segunda-feira, março 27, 2017

O DOCE VOO NO SANGUE DAS ANDORINHAS INVISÍVEIS DO CANAVIAL

O DOCE VOO NO SANGUE DAS ANDORINHAS INVISÍVEIS DO CANAVIAL - O dia amanhece e as pessoas das cidades e dos mais longínquos lugares desse Brasilzão véio, arrevirado e de porteira escancarada, acordam com o sonho de mesa farta em todas as suas refeições. Seja no café da manhã, almoço e janta, ou mesmo nos lanches fortuitos, todos desejam bolos, doces, molhos de tomates, munguzá, arroz-doce, biscoitos, pudins, assados brilhosos, café, sucos, pamonha, canjica, compotas, chás, melado ou mesmo a rapadura, tudo delicioso ao paladar. Pança cheia e corpo bem nutrido, qual não é a satisfação com a higiene, limpeza, esterilizantes, perfumes, aperitivos e tira-gostos, remédios e inflamáveis, tanto para uso como explosivo ou combustível, quanto para o asseio pessoal apresentável, ou, sobretudo, para promover riqueza e fazer o progresso e o desenvolvimento individual e do país. Nessa hora e, quase sempre o tempo todo, nem dá para saber que desde 1532, quando aqui chegou, fez a riqueza pretérita de Pernambuco e a viga-mestra de sustentação econômica das cidades nas mais diversas regiões da Patriamada. Desde então fez história, promoveu a monocultura e a secular escravidão de índios, negros e pobres deserdados – mesmo tendo sido abolida há alguns séculos, contudo, mantém-se disfarçada no subemprego e no trabalho de invisíveis migrantes sazonais, que labutam insones como andorinhas que vêm nos períodos de safra e se vão quando da entressafra. Esses acordam no meio da madrugada com a marmita e moringa embaixo do sovaco, para enfrentar a labuta diária e às pressas, pendurados na condução rumo alguma plantação longínqua. As suas tarefas é cortar, limpar a palha entre adubos, bagaços, óbitos, ossadas e carniças para urubus, e amontoar tudo num fardo, desde a aurora até o crepúsculo, nos tabuleiros, morros e onde quer que a lavoura esteja pronta para ser recolhida para a botada das usinas ou destilarias, a partir da primavera até o outono do ano seguinte, quando a pejada empurra num êxodo para outras propícias regiões do país. São gente cor da noite com a mistura de fuligem e carvão grudados no suor do corpo, camponeses que sobrevivem entre um e outro local e que vão por trilhas daqui pra acolá e de lá pra cá, com suas viúvas de maridos vivos para servir de mão de obra nos latifúndios que demandam de grandes contingentes de força laboral. Hoje não mais com a vida empenhada no barracão do engenho, vivem entre pelegos e outros caboetas arranchados nas periferias dos nanicos e indigentes, depois de uma jornada de trabalho extenuante com suas foices e facas, sal na moleira e o peso da vida no corpo envergado pro doce do açúcar, pro álcool queimar na garganta e no trânsito, e o sangue jorrar do sacrifício na queda com uma cana atravessada na goela até a alma. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui.

Curtindo o álbum Bate o Mancá: o povo dos canaviais (Outro Brasil, 2000), do cantor, músico e compositor Silvério Pessoa, em homenagem ao cantador alagoano Jacinto Silva.

Veja mais sobre:
João Guimarães Rosa, Maria Helena Kühner, Affonso Romano de Sant´Anna, Marilda Vilela Yamamoto, Dmitri Dmitriyevich Shostakovich & Mstislav Rostropovich, Albert Marquet, Pra Frente Brasil & Gloria Swanson aqui.

E mais:
Nise da Silveira, Marilena Chauí, O Serviço Social & Marilda Iamamoto, Guimar Namo de Mello & Arriete Vilela aqui.
Onde não tem mata-burro a gente manda ver no trupé, Maíra Dvorek & Pedro Nonato da Cunha aqui.
Rainer Maria Rilke, Gaston Bachelard, Darcy Ribeiro, Raquel de Queiroz, Mozart, Montaigne, Maria de Medeiros, Kees van Dongen & A Seca do Nordeste aqui.
Poemas de José Marti aqui.
A corrupção no Brasil, Tchekhov, Radamés Gnatalli, Germaine Greer, Linda Buck, Leo Gandelman, Clóvis Graciano & Emmanuelle Seigner aqui.
Lacan, Locke, Liebniz, Distanásia, Coaching & Mentoring, Comportamento do Consumidor, Vendas & Lara Vichiatto aqui.
Mahatma Gandhi, Educação, Michelangelo Antonioni & Vanessa Redgrave, Gênesis & Phil Collins, Carlos Zéfiro, Jennifer R. Hale & Maria Luísa Mendonça aqui.
Hora de Chegada, Zygmunt Bauman, Tunga, Kenzaburo Oe, Schubert & Maria João Pires, Ken Wilber, Tereza Costa Rego & Kate Beckinsale aqui.
Todo dia o primeiro passo, Gilberto Mendonça Teles, José Orlando Alves, Lia Rodrigues Companhia de Danças, Belle Chere, David Ngo & Maria Núbia Vítor de Souza aqui.
Pelos caminhos da vida, A lenda Tembé do incêndio universal e o dilúvio, Benedicto Lacerda, Alessandro Biffignandi, Ferdinand Hodler, Clodomiro Amazonas, Diane Arbus & Ligia Scholze Borges Tomarchio aqui.
O que esperar do amanhã, José Joaquim da Silva, Montserrat Figueras, Araki Nobuyoshi, Gerda Wegener, Rajkumar Sthabathy & Angel Popovitz aqui.
Na calçada da tarde, Yara Bernette, António Botto, William-Adolphe Bouguereau, Maria Lynch, Rosa Bonheu & Patricia de Cassia Porto aqui.
O mergulho das manhãs e noites nas águas profundas do amor, Luchino Visconti, Constança Capdeville, Spencer Tunick, Aubrey Beardsley, Luciah Lopez & Escola Estadual Joaquim Fernando Paes de Barros Neto aqui.
O amor é lindo, O Circo, Marcos Frota & Leonid Afremov aqui.
As misérias do processo penal de Francesco Carnelutti aqui.
A cidade das torres & a radiosa cidade corbusiana, Antônio Cândido: o discurso e a cidade aqui.
Proclamação da República aqui.
A Era Vargas e a República aqui.
A monarquia brasileira aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

