terça-feira, março 01, 2016

KID MALVADEZA


KID MALVADEZA

Luiz Alberto Machado

Logo na arraiada ouvia-se toda fúfia no clarinado dum galináceo peiú, num dos terreiros das casas que possuíam seus quintais arborizados numa das margens do rio Midibu. Era imponente, todo espaçoso e cheio das pregas, com as suas cristas carnudas e avermelhadas imprimindo-lhe uma robustez invejável na variedade colorida de asas curtas e longas, uma tonalidade mais acentuada para o preto, as esporas salientes e afiadas prontas para o que desse e viesse, num ar altivo com seu bico semi-adunco, vigilante de num pregar o olho no seu fiscalizar autoritário por todo o seu reduto.

Em sua magnificente atitude superior, o colendo alectório não permitia que arremedassem seu canto ou qualquer audácia de, pelo menos, de perto, imitá-lo em seu grandiloquente cocoricó, determinando o recolhimento de todos ao silêncio e impondo uma obediência ímpar e voraz de todos os seus pares e viventes daquela estância. O bicho imperava, só abafando, folgado.

Após enunciar seu mavioso solfejo ficava de ouvido aguçado esperando qualquer arremedo por desafio. Ninguém ousava tal afronta. E foi justamente por causa de uma imitação debochada de seu sonoro alarido que se deu início a tudo o que se narra por aí a seu respeito. Disso, foi possível recolher um sem número de relatos estrondosos sobre toda a galhardia pavoneada dele, certificada por muitos de que não era à toa, pois desde pequeno dera sinais de ostensiva malquerença. É que mal saído do ovo já demonstrava um desassombramento em seu piado, botando até a mãe, Maria Paulistinha, - até a mãe, reparem -, no seu devido lugar, não permitindo nem que ela se metesse nas coisas que só a ele diziam respeito. É, era a besta do sétimo livro!

Para se ter uma ideia do seu avanço sobre tudo e todas as coisas, tudo mesmo que existisse na redondeza a ele pertencia, só dele, até o que era dos outros. A sua intromissão destemperada afugentava dali todos os pintinhos, galos, garnisés, concrizes, patos, marrecos, gatos, lagartixas, besouros, cágados, sapos, rãs, passarinhos, gansos, guinés, saguis, porcos e até cachorros, todos, invariavelmente, tornavam-se vítimas de sua ira, cobaias de sua sanha. Quando davam fé de sua presença assustadora, tratavam de correr dali para não atrapalharem sua gula. Era, tudo favorecia para que sozinho bicasse grãos, minhocas e gusanos, mandando brasa desenfreado. Ao que parece, quanto mais se abastecia no seu repasto, mais parecia ingerir demônios. Era o que diziam na maior tremedeira, todas as vítimas ofendidas por sua maligna impetuosidade. O seu fastio não era lá tão exigente e se fartava com tomates, macarrão, acerolas, nacos de carne de boi, jerimum, laranja, pitanga, o que fosse, dando logo de inchar, adquirindo proporções cada vez mais avantajadas.

Ninguém invadia o território dele - quem era doido? -, ou, se por acaso das insolências qualquer pancrácio declinasse do que era dele, enfrentaria a fundura de sua fúria de titã dos maus bofes. Nada, arredavam logo. Ôxe, quem fosse maluvido que ficasse, tá!

Por certo, argumentavam aos cochichos alguns pávidos vizinhos, que o bicho tinha partes com o tinhoso pelo que se mostrava desaforado, arruaceiro e guardando um ódio mortal por apito de panela de pressão. Era. Era mesmo cismado com aquela zoadinha oriunda da cozinha dando sinal de mau agouro pra banda dele. Mas, num deixava por menos e jurava contenda esmagando o algoz, destá.

- Na hora agá -, ameaçava duro mais que enraivecido -, só vai dar ela! Um dia inda calo esse desaforo -, remendava. Era um nó cego, dono absoluto daquela beira do rio Midibu, dono da situação, o roliúde, o besta fera.

