terça-feira, agosto 15, 2017

EPICURO, FELDENKRAIS, RUFFATO, WALTER CRANE, ADMMAURO GOMES, DIREITOS DA MULHER & PESQUISA CIENTÍFICA

UM PASSO & A VIDA – Imagem: Peacock Garden, do pintor inglês Walter Crane (1845-1915).- Um passo e o passado fez destino pra lugar nenhum. Minha vida salta algibeira afora voo solto do tronco familiar, na marcha agitada e veloz das inquietações: chegada ou partida? Cada passada, novas charadas; e a execução de tarefas fossem parábolas incompreensíveis que alertavam não poder parar no meio do caminho. As divagações levam pra fuga pelo asfalto paralelo das trilhas e das linhas férreas, rotas estelares, marítimas, pegadas nas ruas com seus aclives e declives que se bifurcam pra tantos que vão longe e eu sem saber ao certo com nenhuma premonição, a me ver sozinho restando telhados, lembranças, memórias de ontem. Uma cobra morde o rabo, uma corda sem fim e não resignei ao dobrar a esquina, o vaivém de labirintos pelos cursos d’águas e ferrugem nas mãos pelas horas, minutos, segundos e ziguezague: é a vida. Sigo sem direção até o jardim da morada tão calma e tão luminosa de Epicuro, na deidade de Lucrécio a me dizer que os espartanos preferiam ser sacrificados porque sabiam da liberdade e eu vox clamantis in deserto. Vejo tudo ao redor e de volta um passo a mais e o tropeço no insólito esfuziante, olhos grandes pra tudo, sem tédio, culpa ou angústia. Uma topada e o ourives Josse aconselhava uma guarnição de diamantes enquanto o tapeceiro Guillaume sugeria a compra de tapetes novos pra Sganarelle que lamentava ver sua filha Lucinda definhando de amores por Clitandro, um reles que não valia um tostão furado aos olhos dele, ah, sussurrava entre dentes, da Eneida de Virgilio, varium et mutable semper femina, arremedando da Ifigênia da Táurida de Eurípedes, a inconstância delas que eu quero pra mim bem fundo no coração. É que estou sozinho de tudo, um passo a mais e outro na corda bamba o fio condutor pela teia pra cair no mundo, On the road, com todas as vitórias do rei Pirro: outra dessa e estaria perdido! Um passo em falso e tudo desmorona até Alice me chamar, perguntando pro Gato de Cheshire: qual a estrada correta a se tomar? E ele: pra onde que ir? Qualquer lugar, ah, qualquer caminho serve para quem não sabe aonde quer ir. Quantas direções pra pular no escuro como quem mergulha no imprevisível, sequer sabia eu se pronto pra aventura, se corda no pescoço pelo cadafalso, se camisa de força no meio da lucidez, se passarela insegura, aprendi do provérbio chinês: uma jornada de mil quilômetros começa com um único passo! Pronde tu vai, menino? Qual Sandburg: Não sei aonde estou indo, mas estou caminhando. Vai com Deus. Vou. Onde me abrigar? Se delirando esperas setentrionais acompanhando o ritmo fenomenal dos acontecimentos, como quem espreita o perigo iminente na beira da rodovia, o acostamento escorregadio. Eu livrava a queda sem ter a menor ideia do que estava prestes a ocorrer, sem escala, deslizando, sem cogitar de nada ou qualquer fala alta noite pelas quebradas, avante, tochas acesas na silhueta do arrabalde e de carona pelos redemoinhos nas pegadas das estrelas e a trepidação do vento na linha do horizonte. Mãos esfregando as vistas pra enxergar faróis pelas chapadas e o barranco, vou de carona pelo tráfego até o retorno dos redemoinhos, corre-corre pelo capim verde a segurar o feixe de sonhos, zum! Portas abertas da clausura e a rua escura, roda mundo a bola rola peão e empina papagaio que o peixe é bom e barato, zás! Pernas pra que te quero! Quantos desvios, atalhos, infatigável andarilho se dando ao trabalho de buscar vestígios ao meio dia, interstícios da tarde, incansável peregrino entre trajetórias e torvelinhos com intrincados enigmas com seus fedores de mofo, inextricáveis estigmas das terras dilatadas na gaveta aberta, diversas e todas as alternativas, todas de uma vez, uma só escolha, apenas uma e agora, a opção, uni, duni, tê, todas ou nenhuma, ah, vai chupar dedo, só descaminhos, qual desfecho? Desenlaces. E um passo, já voltou, foi? Outro passo e a eternidade. Ouvi Krishnamurti: o primeiro passo é o único passo! Deus nos abençoe, porque quando a morte sobrevém, nenhum passo a mais, todas as direções e os pés no chão. De lugar nenhum qualquer caminho e aprender a lição de cada chegada e novo recomeço, caminhar é viver. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.
Ilustration from the faerie queene, do pintor inglês Walter Crane (1845-1915)

