quinta-feira, agosto 18, 2011

A MULHER NO BRASIL COLÔNIA

A MULHER NO BRASIL COLÔNIA - A mulher nos tempos da Colônia, conforme Teles (2003), era explorada sem qualquer poder de decisão, dominada numa sociedade patriarcal, cabendo apenas a atividade esposa e mãe dos filhos legítimos do senhor. Registra Teles (2003, p. 157) que: No Brasil Colônia, as índias, as negras e as brancas, cada uma com sua especificidade, foram exploradas pelos colonizadores e pela população masculina. Ingenuamente serviam ao pai, ao patrão e ao marido, manipuladas pela Igreja. Ocuparam um lugar secundário na incipiente sociedade brasileira da qual foram, desde o inicio, excluídas. Não sem rebeldia e resistência, as mulheres negras, com ações coletivas; e as brancas quase sempre individualmente. Diz ainda a autora que: [...] A mulher se casava ainda muito jovem além da organização da cozinha, cuidado com as crianças, direção dos trabalhos das escravas, ainda cabia a tarefa da fiação, tecelagem, rendas e bordados, e o cuidado com o pomar. A mulher branca era vista como indolente e preguiçosa, subalterna em relação ao homem. A ela ensinavam apenas a lavar, coser e fazer renda. Sua instrução era tida somente se fosse para um convento. Eva induziu Adão ao pecado (TELES, 2003, p. 19). Nas tribos do tempo da Colônia, segundo Bauer (2001), a vida econômica era baseada na divisão sexual e etária do trabalho. A presença da mulher era fundamental na educação dos curumins, na organização do trabalho doméstico, e, principalmente, na agricultura. Na maioria das comunidades, conforme Bauer (2001), as mulheres eram responsáveis pelo plantio do milho, da batata-doce, da abobora e da mandioca, produtos fundamentais na dieta alimentar daqueles povos. Entre suas tarefas, também, estavam a organização das festas, preparação de remédios e bebidas alcoólicas, a feitura das pinturas corporais nos índios que participavam das guerras ou mesmo de rituais mágicos e religiosos. Na arte de fabricar louça domestica ceramificados e objetos de adorno pessoal, a participação da mulher era insubstituível. No entanto, neste período histórico brasileiro, no entendimento de Bauer (2001), a mulher indígena foi violentada física, moral e culturalmente pelo colonizador europeu, mas, mesmo assim, participou ativamente da resistência aos que buscavam usurpar a terra, privá-las dos seus valores culturais e religiosos e dos seus mais elementares direitos à vida. Observa Teles (2003, p. 16) “[...] os colonizadores viam os índios distribuindo os homens para o trabalho e as mulheres como esposas, concubinas ou empregadas domésticas”.  E que, também. “A mulher tinha sua capacidade reprodutora apropriada pelos colonizadores, perdendo paulatina a capacidade erótica” (TELES, 2003, p. 17). Enfatiza Bauer (2001), que a mulher indígena não apenas enfrentou os colonizadores com armas de fogo e temível truculência, mas, diante da iminente derrota e aviltamento do seu modo de vida, chegaram a praticar atitudes de puro desespero como o aborto, o infanticídio e mesmo o suicídio como parte de sua heróica resistência. Com a chegada de representantes do clero no Brasil Colonial, diz Bauer (2001, p. 117) que: [...] começa a ser arquitetado todo um discurso discriminatório sobre o papel da mulher na nova sociedade que então começava a ser construída. [...] aos olhos desses primeiros missionários, desde 1549, a maior dificuldade da evangelização do Brasil não de ordem doutrinária, mas sim de ordem moral. São os maus costumes da terra, escreve o padre Anchieta, em 1554, que chegam a perverter os colonos portugueses que vieram aqui antes dos missionários e professam a grande heresia do Brasil: a de dizer que o vicio da carne não é pecado. Reina no Brasil o espírito da fornicação, numa terra cheia de perigos onde as mulheres andam nuas não sabem negar-se a ninguém, mas elas mesmas importunam, os homens, lançando-se com eles nas redes, pois consideram uma honra dormir com os cristãos. Também registra Teles (2003, p. 18) que os portugueses mantinham concubinas entre as escravas e que, “[...]