Não demorou muito, a primeira queixa já dava por questão séria: Negão, um brutamontes da raça, achou por bem do desavisado, de implicar com o solfejo dele. Arrepara, só. Houve estremecimento, no entanto, torceram para que alguém desse cabo da beligerância inata daquele todo cheio de pregas, destamaínho, borra botas, que se autoafirmava dono dali. Resultado: Negão sentiu de perto o que chamam de invasão de domicílio com o seu escalpelo e abocanhamento selvagem das galinhas do seu harém. O ardiloso meteu-se na arenga não dando espaço para qualquer reação do desafiante que, com sua ofensa descabida, teve a cabeça aberta e uma espora na goela adentro. Era uma vez, desaforo esse que lhe conferiu mais prestígio, ampliando seu poder hegemônico sobre os pacíficos e covardes dali.

Foi aí que, depois disso, reuniu, então, para si, dois galinheiros e ditou as normas que passaram a ser obedecidas em cima da risca.

- Trasteje, não! Vacilou, no papo.

Outra reclamação partiu do proprietário de um pé de acerola dum quintal limítrofe, denunciando que o famigerado vivia a se fortificar com vitamina C, não sobrando fruta no pé, que o penoso saqueava tudo. Isso no de menos, bote queixa no rol das desavenças.

Não demorou muito Gogó de Sola, outro afamado, achou por bem de prestar contas com o intrépido, tomando as dores do Negão. Segura o tombo que lá vem bravata das boas. Foi ciscado de fazer poeira, o sol escondeu-se, tudo escureceu, trilha sonora mais que funérea fez-se acompanhar o bafafá. Ôxente, mais de hora de pena esvoaçando, Gogó de Sola, campeão de rinhas e astuto dono de grande limitação de terreno e de galinheiro, foi encontrado agonizante na beira do rio. Óóóóóóóó! O vencedor, nem aí, bateu asas, sapecou imperativo violento e deitou maior zoadeiro confirmando mais um arrasador nocaute nos adversários. Estava coroado o seu governo. A essa altura, de instante a instante, surgia outro ofendido desafiante. E o metido a besta cada vez mais afoito, virado na gota  para desbancar qualquer troça.

Chegou a vez de Mike Tyson - ih! Agora chegou a hora do vamos ver! - que, na ocasião, pesava três quilos e duzentas gramas, uma pedreira. Tudo pronto para mais um desmantelo. Soou o gongo! Tóin! Logo no primeiro assalto, o Mike levou um direto cavernoso, sendo empapado sem muita resistência. Foi aí que o valente usurpador tripudiou sobre o resto dele e aprontou malvadezas, ciscou, cantou e pegou fogo, desafiando tudo e todos para entrarem no combate para defender o perdedor, uma ufanidade de causar arrepios nas galinhas.

- Quem quiser que venha, tô pronto! Venha, magote de fresco!

Quem se arvorava? Ôxe, quem vê, morre! Vai! Vai ver meio mundo de quilômetro inferno adentro, queimando o rabo de cabeça pra baixo, vai? Cada um já sabia de evitar tempo ruim. Hum!

Dias depois, espia só, um novo postulante se apresentava para a contenda. Era o hexacampeão das rinhas afamadas, o magistral Canela Branca, galo formoso e valente. O ringue já estava pronto. Bastava qualquer audácia, a mundiça toda se aglomerava para ver no que dava. A maior gritaria na torcida. Bastava o Kid Malvadeza levantar a asa, o silêncio mandava ver. Óóóóóó. O ciscado começava. Nem mais soava o gongo, era o vale-tudo! E tome revestrés. Do embate sabe-se, apenas, que, até a presente data, o preceptor encontra-se desaparecido em lugar incerto e não sabido, desconfiando-se ser ainda encontrado com vida, ao menos. Era de se esperar.

As vitórias constantes proporcionavam-lhe um prazer secreto, além de reunir um verdadeiro harém, entre elas, nada menos que She-ra, Raquel, Maria Pretinha, Bruna, Xuxa, Milongueta, Maria Poedeira, Dulce Danada, Tania Alves, Demi Moore, Adriana Esteves, Pituta, Adriana Galisteu, Arrazadinha, Mil-ovos, Drag Car, Radical Chic, Mulher Gato, Kim Basinger, Zefa Pernambucana, Quiba, Poiôio, Filó Doida, Tripa, Maria Trambolho e Claudia Raia, esta última a que ele mais gostava, mais ele enricava o bafejo.

Uma outra, a Quita Xangozeira, essa ele mantinha distância devido suas mandingas. As outras, não, se esfregava o dia inteiro e todo dia. Era um conjunto de beldades mais invejado pelos sultões do mundo que, invariavelmente, remetiam abelhudos para espionar aquela maravilha reunida. O cabra era o rola doce, mesmo.

