segunda-feira, fevereiro 22, 2016

INUTESSÊNCIA


INUTESSÊNCIA – (Imagem da artista plástica Maria Luísa Persson). Olho pros lados e todos os quadrantes se confundem: sou nave desgovernada ladeira abaixo. Nenhuma direção visível, os segundos são aversivos óbices embaraçadores e abissais. O que sou em essência vale nada diante do açodamento e da velocidade dos passos apressados carregando desafetos. Só me resta espiar atento entre o sarcasmo e o desespero, à margem do fascínio encantatório e fatal das sereias de Odisseu e a deferência indispensável para os que são indiferentes ao tédio e ao desencanto. Da minha parte eu levo em conta o impalpável no apogeu dos sequiosos da acumulação de dejetos e desfaçatez. Tenho o que é mais urgente que minha vida no que sou de tão desimportante quanto as festas espalhafatosas e as efemérides dos caudatários que findam na lata do lixo com todos os seus monturos e escombros. Nunca tive a índole para oba-oba e a indulgência bem comportada do traquejo social, a manter a inevitável mecânica da cega obediência aos regulamentos, quanto mais empulhado com a degenerescência da mesmice estéril e a deterioração de efígies na decadência ética. Só a poesia é o meu escrutínio e ela é como uma planta teimosa que irrompe radiante e inupta por entre a rachadura do concreto à beira do asfalto: o flagrante da imagem no momento horagá. A vida resiste. E como não vale mais o amor jurado, pactuado, a fila anda, dores e remorsos tapeados pelo primeiro afago da novidade romântica surgida da fragilidade, simulacros na vera, em que ficam só o que for útil quando valer trocados e minguados no preço do olho da cara e o irresistível glamour do amor empoderado pela volatilidade do umbigo. Sou mais que a feira dos desejos na oferta promocional de uma gôndola de supermercados. Sou mais que os faróis sismográficos da tesão que eclodem das famélicas grifes e cosméticos sedutores. Sou apenas o imo na nascença da carne e faço-me em você o que sou de mais efervescente para romper com o calor da plena vida transbordante. (Luiz Alberto Machado). Veja mais aqui.


Veja mais sobre:
Fernando Pessoa & Albert Einstein aqui.

E mais:
Isadora Duncan & Simone de Beauvoir aqui.
Hilda Hilst & Zygmunt Bauman aqui.
Renata Pallottini & Carl Rogers aqui.
Daniela Spielmann & Eric Kandel aqui.
Bertolt Brecht, Nise da Silveira, Egberto Gismonti, Galileu Galilei, Irena Sendler, Michelangelo Antonioni, Charles André van Loo & Anna Paquin aqui.
A folia do prazer na ginofagia aqui.
Fecamepa & a Independência do Brasil aqui.
Têmis, Walter Benjamim, Luís da Câmara Cascudo, Sandie Shaw, Patrícia Melo, Marie Dorval, José Roberto Torero, Julia Bond & Iracema Macedo aqui.
Nise da Silveira & Todo dia é dia da mulher aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.


CRÔNICA DE AMOR POR ELA
 Imagem: arte de Maria Luisa Persson
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.




OSWALD, FOUCAULT, ELIANE ELIAS, WHITEHEAD, FESTIVAL ARTE NA USINA, GRIMM, TERRA CHAPMAN, AGLAURA CATÃO & SÃO JOAQUIM DO MONTE

A MÚSICA É DELA – Imagem: art by Terra Chapman . - Lá vem ela cabelo ao vento com sua chuva de verão e ilha de Gauguin a embalar meus sonh...