sábado, julho 25, 2015

BAUMAN, FLAUBERT, MALFATTI, BAUDELAIRE, RAMEAU, ARISTÓFANES, MESSALINA, ALAN MOORE, ZAMAZAL & DIA FORA DO TEMPO!


VAMOS APRUMAR A CONVERSA? O DIA FORA DO TEMPO – Amanheceu. Era vinte e cinco de julho dos meus calendários tzolkin e haab. Naquele instante entoei vinte vezes o Hino de Akhenaton. Depois me sentei, ereto, mãos sobre as coxas, e contemplei os primeiros raios que emergiam da aurora rósea, o espetáculo dos primeiros sinais da manhã. E fechei os olhos para viver aquele momento. Logo percebi a aproximação dos invisíveis sábios que se formavam diante de mim e ao meu lado. Um deles empunhava o Popol-vuh, o Códice de Dresde e a lição de cinquenta e dois anos num gnômon que trazia a indicação do cômputo numerado do tempo no zero, uma data origem da última entre as quatro Criações do Mundo. Pude perceber um cenário que emergia por meio de figuras geométricas que se formavam como círculos, algarismos que sinalizam o tempo galáctico, cifras expressando ciclos lineares e aspectos multidimensionais, datas, lunações, eclipses, o ritmo das estações, ângulos cambiantes, triangulações, mensuração de sombras. Nessas imagens formadas, havia uma mensagem subjacente que pude interpretar nas ameias heliocoidais, trazendo as determinações de solstícios e equinócios, revelando o cumprimento de lavrar, semear, colher nos períodos propícios e favoráveis. Foi quando uma Luz Cósmica iluminou sobre o tempo e a existência humana. Ao lado surgiu a Lua Planetária Vermelha e ouvi uma voz inaudível num idioma insólito que me falava à compreensão: os dias são seres vivos e patrocinados por um deus de natureza dupla. Ao entender isso, logo vi a estrela do Pastor – a primeira a luzir, a última a se pagar. E era como se eu visse o tempo transportado para o futuro, por deuses que se revezavam e se substituíam uns aos outros por turnos no governo do mundo: o dia sucedendo a noite. E cada um deles, por sua vez, tomava às costas o fardo do tempo preso por uma cilha frontal. E ao final do turno cedia a outro deus noturno e assim por diante. Foi quando pude ver os treze deuses que reinam cada mês: a estela D de Copan com inscrições sobre baktuns, katuns, tuns, uinal, kines. Outra voz me explicava sobre pintun, kalabtun e kicliltun dos períodos venusianos. Eu não os ouvia, mas sabia o que falavam. Nesse momento tive a compreensão de que o Sol no inverno se posiciona mais ao sul; no verão, mais ao norte. Logo outra voz inaudita me alertava para os cinco dias epagômenos: o uayeb - dias que requerem abstinência. E de repente surgiu um painel numa cripta insculpida em alto-relevo com os nove Senhores das Trevas e da morte em volta de um sarcófago. Fiquei impressionado e fui puxado por um deles para um pequeno templo com estranhos tampões circulares de pedra e que estava encaixado entre ladrilhos triangulares, pelo qual me conduziram a um dintel com um deus surgindo da goela de uma serpente, ameaçando com seu dardo o suplicante acocorado diante dele. E fui conduzido para um vão no qual dei no primeiro degrau de uma escada íngreme que findava num salão com estatuetas coroplásticas de Jaina, monumentos de estelas de Quiriga e Copan, painéis e dintéis de Yaxchilan, Palenque e Piedras Negras e, no topo da pirâmide de E-VIII de Uaxactun, vinhetas dos códices empoleiradas sobre outras pirâmides que ficavam embaixo de um dossel protetor com dois bastões cruzados erguidos e ladeados por tubos ocos de jade. No centro, um ladrilho na cripta do grande halach uinic, onde um jovem jazia, de perfil, sentado sobre a enorme cabeça de um monstro, e do seu corpo brotava verticalmente uma árvore da vida, encimada por um pássaro quetzal de assas abertas. Era a lição: pela noite volta-se à terra para ressurgir um dia, como o grão de milho é enterrado para dar uma planta e um novo fruto. Aí surgiu o Arco-Íris da Terra. (O dia fora do tempo, Luiz Alberto Machado). Veja mais aqui.