MÁXIMAS PRINCIPAIS DAS OITENTA SENTENÇAS DE EPICURO – [...] Antes de mais, nada provém do nada, pois que então tudo nasceria sem necessidade de sementes. E, se te dissolvesse no nada tudo o que desaparece, todas as coisas seriam destruídas, anulando-se as partes nas quais se decompunham. E também é certo que o todo foi sempre tal como é agora e será sempre assim, pois nada existe nele que possa mudar-se. Com efeito, mais além do todo não existe nada que penetrando nele produza a sua transformação. [...] Então quem obedece à natureza e não às vãs opiniões a si próprio se basta em todos os casos. Com efeito, para o que é suficiente por natureza, toda a aquisição é riqueza, mas por comparação com o infinito dos desejos, até a maior riqueza é pobreza. [...] Não são os convites e as festas contínuas, nem a posse de meninos ou de mulheres, nem de peixes, nem de todas as outras coisas que pode oferecer uma suntuosa mesa, que tornam agradável a vida, mas sim o sóbrio raciocínio que procura as causas de toda a escolha e de toda a repulsa e põe de lado as opiniões que motivam que a maior perturbação se apodere dos espíritos. De todas estas coisas, o princípio e o maior bem é a prudência, da qual nascem todas as outras virtudes; ela nos ensina que não é possível viver agradavelmente sem sabedoria, beleza e justiça, nem possuir sabedoria, beleza e justiça sem doçura. As virtudes encontram-se por sua natureza ligadas à vida feliz, e a vida feliz é inseparável delas. A justiça não tem existência por si própria, mas sempre se encontra nas relações recíprocas, em qualquer tempo e lugar em que exista um pacto de não produzir nem sofrer dano. [...] As leis existem para os sábios, não para impedir que cometam, mas para impedir que recebam injustiça. [...] A natureza, única para todos os seres, não fez os homens nobres ou ignóbeis, mas sim a suas ações e as disposições de espírito. [...] O sábio que se pôs à prova nas necessidades da vida, melhor sabe dar generosamente que receber: tão grande é o tesouro da íntima segurança e independência dos desejos que em si possui. [...]. Trechos extraídos da obra Máximas principais (Abril, 1980), do filósofo grego Epicuro de Samos (341-271aC). Veja mais aqui.

CONSCIÊNCIA PELO MOVIMENTO – [...] Nós agimos de acordo com a nossa autoimagem. Esta, que por sua vez governa todos os nossos atos, é condicionada em graus diferentes por três fatores: hereditariedade, educação e autoeducação. [...] Trecho extraído da obra Consciência pelo movimento (Summus, 1977), do engenheiro israelense Moshé Feldenkrais (1904-1984), fundador do método que visa a melhoria do funcionamento humano, aumentando a autoconsciência através do movimento, defendendo que o pensamento, o sentimento, a percepção e o movimento estão estreitamente inter-relacionados e influenciam-se.

DIREITOS DA MULHER – [...] os direitos reprodutivos parecem realmente constituir-se numa quarta geração de direitos – ao lado dos direitos civis, politicos e sociais – a partir do momento em que se resolve adotar uma visão paritária da sociedade. Com efeito, a integração da perspectiva de gênero na análise do social nos leva, tanto do ponto de vista epistemológico quanto democrático, a considerar uma cidadania que seria modulável, a depender dos sujeitos que a assumissem, particularmente em matéria de direitos reprodutivos. Tratar-se-ia, então, de uma cidadania que fugiria ao atual quadro “assimilacionista” para entrar em outro quadro, no qual a essência particularista da universalidade seria do interesse e da responsabilidade de todos. Mas, antes que essa cidadania tenha condições de se tornar efetiva, é preciso garantir suas condições de existência. [...] Pois o alastramento da pobreza – em particular daquela que está marginalizando um numero cada vez maior de mulheres – é revelador de uma sociedade em que parecem permanecer as representações culturais de uma tradição hierárquica, formando um modelo de sociabilidade que torna difícil a construção de um princípio de reciprocidade, principio que atribui ao outro o status de sujeito com interesses reconhecidos e direitos legítimos. Essas representações, que confortam uma pobreza hoje despojada de qualquer dimensão ética, engendram uma incivilidade que permeia toda a vida social brasileira e está enraizada num imaginário tenas, na qual a pobreza representa igualmente uma marca de inferioridade e um modo de ser que parece tornar os indivíduos incapazes de exercerem suas responsabilidades e direitos. O paradoxo reside, com efeito, num modelo de cidadania que considera a justiça como um dever do Estado, porém elimina, ao mesmo tempo, os efeitos igualitários de certos direitos, reproduzindo na esfera social as desigualdades, hierarquias e outras exclusões, em particular das mulheres. [...]. Trechos extraídos do artigo Os direitos reprodutivos: rumo a uma quarta geração de direitos (SOS Corpo, Gênero e Cidadania, 1997), de Bérengére Marques-Pereira e Alain Carrier. Veja mais aqui.

