma singular psicologia ‘[...] ao operar com as pulsões artísticas da natureza manifesta um inconsciente primordial o qual escapa às possibilidades de representação da consciência. A dimensão do inconsciente emerge como função de um princípio ativo”. Por esse entendimento, essa psicologia está situada no domínio da reflexão filosófica com características definidas na valoração positiva da experiência sensível como fonte principal do conhecimento. A primeira identificação da psicologia nietzschiana, segundo Nascimento (2006, p. 49) está identificada como uma psicologia da tragédia, quando: O psicólogo Nietzsche, num primeiro momento, analisará a tragédia grega e verá um elemento comum entre ela e a psicologia do povo helênico, que é a luta entre as forças apolíneas e dionisíacas. A relação entre elas vai definir uma teoria da civilização e da cultura, bem como uma teoria da arte. A morte da tragédia aparece como a metáfora viva da morte do mundo antigo e aponta desdobramentos na cultura, como, por exemplo, a primazia da razão sobre os instintos, nascida a partir da metafísica socrática que acaba se impondo na cultura do Ocidente, sobretudo em sua face platônica. A segunda identificação da psicologia nietzschiana, para Nascimento (2006, p. 51), é quando o filósofo: [...] vai propor uma psicologia que desmascara as bases de onde a metafísica se apoia e partirá da desmontagem da moralidade, posto que a metafísica é vista como produtora de filósofos da moral. Ao questionar a origem das representações e sentimentos morais afirmará que por detrás das ações morais, o que há, são motivações humanas, demasiado humanas, denunciando a servidão do homem aos conceitos e normas “superiores” que são tomados como vida. Nesse sentido, a autora mencionada identifica que essa psicologia surge no contexto de uma ciência capaz de indagar a história do mundo como representação, ultrapassando a metafísica. Uma terceira identificação da psicologia nietzschiana registrada por Nascimento (2006, p. 55), considera que o filósofo: [...] vai problematizar o que vem a ser a consciência. A psicologia, para se desprender dos preconceitos e temores morais, precisaria interpretar e avaliar a vida enquanto potência. [...] O novo psicólogo vai percorrer o sentido e o valor que vão se manifestar nas relações de forças e nas formas como a vontade de potência se apresenta. Em vista disso, entende a autora que Nietzsche será levado pelas motivações do inconsciente problematizando a natureza do conhecer, entendendo ele que os impulsos serão os agentes que se encontram por trás do conhecimento e que funcionam com a relação existente com outros impulsos, agindo e resistindo uns aos outros. Tem-se, portanto, conforme Nascimento (2006, p. 221) que o filósofo em estudo: [...] busca como psicólogo investigar e diagnosticar a saúde de uma cultura a partir da base, pautado na arte de interpretação dos sintomas manifestos na vida. A proposta de uma nova psicologia, pautada em outros valores, mais próximos da vida, em sua forma plena, ou seja, entendida como vontade de potência. Acrescenta Barbosa (2014, p. 2) que “[...] o argumento da gênese social da consciência fornecido por Nietzsche, vem corroborar com as explicações não dicotômicas sobre os sujeitos e sua interação com o mundo fruto da nova visão da Psicologia Social”. E conforme Fonseca (2014, p. 1): [...] Nietzsche re-lança na cultura moderna da civilização ocidental os fundamentos da perspectiva ética de afirmação do vivido, de constituição dele como fundamento do verdadeiro e dos valores, perspectiva ética de afirmação do corpo e dos sentidos, que vai constituir um fundamento das psicologias humanistas e da ACP [...]