segunda-feira, março 16, 2015

HAYDN, SPIELREIN,VALLEJO, BONHEUR, BOAL, BERGANZA, DIONISO & FECAMEPA!!!!


TRILCE – No livro Trilce (1922 - Philobibliom, 1984), do poeta vanguardista e dramaturgo peruano César Vallejo (1892-1938), destaco o poema XXXV, traduzido por Thiago de Mello: O encontro com a amada, / tanto de uma vez, é um simples detalhe, / quase um programa hípico violeta, / de tão comprido não se pode dobrar bem. / O almoço com ela que servira / o prato que ontem estava tão gostoso / e se repete agora / só que com um pouco mais de mostarda; / o garfo absorto, seu galanteio radiante / de pistilo em maio, e seu pudor / de um centavo, por dá cá aquela palha, / e a cerveja lírica nervosa / zalada por seus dois mamilos sem lúpulo, / e que não se deve beber em demasia. / E os tantos outros encantos da mesa / que aquela núbil companha borda / com suas próprias baterias germinais / que funcionaram toda a manhã, / segundo me consta, a mim, / amoroso tabelião de suas intimidades / e com as dez varinhas mágicas / de seus dedos pancreáticos. / Mulher que, sem pensar em outra coisa, / solta o melro e começa a nos falar / com palavras ternas ; como lancinantes alfaces recém-colhidas. / Outro copo e me vou. E vamos, / agora sim, trabalhar. / Entretanto, ela se enfia / entre os cortinados e, oh agulha dos meus dias / desgarrados!, senta-se à beira / de uma costura, a me costurar as costas / as suas costas, / a pregar o botão dessa camisa / que tornou a cair. Mas já se viu! Veja mais aqui.
Imagem da pintora realista francesa Rosa Bonheur (1822-1899)

Ouvindo o Recital (1995), do compositor clássico vienense Franz Joseph Haydn (1732-1809) pela mezzo-soprano espanhola Teresa Berganza, sob a regência de Raymond Leppard na Scottish Chamber Orchestra.

 


SALVE DIONISO, EVOÉ BACO! – Imagem: O jovem Baco e seus seguidores (1885) do pintor acadêmico francês William-Adolphe Bouguereau (1825-1905) - Longe de ter uma visão sectária ou maniqueísta do mundo por entender que há dualidades que são, na verdade, unidades ou trindades que se tornam quartetos e outras multiformes e polimorfas expressões, e, também, para não mergulhar apenas no canhestra mundo apolíneo & Fabos & umbigocentristas, salve Dioniso, evoé Baco! Hoje, na mitologia greco-romana, é consagrado o primeiro dia do Bacanal, o Festival de Dioniso/Baco, deus do vinho, dos grãos, da fertilidade e da alegria. É a prova de que a vida prossegue. Poucos dias atrás estávamos sob o reino dionisíaco, o nosso maravilhoso carnaval: tudo alegria, paz, satisfação. Mal acabou a festa, já viramos panelaços, protestos, batendo no peito & mandando ver! Tudo isso no reino do Fecamepa! Vamos aprumar a conversa & tataritaritatá. Veja mais aqui.

EXERCÍCIOS E JOGOS DO TEATRO – No livro 200 exercícios e jogos para o ator e não-ator com vontade de dizer algo através do teatro (Civilização Brasileira, 1983), o dramaturgo, ensaísta e escritor brasileiro Augusto Boal (1931-2009), trata a respeito da história do teatro Arena de São Paulo, abordando sobre jogos e exercícios, aquecimento físico, ideológico, vocal e emocional; jogos de integração do elenco, exercícios de máscaras e rituais; quebra da repressão, exercícios gerais sem texto; ensaios de motivação com texto, sequencia e ensaios pique-pique, entre outros assuntos. Da obra destaco: [...] começamos a estudar metodicamente os trabalhos de Stanislawsky. A nossa primeira proposta foi esta: que a emoção seja prioritária, que ela possa determinar, livremente a forma final. Mas como poderíamos esperar que as emoções se manifestassem livremente através do corpo do ator, se precisamente tal instrumento (o corpo) está mecanizado, muscarlarmente automatizado e insensível em 90% das suas possibilidades? Uma nova emoção descoberta corria o risco de ser canalizada pelo comportamento mecanizado do ator. Por que é que o corpo do ator está mecanizado? Pela enorme capacidade que têm os sentidos para registrar sensações, aliada a uma igual capacidade para selecionar e hierarquizar essas emoções. [...] Quando começamos com os Laboratório de Interpretação no Teatro Arena ainda não pensávamos nas máscaras sociais, naquela época, a mecanização era entendida sob uma forma puramente física: ao desenvolver sempre os mesmos movimentos, cada pessoa mecaniza o seu corpo para melhor os efetuar, privando-se então de uma atuação original em cada oportunidade. Podemos rir de mil maneiras diferentes, mas quando nos contam uma piada não nos pomos a pensar num modo original de rir, portanto, fazemo-lo sempre da mesma maneira. Veja mais aqui.