PESQUISA CIENTÍFICAA pesquisa científica objetiva fundamentalmente contribuir para a evolução do conhecimento em todos os setores, da ciência pura, ou aplicada; da matemática ou da agricultura, da tecnologia ou da literatura. Ora, tais pesquisas são sistematicamente planejadas e levadas a efeito segundo critérios rigorosos de processamento das informações. Será chamada de pesquisa se sua realização for objeto de investigação planejada, desenvolvida e redigida conforme normas metodológicas consagradas pela ciência. [...] Objetivamente, a pesquisa científica divide-se em pura e aplicada, e sua finalidade principal é concorrer para o progresso da ciência. [...].Trechos extraídos do livro Redação científica: a prática de fichamentos, resumos, resenhas (Atlas, 2007), de João Bosco Medeiros. Veja mais aquiaqui.

HAVERES DE RUFFATO - [...] Na passagem de ano do milênio, o telefone soou onze da noite, o coração aos murros, Uma desgraça, meu deus, do outro lado a voz sufocada pelos estrondos, Feliz Ano Novo! Feliz Ano Novo!, Mas, minha filha, ainda nem é meia-noite, Aqui já é, mãe, aqui já é, Onde você está, minha nossa senhora? Nova Iorque, mãe, Nova Iorque! Um dia ainda levo a senhora pra ver o mar... Um dia ainda levo a senhora pra andar de avião... Um dia ainda levo a senhora pra conhecer o meu apartamentinho em Brasília.... promessas... coitadinha... que não podia talvez cumprir... mas entendia, ah, entendia... E casar, minha filha? Casar?, eu?, de jeito maneira, mãe... homem só serve pra trepar... mais nada, Quê isso, minha filha”, e gargalhava. Trecho de Haveres, extraído da obra Vista parcial da noite (Record, 2006), do escritor Luiz Ruffato. Veja mais aqui e aqui.

Veja mais sobre:
Faça seu TCC sem Traumas: livro, curso & consultas aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

EM NOME DA PAZ
 
Em nome da paz
Fizemos grandes guerras
Fizemos muralhas
Bomba atômica, míssil
Metralhadora e canhão.
Em tempo de paz
Estratégia de guerra
Em tempo de guerra
Projetos de paz.
Matamos crianças
Que viviam em paz
E que ainda não conheciam
A guerra que veio em nome da paz.
Incendiamos cidades
Impérios
Torres
Escolas
E hospitais.
O que falta fazer mais?
Poema extraído do livro Para nunca mais dizer adeus (Bagaço, 2006), do poeta e professor Admmauro Gomes, autor de Poemas do manancial de luz (Bagaço, 2002), Luta dentro de mim (1998), Mares (Bagaço, 2001), Síntese da Literatura Brasileira (Ideia, 2013), organizador da obra Estudos literários e sociolingüísticos: artigos em língua e literatura (Bagaço, 2007), e co-autor em Cinco poetas e um luar (Burarema, 2009), entre outras obras.



ESPINOZA, AHMADOU KOUROUMA, TOULOUSE-LAUTREC, PSICANÁLISE & DIREITO, GERUSA LEAL, CLARA REDIG, OVÍDIO POLI JÚNIOR & LAJEDO

COMO QUEM ESPERA E JÁ FOI – Imagem: The Hangover , do pintor francês Henri de Toulouse-Lautrec (1864-1901). - Como quem espera tal pedra...