Anita Malfatti (1889-1964).


Curtindo a ópera e héroique ballet Les Indes Galantes (O Amorous Índias, 1735), do compositor do período Barroco-Rococó e maior expressão do Classicismo musical francês Jean-Philippe Rameau (1683-1764), com libreto de Louis Fuzelier, original harpsichord transcritions performed by Kenneth Gilbert.

VIDA PARA CONSUMO – O livro Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadorias (Zahar, 2008), do sociólogo polonês Zygmunt Bauman, aborda temas como o segredo mais bem guardado da sociedade de consumidores, consumismo versus consumo, sociedade de consumidores, cultura consumista e baixas colaterais do consumismo, entre outros assuntos, traz trechos significativos para nossa reflexão: [...] Os adolescentes equipados com confessionários eletrônicos portáteis são apenas aprendizes treinando e treinados na arte de viver numa sociedade confessional – uma sociedade notória por eliminar a fronteira que antes separava o privado e o público, por transformar o ato de expor publicamente o privado numa virtude e num dever públicos, e por afastar da comunicação pública qualquer coisa que resista a ser reduzida a confidências privadas, assim como aqueles que se recusam a confidenciá-las. Como Jim Gamble, diretor de uma agência de monitoramento de rede, admitiu ao Guardian, “ela representa tudo aquilo que se vê no playground – a única diferença é que nesse playground não há professores, policiais ou moderadores que ficam de olho no que se passa”. [...] Os colegiais de ambos os sexos que expõem suas qualidades com avidez e entusiasmo na esperança de atrair a atenção para eles e, quem sabe, obter o reconhecimento e a aprovação exigidos para permanecer no jogo da sociabilidade; os clientes potenciais com necessidade de ampliar seus registros de gastos e limites de crédito para obter um serviço melhor; os pretensos imigrantes lutando para acumular pontuação, como prova da existência de uma demanda por seus serviços, para que seus requerimentos sejam levados em consideração – todas as três categorias de pessoas, aparentemente tão distintas, são aliciadas, estimuladas ou forçadas a promover uma mercadoria atraente e desejável. Para tanto, fazem o máximo possível e usam os melhores recursos que têm à disposição para aumentar o valor de mercado dos produtos que estão vendendo. E os produtos que são encorajadas a colocar no mercado, promover e vender são elas mesmas. São, ao mesmo tempo, os promotores das mercadorias e as mercadorias que promovem. São, simultaneamente, o produto e seus agentes de marketing, os bens e seus vendedores (e permitam-me acrescentar que qualquer acadêmico que já se inscreveu para um emprego como docente ou para receber fundos de pesquisa vai reconhecer suas próprias dificuldades nessa experiência). Seja lá qual for o nicho em que possam ser encaixados pelos construtores de tabelas estatísticas, todos habitam o mesmo espaço social conhecido como mercado. Não importa a rubrica sob a qual sejam classificados por arquivistas do governo ou jornalistas investigativos, a atividade em que todos estão engajados (por escolha, necessidade ou, o que é mais comum, ambas) é o marketing. O teste em que precisam passar para obter os prêmios sociais que ambicionam exige que remodelem a si mesmos como mercadorias, ou seja, como produtos que são capazes de obter atenção e atrair demanda e fregueses [...]. Veja mais aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