MÉTODO PERIGOSO – A psiquiatra e psicanalista russa Sabina Spielrein (1885-1942), tornou-se uma personagem romanesca que adquiriu celebridade, vez que sua história é singular e reveladora de todos os móbeis transferenciais do movimento psicanalítico. Desde criança que ela apresentava problemas, sendo vitima de alucinação por angustias e fobias, desordem mental, sentava-se nos calcanhares a ponto de fechar o ânus impedindo a defecação por duas semanas seguidas, entregou-se à masturbação, tudo durante a infância até aos oito anos de idade, quando a situação piorou. Aos dezoito anos foi atingida por crises de depressão, teve surtos psicóticos, passando a ser tratada na Suíça, por Jung com um caso de histeria e que ficou finalmente curada. Esse tratamento resultou em uma paixão incontrolável entre o terapeuta e a paciente. Simultaneamente polígamo, sedutor e obcecado pelo pecado e a loucura, Jung sempre teve uma atração particular pelo tipo de feminilidade encarnado por ela que foi aconselhada por Freud e por seu pai a encontrar uma solução sozinha. O que ela fez. Fez então estudos de medicina e orientou-se para a psiquiatria. Diplomada em 1911 com uma tese sobre a esquizofrenia, trabalhou depois com intensidade, apresentando uma exposição da sua tese sobre a pulsão de destruição, na qual Freud se inspiraria para escrever Muito além do princípio do prazer. Ao mesmo tempo paciente e estudante de psiquiatria, ela participou do debate sobre esquizofrenia no início do século XX. Depois experimentou o principio da transferência e do tratamento pelo amor, tornando-se a testemunha privilegiada da ruptura de Jung e Freud. O primeiro, seu amante e analista, o segundo, seria o seu mestre. Mais tarde inventou a noção de pulsão destrutiva e sádica, da qual nasceria a pulsão de morte. Enfim, atravessou as duas grandes tragédias: o genocídio dos judeus na Europa e a transformação do comunismo em stalinismo na Rússia. Durante dez anos ela continuou seus trabalhos e atividades clínicas na Alemanha, na Suíça e na Áustria, tendo por aluno Jean Piaget (1896-1980). Seus últimos artigos foram destinados aos temas da linguagem infantil, à afasia e a origem das palavras papai e mamãe, ocupando-se na Rússia de pedologia, afirmando ser capaz de curar Lenin de sua doença. Em 1935 foi apanhada, com toda a sua família, pela engrenagem do sistema totalitário. Seu marido morreu de infarto e seus dois irmãos levados pelos expurgos e desaparecendo no Gulag. Em 1942, ela foi massacrada com as suas duas filhas na ravina de Viga da Serpente, em meio a cadáveres coberto de sangue. O seu envolvimento amoroso com Jung virou tema da peça teatral The talking cure, de Cristopher Hampton, e transformada pro cinema num drama e suspense dirigido por David Cronenberg, A Dangerus Method (Um método perigoso, 2011), destacando-se o papel da atriz e modelo inglesa Keira Knightley. Veja mais aqui e aqui



Veja mais sobre:
Pablo Neruda, Modigliani, Björk, Teixeira Coelho, Zinaida Evgenievna Serebriakova, Elsa Zylberstein, Rubens da Cunha & Uma mulher por cem cabeças de gado aqui.

E mais:
Com quantos desaforos se faz uma eleição, Howard Chandler & Luciah Lopez aqui.
A poesia de Valéria Tarelho aqui.
Primeira Reunião, Patativa do Assaré, Heitor Villa-Lobos & Turíbio Santos, Cicero Dias, Rosa Luxemburg, Pier Paolo Pasolini, Bárbara Sukowa, Rubem Braga & José Geraldo Batista aqui.
Lev Vygotsky, Gabriel García Marquez, Flora Purim, Elizabeth Barrett Browning, Cyrano de Bergerac, Andrzej Wajda, Michelangelo & Anna Mucha aqui.
É pra ela – Crônica de amor por ela, Carlos Gomes & Silviane Bellato, Neila Tavares, Heloneida Studart, Giuseppe Tornatore, Piet Mondrian, Edwin Landseer, Maria Esther Maciel, Monica Bellucci & A lenda Mundurucu Quando mandavam as mulheres aqui.
Crônica de amor por ela, Sylvia Plath, Safo, Helena Blavatsky, Maria Bonita, Eurípedes, Carole Bayer Sager, Andrômaca & As troianas, Antonio Maria Esquivel, Mulheres no Mundo & O espelho em que os rostos se dividem aqui.
Crônica de amor por ela – poemas & canções, Juana de Ibarbourou, Camille Claudel, A Literatura Ocidental de Otto Maria Carpeaux, Ornette Coleman, Juliette Binoche, Johann Kaspar Füssli & Iacyr Anderson Freitas aqui.
Mil sonhos na cabeça e o amanhã nas mãos, João Cabral de Melo Neto, Omar Ortiz, Sean Seal& Gary Jackson aqui.
A vida em risco e o veneno à mesa, Amartya Kumar Sem, Roberto Fernandez Balbuena & Kadee Glass aqui.
Aos quatro cantos e ventos minha vida, Jacob Boehme, Esther Scliar, Tamara de Lempicka, Jo Ansell, Jonathan Charles & Dene Ramos aqui.
Solilóquio na viagem noturna do sol, Educação no Brasil, Maria Esther Pallares, Paula Águas, Sêneca, Terry Miura & Amenaide Lima aqui.
Lasciva da Ginofagia aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.



GALEANO, BOLDRIN, FLORA PURIM, CAMPBELL, JACI BEZERRA, BRAGINSKY, ADONIRAN, INGRID PITT, RESILIÊNCIA & QUIPAPÁ

A ESCRITURA DO VISINVISÍVEL – A arte do pintor ucraniano Arthur Braginsky . – O que vejo a lágrima embaça porque tudo é muito adverso e av...