. Tanto que para povoar a terra, o padre Manuel da Nóbrega, em 1549, solicitou de El Rei mulheres órfãs e de toda qualidade até meretrizes para que se cumprisse sua determinação”. Por isso, nos pequenos povoados eram encontrados todos os tipos de mulheres, portuguesas, índias, africanas e mestiças, livres e escravas. Além do mais, segundo Teles (2003), os portugueses ciumentos não permitiam nem que as pessoas vissem à missa aos domingos e feriados. Não obstante, apesar de todas as precauções, quase todas eram libertinas e encontravam meios de escapar à vigilância de seus pais e maridos, expondo-se à crueldade destes últimos, que as matam sem temor de castigo quando descobrem suas intrigas. Neste sentido, registra Bauer (2001), que entre 1580 e 1640 ampliou-se a ofensiva missionária contra a união conjugal entre as mulheres indígenas e os europeus, pejorativamente chamada por eles de mancebia. Neste caso, “[...] o padre Manuel de Nóbrega chegou a elaborar o plano de trazer mulheres de Portugal para cá, mesmo erradas, ou seja, prostitutas e outras degredadas, para que estas – casando-se com os portugueses – evitassem a mancebia (BAUER, 2001, p. 118). Com relação às mulheres brancas e livres no Brasil Colônia, registra Bauer (2001), que estas exerceram as mais diversas profissões, trabalhando exaustivamente para sobreviver e sustentar os filhos. Muitas prostituíram-se. Outras tantas tiveram que dar seus filhos e até abortá-los. O autor traz em seus registros que algumas raras mulheres casaram-se por amor, outras tantas por imposição materna. Quanto às mulheres pobres, era comum o concubinato para fugir às taxas exorbitantes cobradas pela igreja. Em toda colônia, de forma geral, a situação da mulher era de forçada submissão. A primeira mulher, segundo Teles (2003), a assumir um cargo público foi Ana Pimentel, esposa de Martim Afonso de Sousa, donatário de 100 léguas da costa brasileira, e que ela assumiu o governo da capitania de São Vicente quando seu marido volto para Portugal e procuradora do marido. Está registrado nos anais da história que ela contrariou as ordens do marido franqueando aos colonos o acesso ao planalto, fazendo plantar laranjeiras e introduziu o cultivo do arroz, do trigo e criação de gado (TELES, 2003). Também Brites de Albuquerque, esposa de Duarte Coelho Pereira, de Pernambuco, administrou a capitania de Pernambuco (TELES, 2003). Deu-se também a participação das mulheres na luta contra os holandeses no inicio do século XVII que, segundo Bauer (2001), foi documentada tanto na Bahia como em Pernambuco. No que concerne à mulher negra, explicita Bauer (2001), que esta participou diretamente de várias outras formas de resistência de pouca visibilidade, mas fundamentais como resposta às agruras produzidas pela escravidão: sabotando o trabalho; fingindo-se de doente; causando malefícios às crianças brancas; seduzindo o senhor; praticando infanticídios e, em casos extremos, o suicídio. Assinala Teles (2003), neste sentido, que as negras serviam ao patrão branco ou se dedicava à lavoura com a mesma tarefa dos homens. Era usada como instrumento de prazer do seu senhor e alugada a outros senhores. Ela reproduzia a força de trabalho na lavoura e nas tarefas domésticas. Era a opressão de sexo e de classe. Por outro lado, destaca Teles (2003) mulheres negras de relevo, como o caso da Aqualtune que era filha do rei do Congo, na África e que comandou 10 mil guerrilheiros para defender o reino