segunda-feira, novembro 17, 2014

UM LANCE DE DADOS, DE STÉPHANE MALLARMÉ



UM LANCE DE DADOS

Stéphane Mallarmé



JAMAIS


MESMO ATIRADO EM CIRCUNSTÂNCIAS ETERNAS


DO FUNDO DUM NAUFRÁGIO

PORQUE
            o Abismo

Branco
            se expõe
                        furioso

                                   sob uma inclinação
                                               desesperadamente  plana
                                                                                  d’ asa
                                                                                 
                                                                                              a sua

recaída prévia dum mal de se erguer no voo
                                    cobrindo os impulsos
                                               cortando rente os ímpetos

            no âmago se resume

a sombra que se afunda nas profundas nessa alternativa vela

                        para adaptar
                                   a tal envergadura
           
                as suas horríveis profundas como o arcaboiço

                        duma construção
                 que balança dum lado
                                               para o outro


            O MESTRE

emerge
            inferindo

                                                                                              dessa conflagração

                                                                                                                      que se

                                                                                 
como uma ameaça

o único Número que não pode


hesita
cadáver descartado
em lugar
            de jogar
                        como um velho maníaco
                                               a partida
                                   em nome das marés

um


naufrágio assim
livre dos antigos cálculos
       esquecido o manobrar com a idade

           
                        outrora ele empunhava o leme

a seus pés
            num horizonte unânime
prepara
            se agita e se envolve
                        no punho que o ligará
ao destino dos ventos

            ser um outro

                        Espírito
                                   para o Lançar
                                                           na tempestade
                                               e redobrar a divisão e passar altivo

pelo braço do segredo que encerra





invadiu o comandante
correndo pela barba submersa

vindo do homem

            sem nau
                        insignificante
                                               onde será vão

ancestralmente abrir ou não a mão
                                               crispada
                                   além duma cabeça inútil

            legada em desaparição
           
                                               a alguém ambíguo

                                           imemorial ulterior demónio

nos seus lugares do nada

                                   induz
o ancião a essa conjunção suprema com a probabilidade

                                    o tal
                                          da sombra pueril
acariciada e polida aparada e lavada
                                   amaciada pela onda e afastada
                                     dos ossos duros perdidos em bocejos

                                               nascido
                                                           dum descuido
jogando o mar por antepassado ou o antepassado contra
                                    o mar
                        numa sorte ociosa

São núpcias

da qual a ilusão é uma vela solta obcecada
com o fantasma dum gesto

            que oscila até cair
           
                                               na loucura

NÃO ABOLIRÁ

TAL COMO
Uma insinuação

ao silêncio




em algo próximo

esvoaça

simples

envolta em ironia
                        ou
                                   precipitado
                                                           uivado
                                                                       mistério

dum turbilhão hilariante e horrível

em redor do abismo
                                   sem nele se fixar
                                                           nem fugir
                                  
a embalar todo o indício virgem
                      
                                                                      TAL COMO





perdida solitária pena






                                                                                  Salvo
quando o encontro ou o aflorar do toque
da meia-noite a deixa
                        imóvel
                        no veludo amarrotado por um riso sombrio

                       
essa brancura rígida

irrisória
                                   que se opõe ao céu
            demasiado
                                   para que não deixe marcas
                                                                       exíguas
                                                                                  em qualquer
                                   amargo príncipe de escolhos

                                   e que disso se enfeita como de irresistível
                                                           heroísmo que sabe contido
                                               pela sua curta e viril razão
                                                                                              em cólera



inquieto
            expiatório e púbere
                                                           calado





            A lúcida e senhorial crista
na fonte invisível
                                                                                              cintila
e depois sombreia
uma estatura gentil e tenebrosa
na sua torção de sereia

através de impacientes escamas





                                   Riso
                                               que
                                              
                                                           Se


de vertigem


de pé
           
            o tempo
                        de esbofetear
bifurcadas

                        numa rocha

            falsa mansão

                                   evaporada na bruma

                        que impôs
                                   fronteiras ao infinito



ERA
de origem estelar


Ou SERIA
            pior
                        nem mais
                                   nem menos     
                                               indiferentemente
                                                                       mas tanto

