quinta-feira, setembro 08, 2016

PELO JEITO, O DORO AGORA VAI!


PELO JEITO, O DORO AGORA VAI! - A campanha eleitoral já andava de vento em popa e nada do Doro dar o ar de sua graça. Pra quem como eu sempre dera de cara com as suas mesuras nada convencionais nos últimos embates, já me dava por sua candidatura no rol dos desistentes. É que mesmo sem partido e, acredito, sem registro no Tribunal Eleitoral, ele se esgueirava a fazer comícios com discursos de candidato presidenciável em pleito municipal e vice-versa, nunca augurando êxito por amargar a contagem de nenhum um voto pingado na urna. Nem o dele mesmo? É que quando a votação se dava por meio de cédulas, os seus eleitores escreviam seu nome descartando os demais. Resultado: seus votos restavam todos anulados. Quando as urnas entraram em vigência, sequer havia como o seu eleitorado se manifestar, daí nem ele mesmo poder votar no próprio, muito menos seu nome era sequer mencionado ao findar os resultados. Mesmo assim ele arrotava que tivera tantos votos quanto os maiorais nomes polarizados no turno, só que consagrado pelo engano, ele errara de pleito: candidatar-se a presidente quando as eleições eram para escolha de prefeito e assim sempre, nunca acertando o pleito da ocasião. Mas já no meio da chatura da propaganda eleitoral gratuita, quando cada coisa aparece para cúmulo do risível, eis que o vi avexado nos seus afazeres, quando interpelei: - E aí, Doro, desistiu? E ele com a maior cara de festa: - E eu sou broco, meu! Tô inteiraço na candidatura. E agora vai ser prefeito de Alagoinhanduba? Sou lá pinto, ora. Ué? Hômi, seu mínimo, depois que golpearo a presidente, tô insperando a queda do prisidente e pelo andá da carruage, vou me dá bem nessa! Como? Ué, ninguém acridita mai nos político dos partido. E como eu num tenho partido algum, vô findá sendo aceito pelo TSE e vô sê o futuro prisidente! Ah, agora vi conversa. Esse o Doro, sempre com uma resposta na ponta da língua pra esmagar qualquer dúvida. Pelo jeito, agora vai! E vamos aprumar a conversa! © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais da campanha do Doro aqui e aqui & mais aqui.


Curtindo o álbum Stòras (Turtlemusik, 2005), da premiada cantora, compositora e artista celta-canadense Mary Jane Lamond.

PESQUISA: NEUROCIÊNCIA COGNITIVA

A neurociência cognitiva é a mais nova divisão da biopsicologia. [...] Os neurocientistas cognitivos estudam as bases neurais da cognição, termo que geralmente se refere a processos intelectuais superiores, como o pensamento, a memória, a atenção e os processos perceptivos complexos. [...] Como a teoria e os métodos da neurociência cognitiva são tão complexos e interessantes para as pessoas de diversificados campos, a maior parte da pesquisa neurocientifica cognitiva é uma cooperação interdisciplinar entre indivíduos com diferentes tipos de formação. [...] envolve registros eletrofisiológicos não-invasivos e, às vezes, concentra-se em patologias cerebrais [...].
Trecho extraído da obra Biopsicologia (Artmed, 2005), do premiado professor Ph.D. da University British Columbia, John P. J. Pinel. Veja mais aqui.