- Quando nasci, mamãezinha passou açucá ni mim!!! -, cantarolava pabo.

Certa feita, um tal intrometido, conhecido pelo alcunha de Arizona, procedente da cidade de Aracaju, achou de, por artes de não sei quem, se aprochegar de Tania Alves, causando tal petulância, uma verdadeira indignação na ruindade de senso do já indignado Malvadeza. Uma guerra! Do entrevero ruidoso, o dito cujo Arizona, terminou cantando igual galinha e entrando em estado de muda, perdendo, aos poucos, as penas, razão porque hoje ainda o chamam de Frango Careca.

Pelo visto, respeito restabelecido e ordem no galinheiro sob a ira de Malvadeza, já se perdia a conta dos que foram massacrados por motivos diversos ou alheios de pouca monta, dentre os sarrabulhados estavam nada nada menos que todo panteão dos campeões nacionais e internacionais das rinhas de galo: o Mohamed Ali, Hércules, Costa Nua, Sansão, George Foreman, Stalone, Chuck Norris, Shwarzzeneger, Ninja Branco, Julio César Chaves, He-man, Penoso Kirkboxer, Eder Jofre, chegando, o desditoso, a ser convidado para integrar a World Boxin Association dos galináceos que lhe reconheceu a importância da valentia e maestria no sparring, na aplicaçãp de swings, uppercuts, cruzados, jabs, hooks, de formas a deixar qualquer um de guarda aberta levando fumo. Era mesmo invencível na hora do vamos ver. Ora, pudera, levantava antes das cinco, corria mais de dez mil metros, fazia ginástica de pugilista, comia de tudo que encontrasse pelo chão e se divertia com suas concubinas a tarde toda. E mais, depois do lazer, pulava com salto na corda, saco de areia, punching-ball, ducha e apetite insaciável. Pode? A World Boxing Council dos penosos também entrou na briga, recebendo ele até uma boa colocação no ranking, quando Pituta adulterou com o galo Vingador, pondo-lhe duas de quinhentos. Ah, um par de chifres não lhe caía bem naquela ocasião, vez que um chapéu de touro macularia sua reputação. Óóóóóóóóó. Foi barbada, como os outros, restando a morte para o intruso. No entanto, ficou remoendo como é que foi traído pela predileta e por isso, de lambuja, matou o galo cego Ray Charles para aplacar a raiva que lhe remoía por dentro.

- Quem mandou o cego cantar a minha gaia? Quem? Sifu.

Providente aquartelou-as sob a vigilância diuturna de duzentos e cinquenta pintos eunucos e, se um cochilasse, ele enrabava. Tome!

Nas suas pugnas o distinto confiador no seu taco, dispensava a espora e o bico de prata, razão de perder por várias vezes esporas no gogó dos outros, num golpe mortal. Tecnicamente, o bicho arredio dava de cortejar o adversário arrodiando pelo terreiro até que o outro se lançasse; a partir daí largava uma travessa, levava os ataques para o ar, se rebatendo muito, empurrando muito, não deixando ser atingido e quando o bico pegava batia fundo. Já era.

Numa luta com Jason Ford, outro que se dignou molestá-lo numa proeza acirrada, terminou vitorioso e hospitalizado com esporas fraturadas, penas quebradas, cabeça e pescoço inchados e um olho furado. Eita, quase bate as botas o tal Kid Malvadeza. Mesmo assim, nem se comprometera o prêmio nóbel de ruindade que houvera ganho no ano passado. Estava no pódium, na primeira categoria.

O briguento meliante acabava sempre com forrobodós e, devido sua insana vontade de brigar já recebera não sei quantas ordens de prisão, e haja mais habeas corpus impetrados, pagas não sei quantas fianças, sursis, liberdades condicionais, coações preventivas, buscas vigilantes, se safando com uma escondida sorrateira nas grotas do rio por um bom espaço de tempo, até que se esquecessem das ordens judiciais. Oficial de Justiça, ó, no papo, conhecia todos, amedrontando-os com uma foda na mulher deles ou numa enrabada de arrancar as pregas do peiticante. Os mandados de prisão eram anunciados, depois os oficiais se metiam com pé na bunda, para longe daquele malfazejo. Já havia, inclusive, sido enquadrado como réu em todos os artigos do Código Penal vigente, se achando já um preparado advogado criminal, tal era a sua astúcia, sabendo de cor e salteado todos os itens e parágrafos da legislação, prevendo até os desdobramentos dos trâmites processuais. Isso sem contar com a alternativa de não sei quantas chicanas para salvar-lhe da punição.

