segunda-feira, agosto 28, 2017

EDUCAÇÃO & CECÍLIA MEIRELES, VALLEJO, CALASSO, ELIPHAS LÉVI, PEÑUELA, NEOCONCRETO, SOCORRO DURÁN & BIBLIOTICA FENELON.

ETERNO RETORNO – Quantas vezes ao amanhecer saí de casa na trilha do sol sem saber pra onde, lugar algum na ideia e a zanzar equilibrista do tempo pra voltar ao crepúsculo e me recolher à escuridão, quem não esteve inúmeras vezes perdido sem saber se ia ou voltava optando pro retorno cabisbaixo, o mesmo percurso sempre de volta ao útero pra me agasalhar, terra pra deitar a cabeça, chão pra esquentar o frio. Muitas e tantas vezes acordei sobressaltado, entre compromissos e pesadelos, sempre perdi a hora, desvirando a ampulheta e a vida inteira para seguir o curso regular do mundo, entre dores e prazeres, entre o choro e a derrisão, o patético e o risível, o arcaico e o inédito, o tímido e o insolente, não sei, meia noite, meio dia, tudo meio a meio, cada qual sua infâmia execrável. Pelas buscas nos caminhos muitos das tantas opções, quantas vezes me deparei com todas as quartas e quintas intenções a romper o mais profundo segredo, como acerto de contas pra me reconciliar com o passado e seguir em frente pronde der. Até agora, desconfio que me surjam a qualquer momento outros antípodas ou antagônicos, que venham, penso tanta coisa que nem sei, talvez seja um meio pensamento que subjaz das minhas cavernas mais remotas só para me atormentar e eu sei, vou superar. Ser-me uma questão aberta é o que quero, o vazio na cabala das minhas ideias com a insidia do impostor, como quem já anestesiado da dor parte pra vingança de viver o instante como se tudo se repetisse sem cessar ao eterno retorno e refaço-me na agonia de não mais ser-me como antes, outro agora, a vida revirada aos hecatombes. Aprendi que artista é aquele que olha o passado, pula academia, suja-se na terra e segue em frente sem futuro. É evidente que chore e se envergonhe muitas vezes de si mesmo, eu também chorei olhando pra frente: funâmbulo sobre vigas-mestras em falso. Quem sabe, um nômade que corre todos os riscos, como se fosse Édipo decapitado pela própria crença dos pecados, como se a culpa fosse a presença inexorável da morte de plantão, vigilante e eu nem ligo, me esqueço do mundo, sem testemunhas nem espectadores pro meu monólogo, como se amputado todos os meus membros e órgãos, servido por próteses defeituosas e me fizesse o outro que sou meu próprio juiz e algoz e a minha incompletude, talvez, tudo e nada disso, mesmo que minhas palavras sejam abissais, o meu poema definitivo, para que eu me cale com o silêncio de um palco vazio. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados. Veja mais aqui.

BIBLIOTECA PÚBLICA FENELON BARRETO
A simpática equipe de funcionários da Biblioteca Pública Municipal Fenelon Barreto, em Palmares – PE, comandada por João Paulo. Veja mais aqui e aqui.

A EDUCAÇÃO NO BRASIL – [...] O Brasil tem como grande desgraça a ser combatida a pseudo-autoridade do “medalhão”. O “medalhão”m homem de “pose”, dado à “intelectualidade”, falador e gesticulador, dizendo coisas floridas e ocas, tem sido nosso pior inimigo em política, em literatura, em arte, em ciência, em administração. [...]. Trecho extraído da obra Crônicas de educação (Nova Fronteira, 2001), da escritora, pintora, professora e jornalista Cecília Meireles (1901-1964). Veja mais aqui e aqui.

