sexta-feira, maio 29, 2015

KAFKA, GOLDMAN, ALBÉNIZ, GIL VICENTE, UHDE, BENING, MEIMEI CORRÊA & FREDDY.


Imagem: Nude study, do pintor alemão Fritz von Uhde (1848-1911)


Curtindo a Suite Española, Op.47 - in honor of the Queen of Spain (1886-1887), do compositor, pianista e dramaturgo espanhol Isaac Albéniz (1860-1909), com a New Philarmonia, regente Rafael Frühbeck de Burgos.

VAMOS APRUMAR A CONVERSA? – ENTREGA: Dê-me sua mão nessa rua. Nossos sonhos são tantos que já nem sei seguir por veleidades, por esta eternidade de sentir só oh! tenha dó. Sou curumim da flor de anil, mil emoções a mil darão vigor à nossa lida, ressurreição da vida quando valer o pó. Por favor não vá fingir sorriso de manhã, sou o carinho da areia na entrega do mar. E até invadiu minhas veias o fogo de amar. Não vá fazer do desejo agonia malsã porque nossas mãos anunciam: o amor já está prá chegar. Dê-me sua mão, as minhas são suas e faça delas duas a fonte que jamais secou. Faça delas a alegria da vitória e do vencedor. Faça assim no calor dos seus dias e de noite no feitiço do amor (Primeira Reunião: Bagaço, 1992). Poema musicado por Jucimar Luiz Siqueira – Mazinho. Veja mais aqui, aqui e aqui.

O INDIVIDUO NA SOCIEDADE – O livro O individuo, a sociedade e o Estado e outros ensaios (1940 - Hedra, 2007), da anarquista lituana Emma Goldman (1869-1940), trata acerca da defesa da liberdade do individuo criticando a submissão ao pode estatal e a militarização estratégia dos Estados Unidos. Da obra destaco o trecho inicial: A dúvida reina no espírito dos homens, porque a nossa civilização treme nas suas bases. As instituições atuais não inspiram mais confiança e os mais inteligentes compreendem que a industrialização capitalista vai ao encontro dos próprios fins que ela entendeu empreender. O mundo não sabe como sair disso. O parlamentarismo e a democracia fraquejam e alguns acreditam encontrar uma salvação optando pelo fascismo ou por outras formas de governos fortes. Do combate ideológico mundial sairão soluções para os problemas sociais urgentes que se colocam atualmente (crises econômicas, desemprego, guerra, desarmamento, relações internacionais, etc.). Ora, é destas soluções que dependem o bem estar do indivíduo e o destino da sociedade humana. O Estado, o governo com as suas funções e poderes, torna-se assim o centro de interesses do homem que reflete.Os desenvolvimentos políticos que se têm dado em todas as nações civilizadas levam-nos a colocar estas questões: Queremos um governo forte? Deveremos preferir a democracia e o parlamentarismo? O fascismo, de uma forma ou de outra, a ditadura quer seja monárquica, burguesa ou proletária - oferecerão soluções para os males ou para as dificuldades que assaltam a nossa sociedade? Por outras palavras, conseguiremos fazer desaparecer as taras da democracia com a ajuda de um sistema ainda mais democrático, ou antes deveremos resolver a questão do governo popular com a espada da ditadura? A minha resposta é: nem com um nem com a outra. Eu sou contra a ditadura e o fascismo, oponho-me aos regimes parlamentares e ás chamadas democracias políticas. Foi com razão que se falou do nazismo como de um ataque contra a civilização. Poder-se-ia dizer o mesmo de todas as formas de ditadura, de opressão e de coação. Vejamos, o que é a civilização? Todo o progresso foi essencialmente marcado pelo aumento das liberdades do indivíduo em desfavor da autoridade exterior tanto no que respeita à sua existência física como política ou econômica. No mundo físico, o homem progrediu até submeter as forças da natureza e utilizá-las em seu próprio proveito. O homem primitivo dá os seus primeiros passos na estrada do progresso assim que consegue fazer brotar o fogo, reter o vento e captar a água, ultrapassando-se a si próprio. [...] Veja mais aqui.

