sábado, abril 15, 2017

CORDEL, CIRO FERNANDES, SAMICO, JOACIR, TABOADA DO AZULÃO & REPENTEANDO!

REPENTEANDO ATÉ COM UM OLHO SÓ! – Imagem: Cantador, do artista plástico, ilustrador e xilogravura de Ciro Fernandes. - Repentear é meu ofício, meu modo de poetar, quem quiser que puxe o mote que tô pronto pra glosar. É laralá, lheguelhé, tiriri, quiprocó e buruçu! Se o mundo todo vai de pernas pro ar, não sou sozinho quem vai lá pra consertar. E se está troncho ou mesmo desfigurado, é que o que é redondo viram logo pra quadrado. Se está feia a coisa aos tremeliques, eu tô medonho pra traçar meus limeriques. Se aos sopapos vai tudo samba de breque, fico na minha pra valer meus pechisbeques. E ratatá, o que é que é, o quiquqi, o trololó, o trubufu. Se o planejado gorou feio na culatra, tente traveiz, não pique mula pra Sumatra. Se for golpe do destino atrás da porta, vá a galope desfazer qualquer marmota. Se só há o desmantelo pra danar, não vá fugir, melhor mesmo é encarar. Se a coisa é indomável só pro desembesto, puxe na marra a rédea desse cabresto. Se a dita anda dura qual madrasta, bote moral e mande ver nessa vergasta. Quem a véspera tem medo de antemão, é porque a covardia na leseira faz plantão. Se o tempo é solto reboliço na gangorra, dê fora ao malefício e mande tudo pra porra. Se enfiar os pés num redemoinho, mande tudinho pra tonga da mironga e lá e fé aqui e só e tu. E patatá, e lelelé, e piriri, e pororó e urutú. Se na varada a rima pobre der um nó, vou estribilho pro refrão com um olho só. E sarava e evoé e patati e tororó e murundu. De repente eu vou rente e arrepio no repente. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui.

TABOADA DE AZULÃO
Com dois eu começo o verso
Com quatro eu aumento a trova
Com seis eu não levo sova
Com oito eu fiquei disperso
Com dez eu não sou perverso
Com doze faço um zumzumzum
Catorze eu faço jejum
Dezesseis não me reprove
Quinze, treze, onze, nove,
Sete, cinco, três e um.
Taboada pequena, composição em forma de décima com a obrigação de determinar com refrão, em setessílabo, inventada por Sebastião Cândido dos Santos, o cantador Azulão (Recolhida da Cartilha do Cantador – Recife, 1985, de Aleixo Leite Filho). Veja mais aqui e aqui.

Veja mais sobre:
Repente qualquer jeito para ver como é que fica, A vida antes do homem de Margaret Atwood, A servidão humana de Baruch de Espinoza, A tecnologia na arte de Edmond Couchot, a música de Jackson do Pandeiro, a pintura de Victoria Selbach & Leonel Mattos, a fotografia de Antonio Corradini & Nikolai Endegor aqui.