de seu pai, ao ser derrotada foi vendida como escrava para o Brasil e tornou-se uma das fundadores do quilombo dos Palmares. Também Filipa Aranha que liderou um quilombo no Pará. A respeito da mulher negra, chama atenção Toledo (2008, p. 88) que: [...] uma ampla campanha de informação sobre as doenças que atingem mais freqüentemente a mulher negra, a luta pela dignidade dela também passa por questionar uma imagem que se faz dela sociedade. Desde pequenas, é incutida uma imagem da mulher negra como um ser inferior, uma serviçal, ou mãe preta. [...] A luta contra o preconceito racial e a opressão e exploração da mulher negra, assim como a luta de todas as mulheres trabalhadoras, não pode ser vista por força da luta geral dos trabalhadores contra a exploração capitalista. [...] a sociedade burguesa ainda submete a mulher negra a um cotidiano cruel de machismo e racismo, colocando-a diante de grandes desafios. Além de lutar pelas reivindicações gerais das mulheres contra a opressão, a mulher negra é forçada a exigir uma política específica de combate ao desemprego, à violência e à baixa escolaridade que atingem de forma particularmente aguda a população feminina negra. Essa luta tem atribuído à mulher negra um lugar de primeira ordem nas fileiras da classe trabalhadora, em todos os países, que vem desenvolvendo de forma aguerrida e constante sua batalha pelo fim do capitalismo e da sociedade de classes, no rumo da construção de uma sociedade socialista, a única que verdadeiramente poderá libertá-la. Também Saffioti (1987, p. 54) faz alusão à condição da mulher negra, considerando a “[...] atribuição de uma sensualidade especifica à mulata constitui instrumento de manipulação usado pelo branco, que situa esta mulher na posição de satisfazer seus desejos”. Com isso, entende a autora que a ainda é maior a discriminação para ela: mulher, negra e miserável. Por fim, no período da Colônia, segundo Bauer (2001), menos visibilidade tinha a mulher branca que se encontrava completamente submetida no interior de uma família patriarcal, em que o poder de chefia está totalmente concentrado na figura do pai, o senhor de engenho, detentor de uma autoridade absoluta sobre a esposa e os filhos. Veja mais aqui.
REFERÊNCIAS
ADORNO, Sérgio. Sistema penitenciário no Brasil. Revista USP, n.. 9, p. 65-78., mar./maio, 1991.
ALBUQUERQUE, Rossana Maria Marinho. A análise do Estado na perspectiva marxiana. Revista de Estudos Sociojurídcos da SEUNE, Maceió, ano 3, n. 5, p. 285=318, jan/dez, 2008.
ARAÚJO, M. F. Casamento e sexualidade. A revisão dos mitos na perspectiva de gênero. Tese de doutorado programa de pós-gradução em psicologia social. Universidade de São Paulo, 1999.
AZERÊDO, Sandra. Preconceito contra a mulher: diferença, poemas e corpos. São Paulo: Cortez, 2007.
BARBOSA, Sérgio. Ciência política. In: Serviço Social: fundamento teórico-metodológicos. Londrina: Unopar, 2008.
BAUER, Carlos. Breve história da mulher no mundo ocidental. São Paulo: Pulsar, 2001.
BIANCHETTI, Roberto. Modelo neoliberal e políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 1999.
BLAY, Eva Alterman. Violência contra a mulher e políticas públicas. Scielo Brasil, 10 jun 2010.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. São Paulo: Saraiva, 2002.
_____. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2005.
____. II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2008.
_____. Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM). Lei 7353/85 alterado pela Lei 8028/90. Atmosfera Feminina, 2010.
_____. Programa de Prevenção, Assistência e Combate à Violência Contra a Mulher – Plano Nacional: diálogos sobre violência doméstica e de gênero: construindo políticas públicas. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2003.