MANIFESTO NEOCONCRETO – [...] Não concebemos a obra de arte nem como “máquina” nem como “objeto”, mas como um “quase-corpus”, isto é, um ser que, decomponível em partes pela análise, só se dá plenamente à abordagem direta, fenomenológica. Acreditamos que a obra de arte supera o mecanismo material sobre o qual repousa, não por alguma virtude extraterrena: supera-o por transcender essas relações mecânicas (que a Gestalt objetiva) e por criar para si uma significação tácita (M. Pority) que emerge nela pela primeira vez. Se tivéssemos que buscar um símile para a obra de arte, não o poderíamos encontrar, portanto, nem na máquina nem no objeto tomados objetivamente, mas, como S. Lanoer e W. Wleidlé, nos organismos vivos. Essa comparação, entretanto, ainda não bastaria para expressar a realidade específica do, organismo estético. É porque a obra de arte não se limita a ocupar um lugar no espaço objetivo – mas o transcende ao fundar nele uma significação nova - que as noções objetivas de tempo, espaço, forma, estrutura, cor etc não são suficientes para compreender a obra de arte, para dar conta de sua “realidade”. A dificuldade de uma terminologia precisa para exprimir um mundo que não se rende a noções levou a crítica de arte ao uso indiscriminado de palavras que traem a complexidade da obra criada. A influência da tecnologia e da ciência também aqui se manifestou, a ponto de hoje, invertendo-se os papéis, certos artistas, ofuscados por essa terminologia, tentarem fazer arte partindo dessas noções objetivas para aplicá-las como método criativo. Inevitavelmente, os artistas que assim procedem apenas ilustram noções a priori, limitados que estão por um método que já lhes prescreve, de antemão, o resultado do trabalho. Furtando-se à criação espontânea, intuitiva, reduzindo-se a um corpo objetivo num espaço objetivo, o artista concreto racionalista, com seus quadros, apenas solicita de si e do espectador uma reação de estímulo e reflexo: fala ao olho como instrumento e não olho como um modo humano de ter o mundo e se dar a ele; fala ao olho-máquina e não ao olho-corpo. É porque a obra de arte transcende o espaço mecânico que, nela, as noções de causa e efeito perdem qualquer validez, e as noções de tempo, espaço, forma, cor estão de tal modo integradas - pelo fato mesmo de que não preexistiam, como noções, à obra - que seria impossível falar delas como de termos decomponíveis. A arte neoconcreta, afirmando a integração absoluta desses elementos, acredita que o vocabulário “geométrico” que utiliza pode assumir a expressão de realidades humanas complexas, tal como o provam muitas das obras de Mondrian, Malevitch, Pevsner, Gabo, Sofia Taueber-Arp etc. Se mesmo esses artistas às vezes confundiam o conceito de forma-mecânica com o de forma-expressiva, urge esclarecer que, na linguagem da arte, as formas ditas geométricas perdem o caráter objetivo da geometria para se fazerem veículo da imaginação. [...] Trecho do Manifesto Neoconcreto (1959), assinado por Ferreira Gullar, Amílcar de Castro, Franz Weissmann, Lygia Clark, Lygia Pape, Reynaldo Jardim & Theon Spanúdis.

MAS ANTES QUE SE ACABE Mas antes que se acabe / toda essa felicidade, perde-a, detendo-a, / toma-lhe a medida, antes que ela ultrapasse o teu gesto; / ultrapassa-a, / ver se ela cabe estendida em tua extensão. / Bem lhe sei pela chave, / conquanto não saiba, às vezes, se esta felicidade / anda só, apoiada em teu infortúnio, / ou se vibra, só para te dar gosto, em tuas falanges. / Bem a sei única, sozinha, / de uma sabedoria solitária. / Em tua orelha a cartilagem está bela / e te escrevo por isso, te medito: / não te esqueças, em teu sonho, de pensar que és feliz, / que a felicidade é uma coisa profunda, quando acaba, / mas quando começa, assume / um católico aroma de haste morta. / Mofando de tua morte, / o chapéu até as orelhas, / alvo, te desvias ao ganhar tua batalha de escadas, / soldado do talo, filosofo do grão, mecânico do sonho. / (Me percebes, animal?) / me deixo comparar por meu tamanho? / Não respondes e me olhas silencioso / através da idade da tua palavra.) / Desviando assim tua felicidade, tua língua / voltará a chamá-la, a despedi-la, ; felicidade tão desgraçada de durar. / Antes, se acabará violentamente, / dentada, pedernalina estampa, / e então ouvirás como medito, / e então saberás, ao tocá-la, como a tua sombra / é esta minha sombra desvestida / e então farejarás como eu sofri. Poema Mas antes que se acabe dos Poemas Humanos (1932-1937), extraídos da Poesia completa (Philobiblion, 1984), do poeta vanguardista e dramaturgo peruano César Vallejo (1892-1938). Veja mais aqui.