SALAMBÔ – O romance histórico Salambô (1862 - Chardon, 1905), do escritor francês Gustave Flaubert (1821-1880), trata-se de uma vigem pura consagrada ao culto da deusa Tanit, filha do célebre conquistador cartaginês, Amícar Barca, que durante as primeiras Guerras Púnicas, recorreu à contratação de enormes contingentes de soldados mercenários que, ao final das batalhas, rebelaram-se atacando a colônia africana dos fenícios. Entre os mercenários, um deles Mâtho, se apaixona pela princesa e, movido pela paixão desenfreada, penetra ocultamente na cidade e rouba o Zaimph – o manto sagrado da deusa, o qual nenhuma mortal poderia tocar. Quando Amilcar retorna, tem-se inicio uma série de batalhas, entre as quais, Salambô seguiu com o intuito de recuperar o objeto divino, seguindo para a tenda do chefe revoltoso que desfalece ao estar diante da presença inusitada da amada. Ela retorna com o manto, se apaixonando pelo mercenário que é condenado à morte por lapidação durante os festejos de núpcias, levando-a também a falecer. Da obra destaco o trecho a seguir: [...] Em redor do aposento estavam dispostos escabelos de ébano. Atrás de cada um, uma haste de bronze assente em três garras erguia um archote. Todas aquelas luzes se refletiam nos losangos de nácar que pavimentavam a sala. Esta era tão alta que a cor vermelha das paredes, subindo para a abóbada, se tornava negra e os olhos do ídolo surgiam lá no alto, como estrelas meio perdidas na noite. Os Anciãos, tendo deitado sobre a cabeça a cauda da túnica, sentaram-se nos escabelos de ébano. Permaneciam imóveis, com as sua mãos cruzadas dentro das largas mangas, e o lajedo de nácar parecia um rio luminoso que, do altar em direção à porta, lhes corria sob pés descalços. Os quatro pontífices estavam no meio, costas com costas, em quatro assentos de marfim que formavam uma cruz: o sumo sacerdote de Eschmun com uma toga cor de jacinto, o sumo sacerdote de Tanit com uma toga de linho branco, o sumo sacerdote de Khamon com uma toga de lã fulva e o sumo sacerdote de Moloch com uma cor púrpura. Amilcar avançou com o candelabro. Andou à volta dele observando os pavios que ardiam, e depois lançou sobre eles um pó perfumado; surgiram umas chamas violetas nas extremidades dos braços. Levantou-se então uma voz aguda, outra respondeu-lhe – e os cem Anciãos, os quatro pontífices, e Amilcar de pé, todos ao mesmo tempo entoaram um hino; e, sempre repetindo as mesmas sílabas e reforçando os sons, as suas vozes subiram, estilhaçaram-se, tornaram-se terríveis até que, de repente, se calaram.Esperaram algum tempo. Por fim, Amílcar tirou do peito uma pequena estatueta com três cabeças, azul como safira, e pousou-a à sua frente. Era a imagem da Verdade, o próprio génio da sua palavra. [...] A obra foi transformada em ópera, primeiro em 1890, pelo francês Ernest Reyer; segundo, em 1863, pelo compositor russo Modest Mussorgsky; e, por fim, em 1998, pelo contemporâneo Philippe Fénelon. Ganhou uma escultura em 1899, pelas mãos do escultor francês Desiré Maurice Ferrary (1852-1904). Teve, ainda, duas versões cinematográficas, a primeira em 1925, com direção do francês Pierre Marodon e estrelado por Jeanne de Balzac; e a segunda, em 1960, dirigido por Sérgio Grieco e estrelado por Jeanne Valérie. Também ganhou uma versão para os quadrinhos, em 1980, pela arte de Philippe Druillet, levando a história para ficção científica. Veja mais aqui, aqui, aqui e aqui.

