quinta-feira, março 07, 2013

A LINGUAGEM NA FILOSOFIA DE MARILENA CHAUÍ


A LINGUAGEM NA FILOSOFIA DE MARILENA CHAUÍ - A partir de uma leitura no capítulo 5, da obra “Convite à Filosofia”, da filosófa brasileira Marilena Chauí, sobre “A linguagem”, importantes reflexões são levadas numa abordagem esclarecedora. Inicialmente a autora inicia aborda a máxima aristotélica de que o homem é um animal político, no sentido de social e cívico, em virtude do poder da linguagem. Em sua referência, através do pensamento do filósofo grego Aristóteles, se distingue a manifestação do homem com outros animais, quando ao homem é dado o poder da palavra, no sentido grego “logos” e aos demais animais, apenas, a voz, no sentido “phoné”. A partir de Aristóteles, a eminente professora discorre acerca do aprofundamento temático, com releitura do filósofo francês, Jean-Jacques Rousseau, que comunga da mesma idéia aristotélica. Daí, ela recorre seguindo o pensamento do lingüista dinamarquês Louis Trolle Hjelmslev, trazendo a importância da linguagem no processo de comunicação e de relação social e política do ser humano.
Numa outra vertente, Marilena traz o sentido de linguagem adotado pelo filósofo grego, Platão, que obtinha o sentido de “phámakon”, ou seja, segundo ela, esta palavra adotava um tríplice sentido na idéia platônica, quais sejam, o de remédio, veneno e cosmético. Neste sentido, Chauí (2004, p. 148) assinala: “(...) Platão considerava que a linguagem pode ser um medicamento ou um remédio para o conhecimento, pois, pelo diálogo e pela comunicação, conseguimos descobrir nossa ignorância e aprender com os outros. Pode, porém, ser um veneno quando, pela sedução das palavras, nos faz aceitar, fascinados com o que vimos ou temos, sem que indaguemos se tais palavras são verdadeiras ou falsas. Enfim, a linguagem pode ser cosmético, maquiagem ou máscara para dissimular ou ocultar a verdade sob as palavras. A linguagem pode ser conhecimento-comunicação mas também pode ser encantamento-sedução”. Nesse sentido, enfatiza a autora que esta idéia platônica é encontrada na passagem bíblica da Torre de Babel, quando o homem fora castigado pela audácia de alcançar a divindade, provocando, pois, a confusão resultante de tal façanha: várias línguas para que se desentendessem.
A partir dessas duas linhas de pensamento, a platônica e a aristotélica, bem como dos mitos e religiões, a autora parte para a apresentação da força da linguagem considerando o mito bíblico da gênese, o exemplo clássico que se mantém até os dias atuais nas liturgias religiosas cristãs, assim como os rituais indígenas, africanos e de feitiçaria, onde a invocação através de sentenças, frases, passes e sons vocálicos, anunciam a transformação do ambiente com introdução divina solidificando suas crenças e, ao mesmo tempo, criando tabus que se tornam sacralizados e não devem ser profanados.
Na dimensão grega dada à linguagem no sentido “logos”, Marilena Chauí ressalta que este sentido possui uma tríplice significação com a idéia de fala/palavra, pensamento/idéia e realidade/ser. Neste sentido, Chauí (2004, p. 149), afirma: “(...) Logos é a palavra racional em que se exprime o pensamento que conhece o real. É discurso (ou seja, argumento e prova), pensamento (ou seja, raciocínio e demonstração( e realidade ( ou seja, as coisas e os nexos e as ligações universais e necessárias entre os seres. Logos é a palavra-pensamento compartilhada: diálogo; é a palavra-pensamento verdadeira: lógica; é a palavra-conhecimento de alguma coisa: o ´logia` que colocamos no final de palavras como cosmologia, mitologia, teologia, ontologia, biologia, psicologia, sociologia, antropologia, tecnologia, filologia, farmacologia, etc”. Fica, portanto, distinguido a dualidade existente no poder da linguagem, sendo uma dimensão apoiada nos mitos que são consagrados nas religiões e sociedades, enquanto que a outra, na racionalidade, ou seja, como bem menciona a autora, “as palavras são conceitos ou idéias, estando referidas ao pensamento, à razão e à verdade”, (p. 150).
Nesse ínterim, a autora se direciona para a abordagem acerca da origem da linguagem, fazendo distinção entre esta e a língua, em conformidade com o que se patenteou da divergência grega, consolidando-se a linguagem como natural e, a língua, convencional. Ou seja, como ela mesmo se reporta: “A linguagem como capacidade de expressão dos seres humanos é natural, isto é, os humanos nascem com uma aparelhagem física, anatômica e fisiológica que lhes permite expressarem-se pela palavra; mas as línguas são convencionais, isto é, surgem de condições históricas, geográficas, econômicas e políticas determinadas, ou, em outros termos, são fatos culturais. Uma vez constituída uma língua, ela se torna uma estrutura ou um sistema dotado de necessidade interna, passando a funcionar como se fosse algo natural, isto é, como algo que possui suas leis e princípios próprios, independentes dos sujeitos falantes que a empregam” (p. 150). Responde, pois, que a linguagem se originou da imitação, ou seja, a onomatopéia ou imitação dos sons animais e naturais; da imitação dos gestos; da necessidade humana para enfrentar as intempéries; e das emoções, ou seja, das sensações intrínsecas do ser humano.
Partindo, pois, para o que significa, enfim, a linguagem, a autora afirma que:”A linguagem é um sistema de signos ou sinais usados para indicar coisas, para a comunicação entre pessoas e para a expressão de idéias, valores e sentimentos” (p. 151). Ou seja, a partir de tal definição uma complexa rede de significados se inserem como sendo a linguagem um sistema, que indica coisas, que estabelece a comunicação e que exprime pensamentos, sentimentos e valores. Ou como a própria autora diz: “A definição nos diz, portanto, que a linguagem é um sistema de sinais com função indicativa, comunicativa, expressiva e conotativa”(p. 151). Nessa condução, a autora se direciona para as questões que levam a uma outra duplicidade de idéias, através da divergência conceitual adotada pelos empiristas, de um lado, e pelos empiristas, de outro.Os empiristas consideram a linguagem um fenômeno físico que não se tem consciência de sua causa, mas sim de seus efeitos. Já os intelectualistas consideram a linguagem como um instrumento do pensamento para exprimir conceitos e símbolos, para transmitir e comunicar idéias abstratas e valores.
Na observação da autora, ambas as teorias que se mostram antagônicas, se complementam em pontos comuns como o fato da linguagem ser considerada como um instrumento indicativo ou denotativo e de representação das coisas e das idéias.
Mais adiante a autora aborda o movimento de purificação da linguagem através do positivismo lógico que distinguiam a linguagem natural da lógica, quando a primeira seria a que se fala no dia-a-dia e caracterizada pela imprecisão, enquanto que a segunda, seria formalizada e inspirada na matemática e na física. Com isso, a autora chega nos estudos realizados através da lingüística na definição da origem da linguagem e, com tais estudos lingüísticos chegou-se a conclusão que a linguagem é constituída pela língua e a fala ou palavra, que a língua é uma totalidade ou uma estrutura; que numa língua distinguem-se o significante e o significado; que a relação dos signos e significante com as coisas é convencional; que a língua é um código e se realiza por meio de mensagens; que o sujeito falante possui as capacidades de competência e desempenho; e que a língua é praticada de maneira não consciente.
Por fim, a autora passa descrever a experiência da linguagem no fato de como ela se relaciona e relaciona os seres humanos, considerando a tradicionalidade da relação binária da linguagem a partir do signo verbal como coisa indicada ou como idéia, conceito, valor, ou seja, expressando a realidade ou o pensamento, quando, no entanto, estudos realizados pela filosofia da linguagem encontraram uma forma ternária, considerando que a linguagem refere-se ao mundo por meio das significações possibilitando a relação ser humano com a realidade; que ela se relaciona com sentidos já existentes e cria sentidos novos, proporcionando a relação humana com o pensamento; que exprime e descobre significados, viabilizando a comunicação na relação entre os seres humanos; e tem o poder de suscitar significações, recordando, imaginando coisas novas reais ou fictícias. Ou seja, como a autora explicita: “A linguagem não traduz imagens verbais de origem motora e sensorial nem representa idéias feitas por um pensamento silencioso, mas encarna as significações. As palavras têm sentido e criam sentido” (p. 156).
Esclarecedoras informações são magistralmente abordados à luz da filosofia para compreensão da linguagem e do processo de comunicação entre os seres humanos. Veja mais aqui, aqui, aqui e aqui.