AS PENAS DO MUNDO - [...] A poesia, sempre arraigada na dor que subjaz aos enganos da clarividência, pode surgir, de repente, da simples alteração do sentido comum de uma palavra ou de uma imagem e gerar desordens consideráveis em qualquer tipo de situação, porque, no fundo, a poesia sempre foi uma arma eficaz para desmantelar a pasmaceira semântica que se instala, com excessiva freqüência, no cérebro humano quando este se defronta com qualquer evento que não se encaixa no habitar da normalidade. Os atentados poéticos, contudo, não têm o objetivo de aniquilar pessoas nem demolir edifícios. Mesmo sendo agressivos, eles afetam exclusivamente o engessamento das linguagens, a rigidez e a intransigência dos códigos fortes inventados pelos seres ditos racionais para fixar fronteiras em arrogantes cartografias. As rupturas poéticas, por conseguinte, rumam na direção dessa inteireza planetária que se vislumbra, desde o tempo em que nossos mais remotos ancestrais escreviam signos rudimentares, nos sentimentos limpos que se moldavam nos favos da colméia de uma identidade primordial. Desfeita tal colméia e rotulados os restos que dela ficaram com as palavras “teu” e “meu”, os processos de comunicação se tornaram cada vez mais complexos e neles se presevaram resíduos de certas hecatombes que se opõem à poesia deixando amargo sabor de que a dor, como confessa César Vallejo em Poemas Humanos, cresce no mundo a cada instante, cresce em velocidade de trinta minutos por segundos [...].  Trechos do artigo As penas do mundo (Bravo, nov-2001), de Eduardo Peñuela Canizal.

O TERROR DAS FÁBULAS - [...] Se observarmos o uso comum das palavras, logo nos damos conta de que a palavra mito sobrevive principalmente em duas acepções. De um lado, a que remete a um absoluto, a algo de prodigioso além do qual não se pode ir. É nisso que pensa o publicitário quanto escolhe a expressão “O mito integral” para designar o carro a ser glorificado. “Mítico”, aqui, é portanto algo envolto pela aura do extremo. O segundo significado é bem o oposto: por todos os lados vemos cercados por pessoas que declaram não acreditar no “mito” de alguma coisa, que combatem e o condenam ao desprezo publico. Aqui mito assume simplesmente o significado de “mentira”: uma mentira geralmente imaginosa, acompanhada de algo pathos, que a mente livre deve afastar e derrotar. Por trás da banalidade desoladora dessas duas acepções da palavra mito, creio que se oculte uma longa história, tudo menos banal. Melhor, diria que nela se escancara a própria voragem da história. [...] o mito é justamente um conhecimento do simulacro através do simulacro. O relato mítico não só não se opõe ao “oceano infinito da dessemelhança”, mas parece exaltá-lo, como se pudesse ultrapassar a barreira variada do aparecer. [...] O primeiro sintoma do terror das fábulas foi assim a elaboração de uma certa reconstrução teórica de sua origem. A função de tal pratica exorcista era primeiramente obliterar o fato de que o próprio mito nascia como uma teoria omnicompreensiva e auto-suficiente. [...] os perigos da imitação: as histórias míticas, por sua natureza, induzem a alma a imitá0las, como se pertencessem inevitavelmente à circulação dos simulacros. [...] os gestos dos mitos sejam modelos para as ações humanas nos é assegurado, pela primeira vez, na Ilíada. [...] quando observamos ao nosso redor o espetáculo do mundo, já nos encontramos dentro de um mito. [...] Aquelas histórias são uma paisagem, são a nossa paisagem, simulacros hostis e convidativos que ninguém inventou, que continuamos a encontrar, que de nós esperam somente serem reconhecidos. Assim, agora podemos confessar-nos o que era, o que é aquele antigo terror que as fabulas continuam a incutir. Não é nada diferente do terror que é o primeiro dentre todos: o terror do mundo, o terror perante seu enigma mudo, enganador, opressivo. Terror diante deste lugar da metamorfose perene, da epifania, que inclui primeiro nossa mente, onde assistimos sem trégua à dança dos simulacros. [...] é o próprio mito que já nos interpreta [...]. Trechos de O terror das fábulas, extraída da obra Os 49 degraus (Companhia das Letras, 1997) do escritor e ensaísta italiano Roberto Calasso. Veja mais aqui.
  
