sexta-feira, agosto 18, 2017

ARIANO, LYA LUFT, WALLON, AS VEIAS DE GALEANO, FECAMEPA, JOÃO DE CASTRO, RIVAIL, POLÍTICAS EM DEBATE & MANOCA LEÃO

A VIDA NA JANELA – Imagem: conversando com alunos do Ginásio Municipal dos Palmares - Ainda ontem flores reluziam no jardim ornando muros e passagens da infância pros que no futuro darão trabalho à humanidade, mas não, o futuro é agora e já passou, nada demais, já era apenas ontem, o que hoje se encontra na memória e ainda ontem o carnaval de todas as folias pra se esbaldar santos dias de gozo e mais tivesse para enforcar a quarta-feira de cinzas vindoura pra nunca mais ser como antes e só felicidade doravante e o ano inteiro, de agora em diante e nunca mais uma vida sisuda racional de pagamentos no fim do mês, de bater ponto atrasado todo dia e se estourar por semanas de labor mais sem graça e só poder viver apenas no final de semana, nunca mais ter que aturar patrões e chefias desalmadas na base da pilha carga toda e os dentes no pescoço exangue pra viver de chupar o sangue alheio no vampirismo mútuo uns aos outros famélicos hospedeiros que matam e morrem e são levados na enchente de muitos metros de água dentro de casa pro flagelo de ver a vida roubada lavando os pecados. Ainda ontem as procissões dos dias santificados ecoando seus passos no tempo como os cortejos fúnebres das velhas esperanças conduzidas pelas novas e resignadas esperanças já premidas de quase desesperança no meio da correria da farra do consumo pelas liquidações de queima de estoque incendiando cobiças de afetos largados para serem pisoteados pela satisfação de risos incontroláveis. Ainda ontem e eu pensava ser hoje e não, era o desfile de todos os sonhos de príncipe encantado da apaixonada eternamente adolescente, a dama seminua escultural do jovem príapo enamorado, o glamour dos semideuses das telas de todos os quadrantes para incendiar a libido das fãs mais ardorosas com os coloridos folguedos dos desejos e prazeres, os pais fracassados seguidos pelas mães viúvas de ontem na incompletude dos anseios diante do paraíso perdido no tempo e espaço das pontes e castelos que sumiram nas areias dos quintais mais remotos, as ingênuas geringonças quiméricas dos visionários mais ousados da loucura coletiva, o arrastado das longas barbas grisalhas dos silenciosos venerandos mestres vetustos com seus discípulos contritos, dos que chantageiam equívocos e vendem a alma na fabricação de equívocos tornados em verdades pra novos equívocos se perpetuarem nos anais históricos mais oficiais da mentira de tudo, ou dos que não sabem o que fazer no meio do semáforo entre o resolvido e as tensões do por resolver nas agonias dos desafios irresolvíveis que ficam pra amanhã e depois no esquecimento, e nunca mais ter que aguentar o bafo das políticas tacanhas dos bolsos graúdos de poço sem fundo, incapazes de transmitir a boa nova pela compulsória falácia de fazer pagar para ser entretido com suas promessas embusteiras a revelar virtudes não conquistadas, defeitos possuídos, oh, não! Ainda ontem parecia uma fotografia, uma pintura perfeita, viva na imaginação, mas não era, ainda ontem era hoje e a vida que passou na janela. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

POLÍTICAS EM DEBATE
Neste sábado, a partir das 16hs, estarei no programa Políticas em Debate, na Rádio Farol FM 90,7, com apresentação de Manoca Leão.