A arte da bailarina russa Ekaterina Krysanova.

DESTAQUE: PADRE ANTÔNIO VIEIRA & CANAVIEIROS
[...] Quem via na escuridade da noite aquelas fornalhas tremendas perpetuamente ardentes [...] o ruído das rodas, da gente toda de cor da mesma noite, e gemendo tudo, sem trégua e descanso [...] toda a máquina e aparato confuso e estrondoso daquela Babilônia não poderá duvidar, ainda que tenha visto Étnas e Vesúvios, que é uma semelhança do inferno (Padre Antônio Vieira).
[...]
Para se compreender porque esses/as trabalhadores/as ainda migram tanto, mesmo em condições desfavoráveis, há que se entender a problemática social da migração, que se expressa, inclusive, na obrigatoriedade da separação do meio familiar e social para ir ao encontro do estranho, rompendo, em certa medida, com o substrato sociocultural ao se sair de uma sociabilidade mais estável para uma transitória, sentida como a falta de um lugar e dita nas falas locais do “andar pelo mundo”, como se fora um fardo e um desalojamento [...] A sociabilidade do trânsito é sentida por quem migra e pelos familiares que ficam. A separação se expressa por um sentimento de dor, vazio, saudade e de perda da “graça”, na verdade o sentimento da falta, e da incompletude. Por seu turno, a temporalidade da migração faz com que o “estar junto” se restabeleça, mesmo que de forma precária, para logo se desconstruir. E o ente querido permanece no imaginário constituído pela saudade e pela preocupação. (...) É muita preocupação os filhos tá no mundo sujeito a um acidente, principalmente, no corte de cana que é muito perigoso acidente de corte, cobra e tudo mais. Mas a gente vai rezando e pedindo a Deus pra abençoar eles pra ver se ajuda a gente mesmo assim (M. G. S. R., Pai Chicô, Várzea Grande). Ë a expressão de desconforto de famílias que não podem proteger, amparar o filho que “está no mundo” e das angústias de quem migrou. Por outro lado, a migração temporária é vista positivamente, por possibilitar o reencontro num tempo mais curto, se comparada às de mais longa duração, como as destinadas aos empregos em “firmas”, como se referem localmente, a empregos permanentes. Com o reencontro, ressurge a alegria e sossego perdido com a separação, embora o reencontro seja também temporário porque por maior que seja o desejo de ficar, as necessidades de sobrevivência são mais fortes, além do que, inaugura-se uma nova forma de vida: a de viver entre dois mundos. Mesmo que o trabalho “pelo mundo”, como dizem, em alguns casos traga frustrações, pois os esforços empreendidos para garantir a independência econômica, aprofundam ainda mais a dependência como ocorre, por exemplo, com quem volta doente e passa a depender da família como cuidadora. Em meio a tudo isto, a esperança de um futuro melhor. Embora as atuais condições precárias de muitas famílias gerem pessimismo quanto ao futuro dos/as filhos/as, no geral, a positividade prepondera. Grande parte dos/as filhos/as que estão fora deseja estabilidade econômica para voltar às origens. Pais e mães de migrantes querem para os filhos/as o que não tiveram: vida mais confortável. Para muitos/as, esse futuro depende de estudo, e trabalham para garantir a educação escolar dos/as filhos/as e, para algumas famílias, a primeira migração – do “interior” para a cidade – foi impulsionada pela educação formal de filhos e filhas. Agora, essa migração continua, em outros termos, pelos pais e mães ou mesmo pelos filhos e filhas, visando à sobrevivência – ou a constituição – da família.
Pensamento do Padre Antônio Vieira & trecho do estudo A questão social das migrações temporárias de trabalhadores agrícolas do Nordeste para a agroindústria canavieira de São Paulo: uma das faces do agronegócio da cana, no Brasil, (Revista Desenvolvimento Social, Unimonrtes-MG, Montes Claros - Nº 3 - jul 2009), de Maria Dione Carvalho de Moraes, Francisco Frazão & Teodório Rogério Júnior. Veja mais aqui, aqui e aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
A arte da pintora ucraniana Iryna Yermolova.
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

DEDICATÓRIA: VERA SALBEGO
Sou apenas uma mulher
Que crê no poder do amor
Sou essencialmente sentimental
Vivo necessito de amor
Sou apenas uma mulher
Que quer viver a plenitude do amor
Desfalecer de emoção
Viver por amor
Sou apenas uma mulher
Que quer amar e ser amada
E por isso dedico meus dias
Para amar e me entregar
Verdadeiramente ao amor!
(Sou Apenas Uma Mulher)
A edição de hoje è dedicada à poeta, professora, escritora e psicopedagoga Vera Salbego. Veja mais aqui, aqui, aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: art by Arthur Brouthers
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.