quinta-feira, janeiro 07, 2016

MARGUERITE DURAS & TODO DIA É DIA DA MULHER


Minha vida, minha biografia, meus filmes são tudo uma coisa só; não há momento em que eu não escreva; escrevo o tempo todo, mesmo quando durmo. Fazer uma distinção entre todos esses estados me parece completamente fora de propósito no meu caso.

MARGUERITE DURAS – A romancista, novelista, roteirista, poeta, diretora de cinema e dramaturga francesa Marguerite Duras (1914-1996), nasceu na Indochina, filha de pais professores primários franceses. Seu sobrenome real é Donadieu, criando o pseudônimo Duras tirado do nome de uma aldeia do norte da França, próxima do local onde nasceu seu pai. Diplomou-se em Direito e Ciências Políticas, casou-se e perdeu um filho, integrou a Resistência francesa, quando seu marido foi preso e só encontrado depois num capo de concentração em Dachau, na Alemanha. Num diário dessa época, incluindo o livro A Dor, de 1985, ela narra a expectativa do retorno do marido. Divorciada em seguida, casou-se novamente, inscreveu-se depois da Guerra, no Partido Comunista que abandonaria mais tarde, tornou-se alcoólatra o que a fez realizar uma série de tratamentos para desintoxicação. Teve sua trajetória artística associada ao movimento nouveau romance e ao existencialismo e estreou na literatura em 1943, com o romance Os impudentes. Apesar de haver começado a se firmar logo após a II Guerra Mundial, o novo romance só recebeu a atenção da crítica no final dos anos 1950, um grupo heterogêneo de romancistas que não estavam unidos por nenhum programa comum, mas cujas afinidades na maneira de conceber o romance levaram os críticos a designá-los como tal a posteriori. Entre aquelas peculiaridades formais compartilhadas pelos novos romancistas, incluem-se o desrespeito à linearidade temporal, em prol de uma narrativa que se permite ir e vir livbremente no tempo; a apresentação ao leitor de várias possibilidades paralelas para um único fato, entre os quais o autor se recusa a optar; a redução do enredo a muito pouco, o que leva à exploração exaustiva ou à repetição de certas cenas ou situações; a desatenção ao interior, à psicologia das personagens, resultante de uma descrição minuciosa, objetiva, de seres e coisas – daí a designação que lhe foi aplicada de escola do olhar. Foi sobretudo esta última característica que fez com que a critica falasse em desumanização a propósito dos exemplares mais representativos do novo romance. O Amante é a sua obra mais conhecida, criado a partir de reflexões sobre as marcas do envelhecimento precoce em seu rosto, obra autobiográfica que ganhou o premio Goncourt de 1984, contando a adolescência na Indochina, descrevendo o seu primeiro caso amoroso, aos quinze anos, com um milionário chinês doze anos mais velho. Veja mais aqui.


Veja mais sobre:
Ardência na Crônica de amor por ela, Pitágoras, Jacques Lacan, Max Bruch, Mariano Latorre, Jules Laforgue, Philip Kaufman, Chloe Hanslip, Ashley Judd, Nina Kozoriz, Gustave Doré, Teatro Elisabetano & Rachel Levkovits aqui.

E mais:
Nise da Silveira & Todo dia é dia da mulher aqui.
Alexander Scriabin, Cássia Kiss, Gustave Doré, Denise Georg, Mr. Bean, Márcia Poesia de Sá, Gabi Alves & Zé Edu Camargo aqui.
Primeiro encontro: o voo da língua no universo do gozo aqui.
A poesia de Bráulio Tavares aqui.
Jung & a alma, Educação, Psicologia & Sociologia, Crimes Ambientais, Oração do Justo Juiz, Serpente de Asas & Literatura Pernambucana aqui.
O pensamento de Antonio Gramsci aqui.
Fecamepa, Psicologia Escolar, Sonhoterapia, Direito & Família Mutante aqui.
O monge e o executivo de James C. Hunter, Neuropsicologia, Ressocialização Penal & Educação aqui.
Sexualidade na terceira idade aqui.
Homossexualidade & Educação Sexual aqui.
O beijo que se faz poema aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.


TODO DIA É DIA DA MULHER – Dando continuidade na campanha Todo dia é dia da mulher, trazemos hoje as homenageadas do mês de maio 2015.

ENYA 
Veja mais aqui.

ARIANO, LYA LUFT, WALLON, AS VEIAS DE GALEANO, FECAMEPA, JOÃO DE CASTRO, RIVAIL, POLÍTICAS EM DEBATE & MANOCA LEÃO

A VIDA NA JANELA – Imagem: conversando com alunos do Ginásio Municipal dos Palmares - Ainda ontem flores reluziam no jardim ornando muros...