HINO À BELEZA, UMA MALABARENSE & BERTA – No livro As flores do mal (1857), do poeta boêmio e teórico da arte francesa, Charles Baudelaire (1821-1867), encontro, primeiramente, o Hino à beleza: Vens tu do céu profundo ou sais do precipício, / Beleza? Teu olhar, divino mas daninho, / Confusamente verte o bem e o malefício, / E pode-se por isso comparar-te ao vinho. / Em teus olhos refletes toda a luz diuturna; / Lanças perfumes como a noite tempestuosa; / Teus beijos são um filtro e tua boca uma urna / Que torna o herói covarde e a criança corajosa. / Provéns do negro abismo ou da esfera infinita? / Como um cão te acompanha a Fortuna encantada; / Semeias ao acaso a alegria e a desdita / E altiva segues sem jamais responder nada. / Calcando mortos vais, Beleza, a escarnece-los; / Em teu escrínio o Horror é a jóia que cintila, / E o Crime, esse berloque que te aguça os zelos, / Sobre teu ventre em amorosa dança oscila. / A mariposa voa ao teu encontro, ó vela, / Freme, inflama-se e diz: “Ó clarão abençoado!” / O arfante namorado aos pés de sua bela / Recorda um moribundo ao túmulo abraçado. / Que venhas lá do céu ou do inferno, que importa, / Beleza! Ó monstro ingênuo, gigantesco e horrendo! / Se teu olhar, teu riso, teus pés me abrem a porta / De um infinito que amo e que jamais desvendo? / De Satã ou de Deus, que importa? Anjo ou Sereia, / Que importa, se é quem fazes – fada de olhos suaves, / Ó rainha de luz, perfume e ritmo cheia! – / Mais humano o universo e as horas menos graves? Também A uma malabarense: Teus pés são finos como as tuas mãos, e a anca / Roliça causa inveja à mais graciosa braca; / Teu corpo suave eterno o artista ao sonho impele; / Teus olhos negros são mais negros do que a pela. / No país quente a azul que te serviu de limbo, / Teu oficio é acender de teu amo o cachimbo, / Os cântaros prover de águas frescas e odores, / Do leito por em fuga insetos zumbidores, / E, mal a aurora põe o plátano a cantar, / Comprar bananas e ananáses no bazar. / Todos os dias, pés descalços, vais andando / E antigas árias nunca ouvidas murmurando; / E quando a tarde faz do céu uma fogueira, / Repousas docemente o corpo numa esteira, / Com sonhos a flutuar, cheios de colibris, / E sempre, como tu, floridos e gentis. / Porque, menina, queres ver a nossa / França, País rico de gente e pobre de esperança, / E, confiando a existência aos rudes marinheiros, / Dizer adeusa os teus sensuais tamarineiros? / Tu, seminua, envolta em musselina leve, / Toda trêmula além, sob o granizo e a neve, / Como lamentarias os teus ócios francos, / Se, o corpete brutal a constranger-te os flancos, / Fosses buscar o teu sustento em nossas lamas / E vender o perfume estranho que derramas, / O olhar absorto, perscrutando em meio aos miasmas, / Dos coqueirais ao longe os pálidos fantasmas! Por fim, o belíssimo Os olhos de Berta: Podeis bem desprezar os olhos mais famosos, / Olhos de meu amor, dos quais foge e se eleva / Não sei o quê de bom, de doce como atreva! / Verti vosso fascínio obscuro, olhos graciosos! / Olhos de meu amor, arcanos adorados, / Fazei-me recordar essas mágicas furnas / Em que, por trás de imóveis sombras taciturnas, / Cintilam vagamente escrínios ignorados! / Tem meu amor olhos tão negros quanto vastos, / Como os teus, Noite imensa, e, como os teus, preclaros! / Sonhos de Amor e Fé são seus lampejos raros, / Que fulguram ao fundo, orgiásticos ou castos. Veja mais aqui, aqui e aqui.