A CRIANÇA E O ADULTO – Para a criança, só é possível viver sua infância. Conhecê-la compete ao adulto. Contudo, o que ira predominar nesse conhecimento, o ponto de vista do adulto ou o da criança? Se o homem sempre começou colocando-se a si mesmo em seus objetos de conhecimento, atribuindo a estes uma existência e uma atividade conformes à imagem que tem das suas, o quanto essa tentação não deve ser forte quando se trata de um ser que vem dele e deve tornar-se semelhante a ele – a criança, cujo crescimento ele vigia, guia e a quem muitas vezes lhe parece difícil não atribuir motivos ou sentimentos complementares aos seus. Para seu antropomorfismo espontâneo, quantas oportunidades, quantos pretextos, quantas aparentes justificativas! [...] Em suma, é o mundo dos adultos que o meio lhe impõe e disso decorre, em cada época, certa uniformidade de formação mental. Mas nem por isso o adulto tem o direito de só conhecer na criança o que põe nela. E, em primeiro lugar, a maneira como a criança assimila o que é posto nela pode não ter nenhuma semelhança com a maneira como o próprio adulto o utiliza. Se o adulto vai mais longe que a criança, a criança, à sua maneira, vai mais longe que o adulto. Tem disponibilidades psíquicas que outro meio utilizaria de outra forma. Várias dificuldades coletivamente superadas pelos grupos sociais já possibilitaram que muitas dessas disponibilidades se manifestassem. Com a ajuda da cultura, outras ampliações da razão e da sensibilidade não estão potencialmente na criança? Trechos extraídos da obra A evolução psicológica da criança (Martins Fontes, 2007), do filósofo, médico e psicólogo francês Henri Wallon (1879-1962). Veja mais aqui.

CENTO E VINTE MILHÕES DE CRIANÇAS NO CENTRO DA TORMENTA - Há dois lados na divisão internacional do trabalho: um em que alguns países especializam-se em ganhar, e outro em que se especializaram em perder. Nossa comarca do mundo, que hoje chamamos de América Latina, foi precoce: especializou-se em perder desde os remotos tempos em que os europeus do Renascimento se abalançaram pelo mar e fincaram os dentes em sua garganta. Passaram séculos, e a América Latina aperfeiçoou suas funções. Este já não é o reino das maravilhas, onde a realidade derrotava a fábula e a imaginação era humilhada pelos troféus das conquistas, as jazidas de ouro e as montanhas de prata. Mas a região continua trabalhando como um serviçal. Continua existindo a serviço de necessidades alheias, como fonte e reserva de petróleo e ferro, cobre e carne, frutas e café, matérias-primas e alimentos, destinados aos países ricos que ganham, consumindo-os, muito mais do que a América Latina ganha produzindo-os. São muito mais altos os impostos que cobram os compradores do que os preços que recebem os vendedores [...] nós habitamos, no máximo, numa sub-América, numa América de segunda classe, de nebulosa identificação. É a América Latina, a região das veias abertas [...]. Trechos extraídos da obra As veias abertas da América Latina (Paz e Terra, 1979), do jornalista e escritor uruguaio Eduardo Galeano (1940-2015). Veja mais aqui.

VISÃO DO MUNDO - O mundo não tem sentido sem o nosso olhar que lhe atribui forma, sem o nosso pensamento que lhe confere alguma ordem. É uma ideia assustadora: vivemos segundo o nosso ponto de vista, com ele sobrevivemos ou naufragamos. Explodimos ou congelamos conforme nossa abertura ou exclusão em relação ao mundo. E o que configura essa perspectiva nossa? Ela se inaugura na infância, com suas carências nem sempre explicáveis. Mesmo se fomos amados, sofremos de uma insegurança elementar. Ainda que protegidos, seremos expostos a fatalidades e imprevistos contra os quais nada nos defende. Temos de criar barreiras e ao mesmo lançar pontes com o que nos rodeia e o que ainda nos espera. Toda essa trama de encontro e separação, terror e êxtase encadeados, matéria da nossa existência, começa antes de nascermos. Trecho de A marca no flanco, extraído da obra Perdas & Ganhos (Record, 2003), da escritora e tradutora gaúcha Lya Luft. Veja mais aqui, aqui e aqui.