CAMARGO, Marcia; AQUINO, Silvia. Redes de cidadania e parcerias: enfrentando a rota crítica. In: Programa de Prevenção, Assistência e Combate à Violência Contra a Mulher – Plano Nacional: diálogos sobre violência doméstica e de gênero: construindo políticas públicas. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2003.
_____. Políticas públicas estratégicas na proteção às mulheres. In: Programa de Prevenção, Assistência e Combate à Violência Contra a Mulher – Plano Nacional: diálogos sobre violência doméstica e de gênero: construindo políticas públicas. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2003.
CAMPANHOLE, Adriano; CAMPANHOLE, Hilton Lobo. Todas as constituições do Brasil. São Paulo: Atlas, 1976.
CARLOTO, Cássi Maria. O Conceito de gênero e sua importância para a análise das relações sociais. PUC, São Paulo.
CARVALHO, Fabricia. A mulher na Idade Média: a construção de um modelo de submissão. Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2010.
CASTILHO, Ela Wiecko. O Estatuto de Roma na perspectiva de gênero. Brasília, 2010.
CAVALCANTI, Stela Valéria de Farias. Violência doméstica: Análise da lei “Maria da Penha”, nº 11.340/06 3ª ed. Salvador: Jus Podivm, 2010.
CAVALCANTI, Vanessa. Midia, políticas públicas e gênero: divulgando o mapa do tráfico de mulheres brasileiras. Saeculum – Revista de História, João Pessoa, jul/dez. 2005.
CHAUÍ, Marilena. Participando do debate mulher e violência, perspectivas antropológicas da mulher. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.
CORREA, Sônia. Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento. AgirAzul na Rede, 2010.
FAGUNDES, Leila. O trabalho da mulher. Direuto Net, 2010.
FARIA, Helena Omena; MELO, Monica. Convenção Sobre a Eliminação de todas as formas de discriminação contra a Mulher e Convenção para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher. São Paulo, 2010.
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Pequeno dicionário brasileiro da língua portuguesa. 11ªed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1969.
GARCIA, Lucelene. Direito das mulheres e seu reconhecimento como direitos humanos. Jus Vigilantibus, 2010.
GOES, Adarly. Seminários temáticos II: Sistema Único de Assistencia Social (SUAS) – aspectos preliminares. In: Serviço Social: fundamento teórico-metodológicos. Londrina: Unopar, 2008.
GRUPPI, Luciano. Tudo começou com Maquiavel. 14ª Edição. Porto Alegre: L&PM, 1996.
LESSA, Sérgio. Para compreender a antologia de Lukács. 3ª Ed. Unijú, 2007.
LESSA, Sérgio; TONET, Ivo. Introdução a filosofia de Marx – 1ª Ed. São Paulo: Expressão popular 2008, p. 128.
MACHADO, Ednéia. Políticas sociais I: concepções e história. In: GODOI, Sueli (Org.). Fundamentos básicos do trabalho profissional. Londrina: Unopar, 2008.
MACHADO, Luiz Alberto. Violência. Pesquisa & Cia. Disponível em http://pesquisaecia.blogspot.com/2009/02/violencia.html. Acesso em 10 jun 2010.
MANDEL, Ernest. Introdução ao marxismo. Porto Alegre: Movimento, 1978.
MARX, Karl; ENGELS; Friedrich; LENIN, Vlaidmir. Sobre a mulher. São Paulo: Global, 1981.
MENDES, Soraia da Rosa. Os direitos fundamentais das mulheres e as políticas públicas de promoção da igualdade pelo combate à violência doméstica. Fórum PLPs do Distrito Federal, 2010.
MICHEL, Andreé. O feminismo uma abordagem histórico. Tradução de Angela Loureiro de Souza. Rio de Janeiro: Zahar,1979.
MORAES, Marcia. Ser humana: quando a mulher está em discussão. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.
MORAES, Maria Lygia de Quartim. Marxismo e feminismo no Brasil. Primeira versão. São Paulo: IFCH UNICAMP, 1996.