. Com isso, o autor mencionado observa que se encontra em franco desenvolvimento iniciativas de recuperação dos fundamentos da fenomenologia e do existencialismo, em particular da filosofia da vida de Nietzsche, filosofia essa que foi capaz de fornecer o substrato básico para o desenvolvimento da psicologia e psicoterapia fenomenológico existencial organísmica (FONSECA, 2014). Identifica-se que o filósofo em estudo influenciou o desenvolvimento da psicanálise de Freud, mesmo sendo irredutível o posicionamento de recusa do psicanalista quanto a este fato, muito embora tenha, ao final de sua vida, reconhecido que Nietzsche é o maior psicólogo de todos os tempos. Também fica identificada com base em Fonseca (2014, p. 1), a influencia do filósofo alemão na psicologia do norte-americano Carl Ransom Rogers, com a observância de que “[...] Bem ao gosto de Nietzsche, Rogers entendia que o existencial não se conforma ao empistemológico, e epistemofílico, pressuposto científico da busca de verdades. Não se conforma às esferas do conhecer, e do conhecimento, e de suas vontades”. É nesse sentido que anota Speranza (2014, p. 1) que “[...] Tanto Nietzsche como a psicoterapia de base fenomenológica têm em comum a existência afirmativa da vida”. Por consequência, entende a autora em comento que a psicologia diante da espiritualidade humana, numa perspectiva fenomenológico-existencial, utiliza-se como referencial a filosofia de Nietzsche e a filosofia do diálogo do filósofo, escritor e pedagogo austríaco Martin Buber que influenciará tanto a Gestalt como a psicologia fenomenológico-existencial. Acrescenta Fonseca (2014b, p. 1) que: Um aspecto que parece um dos mais interessantes para a psicologia e psicoterapia fenomenológico-existencial é que, ao mesmo tempo, o próprio empirismo aporético de Brentano aplicado à consciência como método fenomenológico existencial especificamente experimental, parece intimamente aparentado ao método experimental perspectivativo de Nietzsche. De modo que estas duas vertentes fundamentais da concepção do experimental num sentido fenomenológico existencial compartilhariam raízes bastante próximas. [...]. Com essa associação, verifica-se o quanto o filósofo alemão influenciou as mais diversas correntes psicológicas, sendo, portanto, meritório de registro e destaque de sua importância para a psicologia contemporânea. CONTRIBUIÇÕES NIETZSCHEANA PARA A PSICOLOGIA – Torna-se evidente, em primeiro lugar, a contribuição de Nietzsche para a Psicanálise freudeana, conforme Gasser (1987), mesmo tendo Freud relutado a vida inteira para, só perto da morte, admitir a importância de Nietzsche para a Psicologia. Ter sido o filósofo aquele a assumir em suas obras a condição de psicólogo, tratando sobre paixões, desejos, afetos, pulsões da forma interdisciplinar a psicologia, morfologia, fisiologia, cultura, história, literatura, linguística e medicina, entre outras áreas do conhecimento, definindo-se por uma Fisiopsicologia que compreende uma visão além da realidade existencial dentro de uma dimensão pulsional. Constata-se, ainda, que Nietzsche coloca a Psicologia no centro da ciência. Além do mais, identifica-se a nítida influência exercida pelo filósofo alemão no pensamento de Carl Rogers, Martin Buber, na Gestalt e na Psicologia Fenomelógico-Existencial. Veja mais aqui e aqui.

REFERÊNCIAS
BACKES, Marcelo. Nietzsche. In: NIETZSCHE, F. Ecce homo. São Paulo: L&PM, 2011.
BARBOSA, Keylla. Psicologia social e Nietzsche: convergências na questão da subjetividade. Disponível em http://abrapso.org.br/siteprincipal/images/Anais_XVENABRAPSO/584.%20psicologia%20social%20e%20nietzsche.pdf. Acesso em 13 mar 2014.
CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Atica, 2002.
COTRIM, Gilberto. Fundamentos da filosofia: sistema e grandes temas. São Paulo: Saraiva, 2006.
FIGUEIREDO, Luís Cláudio. A invenção do psicológico: quatro séculos de subjetivação (1500-1900). São Paulo: Escuta, 2007.