FONTE BIBLIOGRÁFICA:
CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 2004, p. 147/156.




Veja mais sobre:
Fonte no Crônica de amor por ela, Gabriel García Márquez, Paul Éluard, José Paulo Paes, Alan Watts, Carmina Burana de Carl Orff, Michel de Montaigne, Fernando Bonassi, Ingmar Bergman, Birgitta Valberg, Maurice Béjart, Birgitta Pettersson & Rachel Lucena aqui.

E mais:
Ana Lins, a Revolução Pernambucana de 1817 & Todo dia é dia da mulher aqui.
João Cabral de Melo Neto, Joan Baez, Rigoberta Menchú, Simone de Beauvoir & Eduardo Viana aqui.
A paranoia da paixão por ela aqui.
Manoel Bentevi, Sinhô, Marshal McLuhan, Parafilias, Ópera Maldita, Giulia Gam & Anna Bonaiuto aqui,
Fecamepa: quando o Brasil dá uma demonstração de que deve mesmo ser levado a sério aqui.
O evangelho segundo padre Bidião & Jesus voltou aqui.
Pra tudo tem jeito, menos pro que não pode ou não quer aqui.
Tantas fazem & a gente é quem paga o pato aqui.
Globalização, Educação & Formação Pedagógica, Direito Ambiental & Psicologia Escolar aqui.
A poética teatral de Federico Garcia Lorca aqui.
DST/AIDS, Educação & John Dewey aqui.
Sincretismo religioso aqui.
Racismo aqui.
O trabalho da mulher aqui.
Levando os direitos a sério, de Ronald Dworkin aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.



RILKE, HUYSSEN, MARIA IGNEZ MARIZ, ANTÔNIO PEREIRA, LUCIAH LOPEZ & ARTE NA PRAÇA

PRIMEIRO ENCONTRO: MEU OLHAR, SEU SORRISO – Imagem: arte da poeta, artista visual & blogueira Luciah Lopez . - Da tarde a vida fez-se ...