           
                                              

                                                                                  O NÚMERO

                                                           SE EXISTISSE
diverso da alucinação esparsa da agonia

                                    COMECASSE OU FINDASSE
ensucedor e não negado e preso quando aparecesse
                                   enfim
                        através duma profusão ampliada e rara
                                                                       SE CONTASSE

Como evidência da soma pouca uma
                                                                       SE ILUMINASSE

                       
                                    O ACASO

Cai
        a pena
            rítmica suspensa do sinistro
                                                          para se afundar
                                   na espuma original
            recente onde explode o delírio até ao cimo
                                               desvanecido
                                   pela neutralidade idêntica do abismo




NADA


                           da memorável crise
 em que teve lugar
o acontecimento
havido em vista de qualquer
resultado nulo
                        humano

                                               TERÁ TIDO LUGAR
                        uma simples ascensão na direcção
                        da ausência

SENÃO O LUGAR   
inferior marulhar como
para dispersar um acto vazio
            abruptamente
            e
          através da mentira
                         decidir
               a sua perdição

nestas paragens
                        do vago

                                               em que toda a realidade se dissolve

EXCEPTO
                        a altitude
                                               TALVEZ
                                                                       tão longe como
                                                                                              o lugar

que com o além se funde
                                   longe do interesse
                                   que em geral se lhe assinala
segundo esta obliquidade ou aquela
delectividade
                        de fogos

            para esse lugar que deve ser
                        o Setentrião também chamado Norte

                                               UMA CONSTELAÇÃO

                        arrefece no olvido e no desuso
                                                           mesmo que ela enumere
                                   em qualquer vaga e superior superfície
                                                           o choque sideral e sucessivo
                                   do cálculo total em formação

velando
            duvidando
                                   brilhando e meditando

                                                           antes de se deter
                                   em qualquer ponto derradeiro que o sagra

                                   Todo o Pensamento produz um Lance de Dados

REFERÊNCIA
CAMPOS, Augusto; PIGNATARI, Decio; CAMPOS, Haroldo. Mallarmé. São Paulo: Perspectiva, 1974.




Veja mais sobre:
O lamentável expediente da guerra aqui.

E mais:
Jorge Amado, Gonçalves Dias, Claudionor Germano, Al-Chaer, Dany Reis & Nina Kozoriz aqui.
Ismael Nery, Tomás Antônio Gonzaga, Juliana Impaléa & Keyler Simões aqui.
Miguel Torga, Alfred Gilbert, Pat Metheny, Luciene Lemos, Antonio Cabral Filho & Programa Tataritaritatá aqui.
Michel Foucault, John Coltrane, T. S. Eliot, Edina Sikora, Wender Nascimento & Programa Tataritaritatá aqui.
Nelson Rodrigues, Gauvreau, Antonio Menezes, Luiza Silva Oliveira, Luiz Fernando Prôa & Bárbara Lia aqui.
Jorge Luis Borges, Paulo Leminski, Jean-Michel Jarre, Jeanne Mas, Donizete Galvão, Fabio Weintraub & Regiane Litzkow aqui.
A refém do amor & Programa Tataritaritatá aqui.
Fritjof Capra, Instinto & Ismael Condição Humana aqui.
Loucura repulsiva aqui.
Jards Macalé, Renata Pallottini, Silvia Lane, Hanfstaengl, Louise Von Franz, Miranda Richardson & Programa Tataritaritatá aqui.
Marilena Chauí, Marilda Villela Imamoto, Nise da Silveira, Guimar Namo de Mello & Arriete Vilela aqui.
O presente na festa do amor aqui.
Tanatologia aqui.
Ricardo Alfaya, Direito de Família & Alimentos aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.




HERMILO, JESSIE BOUCHERETT, LUIZ BERTO, PINTANDO NA PRAÇA & SERRA DO QUATI – CAPOEIRAS

SERRA DO QUATI, CAPOEIRAS - Imagem: Serra do Quati/Capoeiras/Raimundo Lourenço. - Nasci na beira do Una, andejo do dia singrando na vida. ...