______. Matrizes do pensamento psicológico. Petrópolis: Vozes, 2002.
FONSECA, Afonso. Apontamentos para uma histórica da psicologia e psicoterapia fenomenológico-existencial organísmica – dita humanista. Disponível em http://www.apacp.org.br/wp-content/uploads/2012/03/art063.html. Acesso em 10 mar 2014.
______. A experimentação psicológica e o experimental na tradição da psicologia fenomenológica de Bretano. Disponível em http://www.apacp.org.br/wp-content/uploads/2012/03/art040.html. Acesso em 14 mar 2014b.
GASSER, Reinhard. Nietzsche e Freud. New York: W. de Gruyter, 1987.
GIACOIA JUNIOR, Oswaldo. Nietzsche como psicólogo. Porto Alegre: Unisinos, 2001.
MACHADO, Luiz Alberto. Nietzsche & a música. Tataritaritatá. Disponível em http://blogdotataritaritata.blogspot.com.br/2013/03/musica.html. Acesso em 14 mar 2014.
MARQUES, António. A filosofia perspectivista de Nietzsche. São Paulo: Discurso/ Unijuí, 2003.
_____. Assim Falou Zaratustra. Um livro para todos e para ninguém. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.
_____. Genealogia da Moral. Uma polêmica. São Paulo: Cia. das Letras, 2002.
MOSÉ, Viviane. Nietzsche e a grande política da linguagem. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.
NASCIMENTO, Aline. O que é psicologia para Nietzsche. Rio de Janeiro: UFF/CEG/ICHF/DPSIC, 2006.
NIETZSCHE, Friedrich. Humano demasiado humano. São Abril Cultural, 1978
______. A gaia ciência. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.
______. Ecce Homo. Como alguém se torna o que é. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.
_____. Aurora. Reflexões sobre os preconceitos morais. São Paulo: Cia. das Letras, 2004.
______. Além do bem e do mal. Prelúdio a uma filosofia do futuro. São Paulo: Cia. das Letras, 2002.
OLIVEIRA, Jelson. A psicologia como procedimento de análise da moralidade nos escritos intermediários de Friedrich Nietzsche. Disponível em http://www.revispsi.uerj.br/v9n3/artigos/html/v9n3a02.html. Acesso em 13 mar 2014.
PADOVANI, Umberto; CASTAGNOLA, Luís. História da filosofia. São Paulo: Melhoramentos, 1978.
SOUZA, Michel Aires. Nietzsche e a filosofia como libertação. FilosofoNet. Disponível em http://filosofonet.wordpress.com/2010/12/31/nietzsche-e-a-filosofia-como-libertacao/. Acesso em 14 mar 2014.
SPERANZA, Marisa. A filosofia da vida de F. Nietzsche e a arte de clinicar. Psicologia & Saúde. Disponível em http://www.psicologiaesaude.com.br/artigo28042008.htm. Acesso 10 mar 2014.
VIANNA, Gracia. Psicologia/arte no pensamento filosófico de Nietzsche. Psicologia: Ciência e Profissão, vol. 15, nº 1-3, Brasília, 1995.
WILLIAMS, Bernard. A psicologia moral minimalista de Nietzsche. Cadernos Nietzsche. Disponível em http://www.cadernosnietzsche.unifesp.br/home/item/169-a-psicologia-moral-minimalista-de-nietzsche. Acesso em 13 mar 2014.
YALOM, Irving D. Quando Nietzsche chorou: romance da obsessão. Rio de Janeiro: Ediouro, 1995.