CONTRASTES FILOSÓFICOS – [...] Às vezes queremos muito alguma coisa e fazemos tudo para obtê-la, mas nossos esforços não levam a nada. Outras vezes, ao contrário, quando não fazemos senão esperar, quando somos somente pacientes, as coisas acontecem naturalmente. Parece, então, que nossa passividade agiu: fomos então ativos ou passivos? Talvez seja mesmo necessário agir sobre si mesmo para saber esperar. Da mesma maneira, pensamos às vezes que as paredes que sustentam o teto da casa são passivas, até o dia em que desmoronam. Vemos então como elas agiam de maneira eficaz. Concluímos, então, que tudo age sobre tudo sem que o percebamos. Tudo pode, portanto, ser considerado, ao mesmo tempo, ativo e passivo. [...] Trecho extraído da obra O livro dos grandes contrastes filosóficos (Log On, 2008), de Oscar Brenifier e Jacques Després.

COISAS DO AMOR - [...] Pelas quatro horas da tarde, avistou-se a “Estrela da Manhã” e ela correu para avisar Fernando. O doente estava muito mal e, quando avistou Isaura, olhou-a com terrível expressão de ansiedade. – Isaura – falou ele – já se avista a Barcaça? – Já! – respondeu a mulher, com o coração batendo no peito com tanta força que ela se sentia sufocada. – E a bandeira está içada no mstrou? – perguntou ainda o marido. – Está, sim! – disse Isaura; e acrescentou, antes que um bom impulso pudesse detê-la: - Mas não é branca como você disse não, é treta! – Então não posso mais! – falou Fernando, como se sua dor fosse tanta que ele não pudesse reter a vida por mais tempo. Seus olhos fecharam-se e ele deixou pender a cabeça. – Fernando! – gritou sua mulher desesperada e só agora acordando para a gravidade do que fizera. – Fernand0, não é verdade! A bandeira é branca. Mas era tarde. Fernando acabara de morrer. [...]. Trecho extraído da obra A história de amor de Fernando e Isaura (Bagaço, 1994), do escritor e dramaturgo Ariano Suassuna (1927-2014). Veja mais aqui, aqui & aqui.

ÚLTIMAS DO FECAMEPA
Ministério da Saúde informa: use seringa por oito vezes, mas se contaminar, jogue fora, doido!
Ministério da Educação informa: Ninguém precisa mais estudar! Quem quiser aprender que pague!
Isto é Brasilsilsilsilsilsil! Veja mais Fecamepa aqui e aqui.

Veja mais sobre:
Faça seu TCC sem Traumas: livro, curso & consultas aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

ÁGUA VIDA ÁGUA
Mas que momento difícil
Que Deus vem me inspirar
Para falar de “Água Vida”
Pra humanidade salvar
Num curto espaço de tempo
Este livro vai marcar
Deus, como escreves certo
“Por linhas tortas o ditado”
Um mundo cheio de encrencas
Que por ti é observado
É uma luta desigual
Contra o mal e o pecado
A Água é Vida, é tudo
Sem ninguém compreender
Por isso desperdiçam tanto
No futuro pode não ter
É isso que a humanidade
Preciso logo saber
Por mais que nós eduquemos
Ninguém procura saber
Nem sabem da importância
Do que se faz pra viver
Por isso desperdiçam tudo
Coisas do “ser ou não ser?”
Seja a Água Potável
Ou a de Igarapé
Seja as dos Grandes Rios
Temos é que botar fé...
Mas o povo não entende
Valei-nos! Maria de Nazaré
Acham por que a Amazônia
Tem o grande potencial
Da Água desse Planeta
Nunca vai faltar, que tal?
Mas se esquecem duma coisa:
Da devastação que é o mal
[...]
Trecho extraído da obra Água, Vida Água (Autor, 2011), do poeta e ativista cultural João de Castro.


A arte de Rivail Azevedo.



QUINTANA, BUKOWSKI, ESPINOZA, CARLOS NEJAR, OTTO FRIEDRICH, SUZANNE VALADON, ARTUR GOMES & O FIM DO MUNDO

SE O MUNDO ACABAR, JÁ ACABA TARDE! - Pra todo lado que eu me virasse, a conversa era uma só. Bastou eu botar a cara na rua logo cedo, apar...