LEITURA

 [...] Durante muito tempo a nacionalidade viveu da mescla de três raças que os poetas xingaram de tristes: as três raças tristes. A primeira, as caravelas descobridor as encontraram aqui comendo gente e desdenhosa de "mostrar suas vergonhas". A segunda veio nas caravelas. Logo os machos sacudidos desta se enamoraram das moças "bem gentis" daquela, que tinham cabelos "mui pretos, compridos pelas espadas". E nasceram os primeiros mamelucos. A terceira veio nos porões dos navios negreiros trabalhar o solo e servir a gente. Trazendo outras moças gentis, mucamas, mucamas, munibandas, macumas. E nasceram os segundos mamelucos. E os mamelucos das duas fornadas deram o empurrão inicial no Brasil. O colosso começou a rolar. Então os transatlânticos trouxeram da Europa outras raças aventureiras. Entre elas uma alegre que pisou na terra paulista cantando e na terra brotou e se alastrou como aquela planta também imigrante que há duzentos anos veio fundar a riqueza brasileira. Do consórcio da gente imigrante com o ambiente, do consórcio da gente imigrante com a indígena nasceram os novos mamelucos. Nasceram os intalianinhos. O Gaetaninho. A Carmela. Brasileiros e paulistas. Até bandeirantes. E o colosso continuou rolando. No começo a arrogância indígena perguntou meio zangada: Carcamano pé-de-chumbo Calcanhar de frigideira Quem te deu a confiança De casar com brasileira? O pé-de-chumbo poderia responder tirando o cachimbo da boca e cuspindo de lado: A brasileira, per Bacco! Mas não disse nada. Adaptou-se. Trabalhou. Integrou-se. Prosperou. E o negro violeiro cantou assim: Italiano grita Brasileiro fala Viva o Brasil E a bandeira da Itália!
Trecho do Artigo de fundo, extraído da obra Brás, Bexiga e Barra Funda (Melhoramentos, 1962), reunião de contos do escritor Antônio Alcântara Machado (1901-1937). Veja mais aqui.

PENSAMENTO DO DIA: 
O que dói não é um álamo. / Não é a neve nem a raiz / da alegria apodrecendo nas colinas. / O que dói / não é sequer o brilho de um pulso / ter cessado, / e a música, que trazia / às vezes um suspiro, outras um barco. / O que dói é saber. / O que dói é a pátria, que nos divide e mata antes de se morrer.
A Casais Monteiro, podendo servir de epitáfio, poema extraído da obra Poesia e Prosa (1940-1979 - Casa da Moeda, 1980), do poeta português Eugénio de Andrade (1923-2005).

IMAGEM DO DIA

A arte do fotógrafo subaquático Harry Fayt.

Veja mais sobre Nascente, John Rogers Searle, Ludovico Ariosto, Antonín Dvořák, Michael Frayn, Kimberly Peirce, Yayoi Kusama, Literatura Infantil, Matthew William Peters, Mara Altman, Chloë Sevigny & Hilary Swank aqui.

E mais: A praga do voto vendido aqui.
Exórdio, João Guimarães Rosa, Sofia Gubaidulina, Quintiliano, Carlo Goldoni, Tsai Ming-liang, Howard Rogers, Revolução de 1817, Alberta Watson, Zinaida Serebriakova & Sandra Magalhães Salgado aqui.
Guilherme Vaz, José de Alencar, Mariza Lacerda, Stela Freitas, Sergio Bernardes, Moira Kelly & Simone Moura e Mendes aqui.
Hermeto Pascoal, Jorge de Lima, Djavan, Arriete Vilela, Pedro Cabral & Íbys Maceioh aqui.

DESTAQUE: GRUPO DE PESQUISA NEUROFILOSOFIA & NEUROCIÊNCIA COGNITIVA

Realizou-se na última segunda, 05/09, mais uma reunião do Grupo de Pesquisa Neurofilosofia & Neurociência Cognitiva, definindo-se pela realização do mini-curso de Introdução à Fenomenologia, a ser ministrado pelo professor Álvaro Queiroz nos dias 04 e 05/10/2016; o andamento dos estudos acerca da Epidemiologia do Suicídio, da professora Janne Eyre Mello Sarmento de Araújo, entre outros assuntos administrativos, com a presença do pós-graduado Weverky Farias Vieira & do graduando em Filosofia & Psicologia, Maurício Gomes. Ficou definida a próxima reunião para o dia 24 de setembro. Veja mais aqui, aqui e aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA

Croqui de fusain (2008), da premiada arquiteta, designer e artista visual Ana Maia Nobre.
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.


JUNG, BAUMAN, QUINTANA, GONZAGA, JOÃO CABRAL, DOROTHY IANNONE & ESCADA

UMA COISA DENTRO DA OUTRA – Imagem: Blue and wihte sunday morning , da artista estadunidense Dorothy Iannone . - Olá, gentamiga, um dia ra...