ONIOMANIA & SHOPAHOLIC – A compulsão pelo consumo tronou-se um assunto para debates que envolvem as mais diversas perspectivas, sejam elas médicas, psicológicas, psiquiátricas, sejam nas visões do marketing, da economia, da sociologia, entre outras. Parte da visão do consumo na sociedade atual, oriundo do processo de industrialização e sua exposição maciça por meio de apelos propagandísticos nos veículos de comunicação de massa. O desenfreado consumo tem sido objeto de estudos das mais diversas áreas do conhecimento, notadamente pela necessidade de escoamento da produção de produtos e utilização de serviços, como das causas de ansiedade e estresse incidentes no comportamento do consumidor pela aquisição dos produtos mais sofisticados, dos serviços mais especializados e do atendimento aqui e agora. Em vista disso, o estresse e a ansiedade constante têm promovido que se instaurem no ser humano compulsões as mais diversas que, por sua vez, acarretam à identificação de transtornos. Essas compulsões passaram, então, a serem observadas tanto como desordem de comportamento, como estudos do comportamento humano diante do consumo desenfreado da realidade contemporânea. Essa desordem originou a oniomania que foi descrita, em 1915, pelo psiquiatra alemão Emil Kraepelin (1856-1926), como o impulso irresistível para obtenção dos mais diversos itens, inclusive aqueles desnecessários. Com isso, considera-se um transtorno do controle do impulso. Inicialmente entendeu-se que a oniomania poderia ser uma forma de autocura com alívio da tensão e satisfação da aquisição do que se necessita. Contudo, detectou-se que a tensão diminuída após a compra é substituída pelo sentimento de culpa, contribuindo para problemas de caráter crônico, destrutivo e patológico que levam a dívidas, inadimplemento e consequências financeiras e jurídicas, afora propiciar o aparecimento de sintomas patológicos associados. A COMPULSÃO PELO CONSUMO – As patologias que possuem relação com os distúrbios compulsivos, conforme Fonseca (2011) e Guerra e Penalosa (2014), começaram a ser observadas no começo do séc. XIX. Contudo, apenas no final do século XX é que ocorreram as primeiras identificações da compra compulsiva como um comportamento crônico e repetitivo em resposta aos sentimentos negativos ou eventos primários, passando a ser considerada como uma síndrome psiquiátrica. É preciso entender que, segundo Davidoff (2001, p. 757), a compulsão é entendida como “Comportamento ritualístico recorrente, apesar das tentativas de resistir ao impulso”. Nesse sentido, a autora considera que as obsessões e compulsões variam amplamente, muito embora se enquadrem nas categorias das dúvidas obsessivas, pensamentos obsessivos, impulsos obsessivos, medos obsessivos, imagens obsessivas, cessão e controle às compulsões. No dizer de Davidoff (2001), as causas da compulsão estão na diátese múltipla e nos estresses. Para a autora, segundo a visão behaviorista, as obsessões e compulsões são adquiridas por meio dos princípios de reforçamento e que fatores fisiológicos podem contribuir para formação desse comportamento. Para Morris e Maisto (2004, p. 412) as compulsões e obsessões são formas diferentes da ansiedade, considerando as obsessões como “[...] pensamentos ou ideias involuntárias recorrentes, apenas das tentativas da pessoas eliminá-los”, enquanto que a compulsão é o “[...] comportamento repetitivo e ritualístico que a vítima sente compelida a realizar”. No dizer de Leite (2011) há o entendimento de que as compras compulsivas são consideradas como um vício e um fenômeno social, quando consumidores sucumbem às compras para preenchimento do vazio interior. Essas compulsões passaram a ser denominadas de oniomania pelo psiquiatra alemão Emil Kraepelin (1856-1926), como sendo o impulso patológico para o ato desenfreado de comprar. O transtorno do comprar compulsivo (TCC), também conhecido como oniomania, conforme Filomensky (2011), é o ato da compra excessiva resultante de um impulso patológico que ocorre inicialmente no final da adolescência ou depois dos vinte anos, associado à