terça-feira, março 29, 2016

NUM BRINCA!



NUM BRINCA! (ou A TPM de Vera – Imagem: Heroína de Stanley Lau) - Por dez dias eu tô de boa; os outros vinte, tô de TPM, sai de baixo! -, era mesmo. Todos que conviviam com Vera sabiam disso. Era um período de fino trato: amável, dócil, melíflua, meu bem pra cá, meu amor pra lá, pudica até – coisa que não era muito do seu jeito, provocante e fatal que sempre fora. Todavia, quando estava naqueles dias: - Tais pensando o quê? -, mudava da água pro vinho, de oito pra oitenta. Quando davam notícia de alguém que bateu as botas, ela na maior: - Antes ele do que eu! E destronava tudo: autoestima, dignidade, patente, sem papas na língua. Desaforo viesse, ela acotovelava na lata e à altura: resposta lascando tudo. Tornava-se astuta, cruel, estouvada com gestos desenvoltos e buliçosos, gracejos espirituosos e, como diziam todos, ficava arretada: abusava da maquiagem, um batom vermelho cheguei nos lábios, um decote lascado na blusinha de alças dos peitos fartos ficarem a ponto de pular fora, vestida numa calça apertada dos beiços da priquita ficarem salientes e bem delineados – da turma apelidar do capô de fusca, o cuscuz rachado da Vera -, afora destacar os seus proeminentes glúteos que mais pareciam uma panela de pressão com as bochechas inchadas e, pra tropa dos queixos caídos, era: - Lá vem a Vera cu de apito! E chegava toda reboladeira, convencida da sua formosidade. E era mesmo: formas generosas, bonitona, atarracada, bunduda, pernas grossas, coxuda, o que a turma dizia ser um lauto banquete pra muito neguinho cometer desatino de perdulário. Nessa hora ela sabia ser cativante, impulsiva, despótica. Não escolhia palavra para expor seus sentimentos e opinião. Doesse em quem fosse. Pros desavisados impertinentes, ela avisava logo: - Tô de boi, cai fora! E pros chavequeiros ousados de plantão: - Mô fio, o sol tá variando seu juízo, tá? Cresça e apareça, viu? -, perdia o menor tato, largando sua agressividade.  – Homem, minha filha, só serve pra duas coisas: tem que ser parrudo e pintudo. Um pra segurança, dar tabefe e resolver nossos problemas com a vida; e outro, pra satisfazer nossas necessidades no cio. Depois jogar fora, nenhum presta, todos calçam quarenta! Pau pequeno? Vá fazer cócegas noutra. E destilava suas derrotas e insatisfações que lhe saíam pelos poros, impondo suas ideias, animosidade, insultos, zombaria, esporros, prevalecendo sempre sobre os outros. Tornava-se perita em ferir o alheio, ofendendo deliberadamente com sua crítica azeda e criando quantos malentendidos, causando tantos desentendimentos. Quem não conhecia, passava batido: - Sou franca, meu filho! Sou assim e acabou-se! Pense uma língua ferina. Áspera, ela falava e agia sempre aborrecida: - Sentimento dos outros? É o mundo todo pra falar de mim, estou em desvantagem! Então, minha defesa é o ataque! Oxe, sou eu sozinha pra enfrentar o mundo todo! E tascava comentários difamatórios, palavras insensatas jogadas com desconsideração: - Primeiro eu, os outros que se fodam! Ela botava gosto ruim em tudo, não medindo as consequências. De tão ressentida, nem estava ai ao causar mágoas: - Ah, ele se acostuma e aprende! E falava da falta de consideração dos outros, os mal-agradecidos que são como a base governista da presidente: - Mulher não pode ser Amélia, tem que ser que nem a Dilma: vacilou, pau comeu! Por isso essa cambada do contra: homem não pode com mulher resolvida! Incapazes, só sabem jogar baixo e puxar tapete! Dou ponto! E não arredava um milímetro que fosse de suas convicções, tudo na base do bateu, levou. – Ô Vera, então é por isso que você não casou até hoje? Ah, num diga! Descobriu o Brasil! E vamos aprumar a conversa! © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui

 Imagem: Famille Indienne, do pintor alemão Johann Moritz Rugendas (1802-1858).

Veja mais Na Avenida Jatiúca, Maceió & Gilles Lipovetsky, Slavoj Žižek, Quinteto Armorial, Victor Meirelles & Moema, Umberto Eco, Felicien Rops, Anna Louise Friel, Michael Winterbottom & Juareiz Correya aqui.  

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
A arte de Gladston Barroso.
Veja aqui e aqui.


OSMAN LINS, HÖLDERLIN, EDWARD SAID, CHAMISSO, BASQUIAT, RAYMOND ELSTAD & BIRITOALDO

MAS O QUE É QUE É ISSO, MINHA GENTE? - Imagem: arte do grafiteiro e artista visual estadunidense Jean-Michel Basquiat (1960-1988) - Jerry...