E mais:
O trâmite do visinvisível, a música de Alexander Scriabin & Maria Lettberg, a pintura de Paul-Émile Bécat & Berenice Barreto, Quadrigrafias & a arte de Elaine Pauvolid aqui.
Desabafo do dr. Zé Gulu: a civilização dos equívocos, a literatura de Juan Rulfo, a pintura de Henri Fantin-Latour & Élisabeth-Louise Vigée-Le Brun, a música de Myriam Taubkin & Poemiudinho aqui.
Nitolino no reino encantado de todas as coisas, Toumal & a mulher de Bushman, De segunda a um ano de John Cage, a literatura de Henry James, a pintura de Leonardo da Vinci, a música de John McLaughlin, O suicídio de Émile Durkheim, o cartoon de Luiz Fernando Veríssimo, o cinema de Mel Smith & Emma Thompson aqui.
O Homem Vitruviano de Leonardo da Vinci, a literatura de Anatole France, A epopéia de Damaianti do Maabárata, o teatro de Tristan Tzara, O grande ditador de Charlie Chaplin, a música de Edson Natale & a pintura de Henri Fantin-Latour aqui.
Ela, a incógnita do prazer & a pintura de Mark Tennant aqui.
A fibra na dieta alimentar aqui.
Literatura de Cordel: Ais coisa que tu me diz de Bob Motta aqui.
Literatura de Cordel: A mulher cariri, cariri mulher, de Salete Maria aqui.
As trelas do Doro: a vingança aqui.
Proezas do Biritoaldo: Quando o bicho leva um puxavanque da vida, para baixo todo santo ajuda numa queda só: tei bei! Era uma vez, hem hem.... aqui.
Sanha, a música, Análise do homem de Erich Fromm, A mulher que escreveu a Bíblia de Moacyr Scliar, Sheherazade de Rimsky-Korsakov, a poesia de Menotti Del Picchia, Os sonhos de Akira Kurosawa & a pintura de Jean-Hippolyte Flandrin aqui.
Só desamparo no descompromisso social, Cidadania de Evelina Dagnino, Quadrinho de História de Gláucia Vieira Machado, a poesia de Micheliny Verunschk, a música de Viviane Hagner, a fotografia de Yi-chun Wu, a escultura de Michael Talbot, o teatro de Buraco D’Oráculo, o cinema de Niki Caro & Keisha Castle-Hughes, a pintura de Oresteia Papachristou & Hajime Sorayama, a arte de Márcio Baraldi, Luciah Lopez & a menina do sorriso ensolarado aqui.
Escapando & vingando sonhos, a literatura de Ricardo Piglia, A memória coletiva de Maurice Halbwachs, A fenomenologia do olhar de Alfredo Bosi, Na caça ao dinheiro de Nilson Araújo de Souza, a entrevista de Leila Miccolis, Cidadania na Escola, a pintura de Pablo Picasso& Roberto Chichorro, a música de Bob Dylan, a fotografia de Roberta Dabdab, a arte de Marcos Carrasquer, a coreografia de Sandro Borelli, o cinema de Álex de La Iglesia & Rosie Perez, a escultura de Johann Heinrich von Dannecker, as gravuras de Eugene Reunier, Lume Teatro & O poeta chora aqui.
Só a poesia torna a vida suportável, O trabalho contemporâneo de Harry Braverman, Mundo dos homens de Sérgio Lessa, O trabalho de Ricardo Antunes, a música de Nadja Salerno-Sonnenberg, a entrevista de Cláudia Telles, a escultura de Eduardo Paolozzi & Kvitka Anatoly, a fotografia de Dane Shitagi, Cinema de Rua, a pintura de Eugene Huc, Escambo de Teatro Livre de Rua, Coletivo Transverso, A arte na rua dos Municípios & Quando Tomé mostrou ao que veio aqui.
Poema em voz alta, A mulher suméria, a literatura de Georges Bataille, a pintura de Paul Cézanne & Olivia de Berardinis, Decameron de Pier Paolo Pasolini, a música de Karina Buhr, o ativismo de Maryam Namazie, a escultura de Leroy Transfield, Nupcias do NUA, a coreografia de Ângelo Madureira & Ana Catarina Vieira, a entrevista de Frederico Barbosa, a arte de Mozart Fernandes, Cidadania & Meio Ambiente aqui.
Minha voz, o poema, a poesia de Lawrence Ferlinghetti, o cinema de Peter Greenaway, o teatro de Dario Fo, a música de Milton Nascimento & Elis Regina, a fotografia de Edward Weston, a arte de Leo Lobos, Portal do Poeta Brasileiro, Programa Tataritaritatá & A coelhinha da páscoa aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

As mulheres do arquiteto, fotógrafo e xilogravador Joacir.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: Rumores de guerra em tempos de paz (2001), xilogravura de Samico.
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.
 

BANDEIRA, MONTELLO, AMIEL, VIVEIROS DE CASTRO, GAL COSTA, KANDINSKY, MINAMI KEIZI, BETO GUEDES, CONFERÊNCIA DE CULTURA & CAETÉS

O QUE SEI DO QUE APRENDI - Imagem: Aviso em dois, do pintor russo Wassily Kandinsky (1866-1944) - Há muito tempo que eu estudo, gosto de ...