NADER, Maria Beatriz. Transformações do comportamento feminino em fins nos primeiros cinco anos do século XXI: violência e denúncia. Fazendo Gênero 8 – Corpo, Violência e Poder. Florianópolis – UFES, agosto de 2008.
NOGUEIRA, Marli. Uma aberração legal. Mídia sem Máscara, 2010.
OLIVEIRA, Fatima. A Convenção de Belém do Pará dez anos depois. O Tempo, 2010.
OLIVEIRA, Rosiska.  As Mulheres, os Direitos Humanos e a Democracia. Brasília, 2010.
PARODI, Ana Cecília. A responsabilidade civil nos relacionamentos afetivos pós-modernos. Campinas: Russel, 2007.
PAULO NETTO, José Paulo. Economia política: uma introdução crítica. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2007.
PONCE, Aníbal. Educação e luta de classes. 18ª ed. São Paulo: Cortez, 2001.
PROMOTORAS LEGAIS POPULARES. Brasília, 2010.
RODRIGUES, Almira. Construindo a perspectiva de gênero na legislação e nas políticas públicas. Caderno 12, Estudos de Gênero, Goiânia, 2003.
SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.
______. O poder do macho. São Paulo: Moderna, 1987.
SANTOS, José Vicente Tavares. A violência como dispositivo de excesso de poder. Brasília: Sociedade e Estado, 1995.
SANTOS, Juarez Cirino dos. O combate à violência contra a Mulher: Uma realidade ainda incipiente. Direito Penal – Parte Geral. Curitiba: Lúmen Júris IICPC, 2006.
SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. São Paulo: Malheiros, 2002.
SIKORSKI, Daniela. Trabalho profissional. In: GODOI, Sueli (Org.). Fundamentos básicos do trabalho profissional. Londrina: Unopar, 2008.
SOIHET, Rachel. História das mulheres e história de gênero: um depoimento? Cadernos Pagu (11), 1998, pp. 77-87.
SOUSA, Rainer. A situação da mulher na Idade Média. Brasil Escola, 2010.
TELES, Maria Amélia de Almeida. Breve história do feminismo no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 2003.
TELES, Maria Amelia de Almeida; MELO, Monica. O que é violência contra a mulher. São Paulo: Brasiliense, 2001.
TOLEDO, Cecilia. Mulheres: o gênero nos une, a classe nos divide. São Paulo: Sunderman, 2008.
VALNÊDA, Cassia Santos Carneiro. Análise conjuntural dos Juizados Especiais de Proteção à mulher e a democratização do acesso à justiça. Brasília, 2010.
ZIMMERMANN, David. Violência: estudos sobre psicoterapia analítica de grupo. Porto Alegre: Artmed, 2001.


Veja mais sobre:
Quando tolinho deu uma de bundão e quase bate as botas, Anita Malfatti, Toninho Horta, Anaxágoras de Clazómenas, Carlos Pena Filho, André Helbo, Francis Ford Coppola, Selmo Vasconcellos, Ginaldo Dionisio, Literatura de Cordel & A Mãe da Lua aqui.

E mais:
O romance de Sólon e Belita, cordel de Raimundo Nonato da Silva aqui.
A menina dos olhos do bocejo eterno aqui.
O lance da minissaia & Zine Tataritaritatá aqui.
A síndica dos seios oníricos & show Tataritaritatá aqui.
Princípios de Retórica aqui.
Tataritaritatá - show no Palco Aberto aqui.
Finanças Públicas aqui.
Afetividade & pedagogia do afeto aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
 Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
 Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.



ARIANO, LYA LUFT, WALLON, AS VEIAS DE GALEANO, FECAMEPA, JOÃO DE CASTRO, RIVAIL, POLÍTICAS EM DEBATE & MANOCA LEÃO

A VIDA NA JANELA – Imagem: conversando com alunos do Ginásio Municipal dos Palmares - Ainda ontem flores reluziam no jardim ornando muros...