Um outro motivo que levantou celeuma maculando sua ilibada conduta, foi a delação das más línguas, de que ele ingeria anabolizantes, tratando-o por viciado, um galo acelerado, inclusive já com flagrante e tudo, cheio dos braquearos. Era verdade. Gostava ele, às escondidas, de invadir um território dum vizinho onde uma plantação de maconha se apresentava impune e altaneira. O bicho se fartava carburando as ideias.

- Tô ligado, meu!

Depois da quarentena, achou o destino de aprontar mais uma: apresentou-se no seu terreiro um tal Jean Claude van Damme o qual, num treino entre ambos, foram as vias de fato. Jean já era. Terminado, bateu asas e renunciou participar de um torneio em Timbaúba por encará-lo uma verdadeira moleza.

- Sou lá de me virar na lambuja? Tô fora! Arriba!

O atual campeão do certame ficara ofendido e partiu, de pronto, para um confronto. Era Freddie Krueger. Pelo estardalhaço, fedeu. O negócio ficou feio. Pelo tope, ninguém sabia quem chegaria ao final como vencedor. Sabia-se que o tal Freddie era já aclamado pelas telas cinematográficas, numa série violenta e cheia de sadismos selvagens. Era uma verdadeira parada dura. E veio o arranca-rabo! Na peleja, foi cerca destruída, plantações inutilizadas, poeira levantada, quintais invadidos, poleiros desmanchados, pau dos grandes, requesta enorme. Uma semana depois, estavam os dois quase que depenados, sem plateia porque foram vítimas de uma epidemia de neucastro, deportados e se tratando com um tal de Refraldin, sei lá como é que se escreve essa droga. Freddie não resistiu, acabou o pesadelo. Ele, não, meio capenga, foi se restabelecendo. Deu de andar de óculos Ray-ban, bermudão, camisa de meia e chinelo, saiu por aí para revigorar as energias. Lembrava das trapuchas e desprezava os galispos que já enfrentara. Apenas um adversário faltava ainda enfrentar, apenas um, seu inimigo mortal. Os outros já se curvaram mediante sua maestria e tinha de estar pronto para o embate final, seria sua última luta, depois, penduraria as chuteiras.

Dias e dias meditando na técnica para enfrentá-lo e, naquele dia, se aprontava com os apetrechos de escarapela. Sabia que seria difícil e restou por fitar o rio, a vizinhança deserta, mirando o sol, sabia que seria mesmo uma dureza, talvez nem retornasse. Seu coração bulia frequentemente, não se continha na ansiedade, até que se desejou boa sorte e partiu. Invadiu o quintal, se esgueirou pela escadaria, batente por batente, atento, se apoderou dos recantos da cozinha, tratou de não ser surpreendido, saltou no fogão e começou a lutar. Golpes e mais golpes e nada de nocautear o desafeto. Cansou-se e reagiu, mergulhou de cabeça na luta, apenas os pés de fora, num banho de colorau, tempero, alho, sal, vinagre, óleo, verduras e fogo baixo. Este o triste fim do Kid Malvadeza: numa panela de pressão. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

 Imagem: Arte do escritor e artista plástico Paulo Profeta. Veja mais aqui e aqui.

Veja mais Tzvetan Todorov, Frédéric Chopin, Epigramas de Marcial, Oduvaldo Vianna Filho, Sandro Botticelli, Artur Moreira Lima, Umbigocentrismo, Jacques Rivette, Jane Birkin, Emmanuelle Béart, Marianne Denicourt & Carmen Silvia Presotto aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja aqui e aqui.
 

GALEANO, BOLDRIN, FLORA PURIM, CAMPBELL, JACI BEZERRA, BRAGINSKY, ADONIRAN, INGRID PITT, RESILIÊNCIA & QUIPAPÁ

A ESCRITURA DO VISINVISÍVEL – A arte do pintor ucraniano Arthur Braginsky . – O que vejo a lágrima embaça porque tudo é muito adverso e av...