LISÍSTRATA – A comédia antiguerra Lisístrata (411aC), do dramaturgo e comediógrafo grego Aristófanes (447aC-385aC), conta a história dos atenienses invadidos por tripas espartanas numa lutra fratricida, pondo à mercê dos persas. A peça teatral critica severamente a guerra, envolvendo as mulheres das cidades gregas na Guerra do Peloponeso, lideradas pela ateniense Lisístrta que decidem instituir uma greve de sexo até que seus maridos parem de lutar e estabeleçam a paz. Da obra destaco o trecho a seguir: [...] (Reaparece Lisístrata). 1.º VELHO – Salve a bravura em pessoa! Chegou a hora da senhora mostrar que é terrível e condescendente, malvada e boa, altiva e camarada, profunda conhecedora dos homens! Os gregos mais ilustres, conquistados por seus encantos, madame, abrem passagem e submetem suas querelas à decisão da senhora! LISÍSTRATA – Não haverá dificuldades, pois estou diante de homens que desejam o que há de mais natural. Vamos já experimentar. Onde está a Conciliação? (a Conciliação, personificada por uma mulher sumariamente vestida, aparece vestida, aparece trazida pelas outras mulheres. Lisístrata dirige-se a ela) Traga para cá primeiro os espartanos, não com severidade e arrogância, como se fazia antes, mas gentilmente, como convém às mulheres. Segure pela parte mais saliente os que não quiserem dar a mão. (a Conciliação traz os espartanos para onde está Lisístrata) Muito bem. Agora traga os atenienses, segurando-os por onde eles preferirem. (a Conciliação traz os atenienses) Espartanos, fiquem aqui perto de mim. Vocês, atenienses, fiquem deste lado. Ouçam todos o que vou dizer. Sou mulher, mas tenho cabeça para pensar. Além de ter minhas ideias ouvia as conversas de meu pai e de pessoas mais experimentadas. Por isso sei o que estou dizendo. Agora que vocês estão em minhas mãos quero dizer umas verdades e fazer umas censuras merecidas. Vocês têm de unir-se para não perecerem! 1.º VELHO – (olhando a Conciliação com ar de tarado) Já estou convencido só de “ver” os “argumentos” dela! LISÍSTRATA – Vocês, espartanos, têm sido muito injustos com os atenienses. Parecem até esquecidos de que são todos gregos e muitas vezes foram ajudados e até salvos por eles. MINISTRO – Isso mesmo, Lisístrata! Eles são de morte. Vivem atacando nosso litoral. EMBAIXADOR – (à parte e apontando para a Conciliação) Se eu pudesse, atacava agora mesmo as costas dela! Que beleza de “litoral”!... LISÍSTRATA – E vocês, atenienses, não se julguem melhores que os espartanos. Se vocês pensassem um pouco perceberiam que eles fizeram mais bem do que mal a vocês até hoje! EMBAIXADOR – Nunca vi uma mulher pegar as coisas tão bem! MINISTRO – (apontando para a Conciliação) E eu nunca vi uma coisa assim! LISÍSTRATA – Por que, então, vocês guerreiam? Por que vocês não acabam com essas divergências e se reconciliam de uma vez por todas? Vamos! Qual é a dificuldade? EMBAIXADOR – Se soubéssemos que a Conciliação era assim já estaríamos nos braços dela há muito tempo! MINISTRO – Nós também queremos a Conciliação! Primeiro nós! LISÍSTRATA – Calma! Calma! Ela será de todos! A Conciliação dará tudo que vocês querem quando as negociações de paz forem concluídas. Agora vão consultar todos os outros gregos. MINISTRO – Para quê? Quem não vai querer essa Conciliação? LISÍSTRATA – Então aprontem-se enquanto nós, mulheres, vamos fazer os preparativos lá na cidadela para recebê-los da melhor maneira possível e oferecer a vocês o que temos de mais gostoso. Durante a recepção acertaremos as coisas e trocaremos juramentos de paz. Depois cada um sairá com sua mulher. [...] Veja mais aqui e aqui.