desinibição que inclui álcool, cigarros, sexo precoce e uso de drogas, às compras descontroladas. Os portadores desse transtorno são identificados como shopaholic, considerados como incapazes de controle do desejo de compras ou quando os frequentes e excessivos gastos passam a interferir nos aspectos da vida do paciente. Os sintomas é de excitação e ansiedade para comprar, de gratificação e prazer em consumar a compra, ou acometido de angústia, irritabilidade ou frustração pela inibição do ato de comprar. Trata-se, conforme Tavares et al (2008) de um comportamento de consumo descrito em todos os continentes do planeta, não possuindo ainda até o presente uma incerta classificação nem incluído nos sistemas nosológicos contemporâneos, ou seja, ainda não foi descrito pelo Manual de Diagnóstico e Estatística de Transtornos Mentais, nem na Classificação Internacional de Doenças da Organização Mundial da Saúde (OMS). É também reconhecido, no dizer de Martins (2014), como o comportamento do consumidor de forma crônica e repetitiva, difícil de ser interrompido e consequências graves e prejudiciais. Geralmente ocorre em resposta aos eventos e aos sentimentos negativos, configurando incapacidade de resistência à urgência de compras e os seus prejuízos. No dizer de Tavares et al (2008) o TCC é comórbido com frequência com os transtornos da ansiedade, do humor, alimentares e uso de substâncias. Por essa ideia, a classificação desses compradores foram acometidos de significativas depressões recorrentes ou do transtorno bipolar, bulimia, transtorno de personalidade, compulsão alimentar, escoriação psicogênica, abuso de bemzodiazepínicos, tentativas de suicídio, TOC, transtornos do controle do impulso (TCI) e cleptomania, entre outros comportamentos impulsivos. Significa dizer que esse transtorno, conforme Lopes e Souza (2014), caracteriza-se pela impulsividade, impossibilitando-se os pacientes, independente de formação acadêmica, de evitar as compras ou a incapacidade de domínio sobre o impulso das compras. Em vista disso, é considerado como um transtorno de dependência agrupado com os transtornos da droga e do uso do álcool. A oniomania, Nery, Menêses e Torres (2014), associada aos impulsos reativo incluem a piromania e a clieptomania, como parte dos transtornos obsessivo-compulsivo, ou de humor, categorizado com a combinação de dependências que incluem o comportamento sexual compulsivo, a dependência da Internet e o jogo patológico. O tratamento da oniomania, conforme Hodgins e Peden (2008), ainda não possui um padrão psicoterápico, sendo efetuado ainda por meio de um modelo cognitivo-comportamental, tratados com base em antidepressivos e outras iniciativas da psicofarmacologia. Dessa forma, as recomendações clínicas e terapêuticas são da prescrição de intervenções psicossociais no modelo cognitivo-comportamental. Veja mais aqui e aqui.

REFERÊNCIAS
DAVIDOFF, Linda. Introdução à psicologia. São Paulo: Pearson |Makron Books, 2001.
FILOMENSKY, Tatiana. O comprar compulsivo e suas relações com transtorno obsessivo-compulsivo e transtorno afetivo bipolar. São Paulo: Edusp, 2011.
FONSECA, Patrícia. Significados e julgamentos percebidos na frequência do consumo. Brasília: UnB, 2011.
GUERRA, Diego; PENALOSA, Veronica. Compra compulsiva: uma abordagem multidisciplinar com estudantes universitários. XII SemEAD Empreendedorismo e Inovação. Disponível em http://www.ead.fea.usp.br/semead/12semead/resultado/an_resumo.asp?cod_trabalho=823. Acesso 03 maio 2014.
HODGINS, David; PEDEN, Nicole. Tratamento cognitivo-comportamental para transtornos do controle do impulso. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, 30(Supl I):S31-40, 2008.
LEITE, Priscilla. Adaptação transcultural e validação das escolas the richmond compulsive buyning scale e compulsive buying scale. Rio de Janeiro: UFRJ, 2011.
LOPES, Francirene; SOUZA, Regiane. Compulsão por consumo: interface no período da contemporaneidade. Anais V CIPSI - Congresso Internacional de Psicologia. Disponível em http://www.eventos.uem.br/index.php/cipsi/2012/paper/view/797. Acesso em 03 maio 2014.