OS VIVOS E OS MORTOS Uma vez, passando Jesus por um campo de sepulturas, encontrou um jovem estava de joelhos e chorava junto a uma delas. Ao vê-lo, Jesus se compadeceu da sua dor e, aproximando-se, disse-lhe: - Jovem, por que choras? Voltando-se, o jovem estendeu a mão e respondeu: - Minha mãe está aqui há três dias. – Não, meu filho – disse-lhe Jesus – tua mãe não está aqui. aqui só estão depositados todos os despojos últimos que ela abandonou. Por que choras, pois, sobre esses despojos? Levanta-te, caminha, que tua mãe te espera. O desesperado jovem moveu tristemente a cabeça e disse: - Não, esperarei aqui até que venha a morte, e ela virá. Então, eu o sei, irei reunir-me à minha mãe. Replicou Jesus: - A morte espera a morte e a vida vai em busca da vida! Não entristeças com uma dor egoísta e estéril a alma daquela que te precedeu; não retardes a sua marcha para com Deus com teu desespero e com a tua inércia. O amor de tua mãe vive ainda em seu coração e tu não o perderás nunca se o fizerdes viver dignamente em ti. Jovem, em vez de chorares a tua mãe, ressuscita-a! não me olhes com admiração, nem julgues que me divirto com tua dor. Aquela cuja perda lamentas, está sempre perto de ti; um dos véus que separava as vossas almas acaba de cair; ficou ainda um, entretanto. E estais separado hoje unicamente por este véu, deveis viver um para o outro. Tu trabalharás para ela, e ela rogará por tu. – Como trabalharei para ela? – perguntou o órfão. – Agora que ela está debaixo da terra, não tem mais necessidade de coisa alguma. – Enganas-te, meu filho – disse Jesus. Tu confundes a alma com o vestuário. Por isso digo-te: levanta-te e caminha, porque a alma de tua mãe se levantará e caminhará contigo, e tu a ressuscitará em ti, frutificando o seu pensamento e o seu amor. Ela tem um corpo na Terra – é o teu. Tu tens uma alma no Céu – é a dela. Se este corpo e esta alma caminharem juntos, tua mãe reviverá. Acredita-me, filho, o pensamento e o amor não morrem nunca e aqueles que tu supões mortos, vivem mais do que pensas e cada vez mais se amam. Filho, os verdadeiros mortos são aqueles que não pensam e não amam, pois trabalham para a corrupção, e a corrupção por sua vez os consumirá. O jovem, então, levantou-se, suas lágrimas cessaram de correr e ele contemplou a face do Cristo, cujos olhos eram resplandecentes de imortalidade. Tomando o jovem pela mão, disse Jesus: - Vem. O Cristo conduziu o jovem ao alto de uma colina, que dominava a cidade e de onde esta podia ser vista. E disse: - Contempla, filho, a verdade cidade das sepulturas. Lá, nesses palácios que entristecem os horizontes é que estão os mortos que necessitam ser chorados. Moço que choravas e cujas lagrimas secaram-se ante as minhas palavras, chora e sofre agora por esses mortos. Sofre por aqueles que se julgam vivos e que não passam de cadáveres atormentados. Jovem, mantém-te disposto e cuida para não morrer da verdadeira morte, que hoje te mostro! Vive para aqueles a quem amas e não chores por aqueles que tenham alcançado mais um grau na escala da vida. Choras, antes, pelos que não pensam em ti e não te amam. Em verdade te digo, que a humanidade não tem mais do que um corpo e uma alma. Um membro que há não é sensível ao bem-estar e à dor dos outros membros, está em verdade morto, e será suprimido em breve. Texto Os vivos e os mortos (Lótus Branco, 1917), do escritor e ocultista francês Eliphas Lévi (1810-1875).

Veja mais sobre:
Faça seu TCC sem Traumas: livro, curso & consultas aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

A LITERATURA DE SOCORO DURÁN
Para amar uma terra,
É preciso conhecer suas raízes,
Ver com o olhar do coração
E enxergar com a alma
Os tesouros ao seu lado,
Às vezes despercebidos.
Sobretudo respeitar seu povo,
Sua identidade,
Valores e tradições.
Extraído da obra O casamento da Doida do Bambu com o Neguinho do Tibungo (Autor, 2016), da escritora e professora Maria do Socorro Barros y Durán. Veja mais aqui e aqui.


FAULKNER, PIVA, BOURDIEU, FUREDI, LIA CHAIA, VITOR DA FONSECA, PALHAÇOS, SOCORRO DURÁN & AMANDA DUARTE

POETASTRO METE AS CATANAS SEM ENTENDER DO RISCADO – Imagem: Xilogravura de Amanda Duarte. - Nada dava certo mesmo pras bandas do Doro, tud...