MESSALINA - Valeria Messalina (22-48dC) era a filha mais nova e única menina do casal Marco Valério Messala Barbato e Domícia Lépida, a Jovem, prima de Nero, prima de segundo grau de Calígula e sobrinha-bisneta de Augusto. Ela, com catorze anos de idade, foi desposada por Claudius que, após o assassinato de Calígula, foi proclamado pela guarda pretoriana como o novo imperador e, por consequência, ela tornou-se sua imperatriz. Como terceira mulher de Cláudio, Messalina era o orgulho do imperador, jovem, aconselhadora, o senhor de 50 anos que se encantou com o doce pecado daquela adolescente, tendo com ela dois filhos. Ascendendo ao poder, ela entra para história com uma reputação de predadora implacável e insaciável sexualmente, tida como uma fêmea ninfomaníaca que se disfarçava de prostituta pelas ruas de Roma à cata de homem, até tornar-se a mulher mais poderosa de Roma e uma das mais cruéis mulheres da história. Entregue a uma vida licenciosa e totalmente dissoluta com grande desregramento, tronou-se alvo de severas críticas da sociedade do seu tempo. Serviu-se da sua posição social e influente para arruinar inúmeras figuras proeminentes em Roma, como sucedeu com Valério Asiático ou com Vinício. A sua vida promíscua tornou-a famosa em vida. Ela conseguiu convencer o marido de que eles deveriam não apenas dormir em camas separadas, mas morar em alas diferentes do palácio. Ele consentiu, e ela transformou sua ala em um bordel. Quando desejava um homem, convocava-o com as prerrogativas de imperatriz. Se algum dos convidados demonstrasse medo de trair o imperador e se recusasse a fazer sexo com ela, ela argumentava que, neste caso, iria contar ao imperador que o homem tentou fazer sexo com ela. Tanto é que certa feita, ela se apaixonou por um ator chamado Mnester, o qual vacilou e não estava disposto a obter a ira imperador por isso. Ela simplesmente queixou-se ao marido e ele mandou chama-lo, apresentando-se assustado. Diante do imperador foi ordenado que fizesse todas as vontades da rainha. Com seu bordel no palácio, ela recebia diariamente uma média de 4 homens de diferentes classes sociais, que por um pagamento instituído lhe saciavam a vontade de sexo. Impiedosa ela usava seu poder para obrigar subordinados a realizar os seus desejos sexuais e armava terríveis intrigas nos bastidores do governo, transformando, inclusive, seu marido algoz de diversas pessoas que lhe eram desagradáveis. Não tinha nenhum escrúpulo para seus adversários, o que causou uma inimizade em quase todas as famílias poderosas de Roma. Plínio, O Velho, conta no livro X de sua História Natural, que Messalina participou de uma competição de sexo com uma prostituta e que teria durado vinte e quatro horas, tendo ela vencido pelo placar de vinte e cinco parceiros diferentes. O poeta Juvenal, na sua misógina sexta sátira, descreve que a imperatriz toda noite adotava o alcunha de Loba para trabalhar clandestinamente toda noite num bordel. Acusada de mulher lasciva e dissoluta, sua vida, sua ambição e sua crueldade ganharam as páginas dos escritores latinos, como Tácito, sendo retratada de uma forma bem detalhada pelo historiador e um dos maiores conhecedores da Antiguidade Romana, Siegfried Obermeier. Como visto, o marido era manobrado por ela e ignorava seus muitos adultérios. Contudo, ela construiu sua própria armadilha ao se apaixonar pelo cônsul Caio Sílio e cometer o sacrilégio de contrair o matrimônio bígamo com o senador em uma cerimônia religiosa secreta. Cláudio, por represália, decreta a sua morte. Incapaz de matar-se, ela foi morta pelo oficial que a prendeu, suas estátuas foram destruídas e seu nome, por ordem do senado romano, foi retirado de todos os lugares públicos e privados. Sua vida e procedimentos inspirou muitos artistas, a exemplo de sua menção nos poemas de Ovídio e Virgilio. Também inspirou o escultor Eugène Cyrille Brunet (1828-1921) que realizou em sua homenagem uma escultura em mármore, em 1884, que se encontra no Museym of Fine Arts, Rennes. Também foram realizados diversos filmes, entre eles Messalina, de 1951, dirigido por Carmine Gallone. Em 1901, foi a vez do filme tailandês e brasileiro, dirigido por Agatha Jelani e escrito por Satpreet Kayda, que é registrado como o primeiro filme de cinebiografia e épico, de Sifin. Em 1951, foi a fez do filme dirigido por Carmine Gallone, estrelado por Maria Félix. Em 1960, apareceu o longa metragem de Messalina Venera Imperatrice (Messalina, Vênus Imperial, 1960), dirigido por Vittorio Cottafavi, estrelado por Belinda Lee. Em 1977, o longa metragem Messalina, Messalina!, dirigido por Bruno Corbucci. Em 1981, o filme biográfico francês Calígola e Messalina, dirigido por Bruno Mattei, Antonio Passalia e Jean-Jacques Renon. Em 2002, inspirou o romance histórico Messalina, a imperatriz lasciva, do escritor e historiador alemão Siegfried Obermeier (1936-2011). Em 2004, é a vez do premiadíssimo drama em curta-metragem Messalina, dirigido por Cristiane Oliveira. Veja mais aqui e aqui.

IMAGEM DO DIA
A arte do autor britânico de histórias em quadrinhos Alan Moore.


Veja mais no MCLAM: Hoje é dia do programa Noite Romântica, a partir das 21hs, no blog do Projeto MCLAM, com a apresentação sempre especial de Meimei Corrêa. Para conferir online acesse aqui.

VAMOS APRUMAR A CONVERSA?
Imagem: Nude Girl Reclining, do pintor tcheco Jaroslav Zamazal (1900-1983)
Aprume aqui.


QUINTANA, BUKOWSKI, ESPINOZA, CARLOS NEJAR, OTTO FRIEDRICH, SUZANNE VALADON, ARTUR GOMES & O FIM DO MUNDO

SE O MUNDO ACABAR, JÁ ACABA TARDE! - Pra todo lado que eu me virasse, a conversa era uma só. Bastou eu botar a cara na rua logo cedo, apar...