MARTINS, Gisele. O consumo compulsivo. Janela Econômica. Disponível em http://www.santacruz.br/v4/download/janela-economica/2010/9_O_consumo_compulsivo.pdf. Acesso em 03 maio 2014.
MORRIS, Charles; MAISTO, Albert. Introdução á psicologia. São Paulo: Prentice Hall, 2004.
NERY, Matheus; MENÊSES, Carla; TORRES, Thalita. Um breve ensaio da psicologia acerca do comportamento consumista na sociedade atual. Interfaces Científicas. Disponível em https://periodicos.set.edu.br/index.php/humanas/article/view/164. Acesso em 03 maio 2014.
TAVARES, Hermano; LOBO, Daniela; FUENTES, Daniel; BLACK, Donald. Compras compulsivas: uma revisão e um relato de caso. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, vol. 30, supl. 1, jan/mai, 2008.



V FESTA LITERÁRIA DE MARECHAL DEODORO – A V FLIMAR acontecerá nos próximos dias 12 a 15 de novembro, na cidade de Marechal Deodoro, tendo como personagem homenageada o cantor e compositor alagoano Djavan. Veja mais da Flimar aqui.


LIÇÃO PRO DIA A DIA – A romancista e ensaísta francesa, Anne-Louise Germaine Necker, baronesa de Staël-Holstein e mais conhecida como Madame de Staël (1766-1817), deixa pra gente uma importante lição: “É mais digno lutar contra o desespero do que a ele sucumbir”. 

A RESPONSABILIDADE DO ESCRITOR - O filosofo e ativista político norte-americano, Noam Chomsky, declara qual a responsabilidade do escritor: “A responsabilidade do escritor como um agente moral é tentar apresentar a verdade sobre assuntos de significância humana para um publico que poder fazer alguma coisa a respeito. Isso é parte do que significa ser um agente moral ao invés de um monstro”. Veja mais aqui.


Veja mais sobre:
O lamentável expediente da guerra aqui.

E mais:
Jorge Amado, Gonçalves Dias, Claudionor Germano, Al-Chaer, Dany Reis & Nina Kozoriz aqui.
Ismael Nery, Tomás Antônio Gonzaga, Juliana Impaléa & Keyler Simões aqui.
Miguel Torga, Alfred Gilbert, Pat Metheny, Luciene Lemos, Antonio Cabral Filho & Programa Tataritaritatá aqui.
Michel Foucault, John Coltrane, T. S. Eliot, Edina Sikora, Wender Nascimento & Programa Tataritaritatá aqui.
Nelson Rodrigues, Gauvreau, Antonio Menezes, Luiza Silva Oliveira, Luiz Fernando Prôa & Bárbara Lia aqui.
Jorge Luis Borges, Paulo Leminski, Jean-Michel Jarre, Jeanne Mas, Donizete Galvão, Fabio Weintraub & Regiane Litzkow aqui.
A refém do amor & Programa Tataritaritatá aqui.
Fritjof Capra, Instinto & Ismael Condição Humana aqui.
Loucura repulsiva aqui.
Jards Macalé, Renata Pallottini, Silvia Lane, Hanfstaengl, Louise Von Franz, Miranda Richardson & Programa Tataritaritatá aqui.
Marilena Chauí, Marilda Villela Imamoto, Nise da Silveira, Guimar Namo de Mello & Arriete Vilela aqui.
O presente na festa do amor aqui.
Tanatologia aqui.
Ricardo Alfaya, Direito de Família & Alimentos aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.




ARIANO, LYA LUFT, WALLON, AS VEIAS DE GALEANO, FECAMEPA, JOÃO DE CASTRO, RIVAIL, POLÍTICAS EM DEBATE & MANOCA LEÃO

A VIDA NA JANELA – Imagem: conversando com alunos do Ginásio Municipal dos Palmares - Ainda ontem flores reluziam no jardim ornando muros...