A METAMORFOSE – A novela A metamorfose (1915 – Ulisseia, 2011), do escritor tcheco Franz Kafka (1883-1924), conta a história de um caixeiro viajante que amanhece transformado num monstruoso inseto e as dificuldades dessa transformação, suas angustias, até que a família primeiro sente medo, depois o aceita e, enfim, o odeia e resolve livrar-se dele. Da obra destaco os trechos iniciais: Numa manhã, ao despertar de sonhos inquietantes, Gregório Samsa deu por si na cama transformado num gigantesco inseto. Estava deitado sobre o dorso, tão duro que parecia revestido de metal, e, ao levantar um pouco a cabeça, divisou o arredondado ventre castanho dividido em duros segmentos arqueados, sobre o qual a colcha dificilmente mantinha a posição e estava a ponto de escorregar. Comparadas com o resto do corpo, as inúmeras pernas, que eram miseravelmente finas, agitavam-se desesperadamente diante de seus olhos. Que me aconteceu ? — pensou. Não era nenhum sonho. O quarto, um vulgar quarto humano, apenas bastante acanhado, ali estava, como de costume, entre as quatro paredes que lhe eram familiares. Por cima da mesa, onde estava deitado, desembrulhada e em completa desordem, uma série de amostras de roupas: Samsa era caixeiro-viajante, estava pendurada a fotografia que recentemente recortara de uma revista ilustrada e colocara numa bonita moldura dourada. Mostrava uma senhora, de chapéu e estola de peles, rigidamente sentada, a estender ao espectador um enorme regalo de peles, onde o antebraço sumia! Gregório desviou então a vista para a janela e deu com o céu nublado — ouviam-se os pingos de chuva a baterem na calha da janela e isso o fez sentir-se bastante melancólico. Não seria melhor dormir um pouco e esquecer todo este delírio? — cogitou. Mas era impossível, estava habituado a dormir para o lado direito e, na presente situação, não podia virar-se. Por mais que se esforçasse por inclinar o corpo para a direita, tornava sempre a rebolar, ficando de costas. Tentou, pelo menos, cem vezes, fechando os olhos, para evitar ver as pernas a debaterem-se, e só desistiu quando começou a sentir no flanco uma ligeira dor entorpecida que nunca antes experimentara. Oh, meu Deus, pensou, que trabalho tão cansativo escolhi! Viajar, dia sim, dia não. É um trabalho muito mais irritante do que o trabalho do escritório propriamente dito, e ainda por cima há ainda o desconforto de andar sempre a viajar, preocupado com as ligações dos trens, com a cama e com as refeições irregulares, com conhecimentos casuais, que são sempre novos e nunca se tornam amigos íntimos. Diabos levem tudo isto! Sentiu uma leve comichão na barriga; arrastou-se lentamente sobre as costas, — mais para cima na cama, de modo a conseguir mexer mais facilmente a cabeça, identificou o local da comichão, que estava rodeado de uma série de pequenas manchas brancas cuja natureza não compreendeu no momento, e fez menção de tocar lá com uma perna, mas imediatamente a retirou, pois, ao seu contato, sentiu-se percorrido por um arrepio gelado. Voltou a deixar-se escorregar para a posição inicial. Isto de levantar cedo, pensou, deixa a pessoa estúpida. Um homem necessita de sono. Há outros comerciantes que vivem como mulheres de harém. Por exemplo, quando volto para o hotel, de manhã, para tomar nota das encomendas que tenho, esses se limitam a sentar-se à mesa para o pequeno almoço. Eu que tentasse sequer fazer isso com o meu patrão: era logo despedido. De qualquer maneira, era, capaz de ser bom para mim — quem sabe? Se não tivesse de me aguentar, por causa dos meus pais, há muito tempo que me teria despedido; iria ter com o patrão e lhe falar exatamente o que penso dele. Havia de cair ao comprido em cima da secretária! Também é um hábito esquisito, esse de se sentar a uma secretária em plano elevado e falar para baixo para os empregados, tanto mais que eles têm de aproximar-se bastante, porque o patrão é ruim de ouvido. Bem, ainda há uma esperança; depois de ter economizado o suficiente para pagar o que os meus pais lhe devem — o que deve levar outros cinco ou seis anos —, faço-o, com certeza. Nessa altura, vou me libertar completamente. Mas, para agora, o melhor é me levantar, porque o meu trem parte às cinco [...]. Veja mais aqui e aqui.

AUTO DA BARCA DO INFERNO – A alegoria dramática O auto da barca do inferno (ou auto da moralidade, 1517), do poeta e dramaturgo português Gil Vicente (1465-1537), é uma sátira social da sociedade lisboeta das décadas iniciais do século XVI. Do texto destaco a cena inicial: Diabo — À barca, à barca, houlá! Que temos gentil maré! — Ora venha o carro a ré! Companheiro — Feito, feito! Bem está! Vai tu muitieramá, e atesa aquele palanco e despeja aquele banco, para a gente que virá. À barca, à barca, hu-u! Asinha, que se quer ir! Oh, que tempo de partir, louvores a Belzebu! — Ora, sus! Que fazes tu? Despeja todo esse leito! Companheiro — Em boa hora! Feito, feito! Diabo — Abaixa aramá esse cu! Faze aquela poja lesta e alija aquela driça. Companheiro — Oh-oh, caça! Oh-oh, iça, iça! Diabo — Oh, que caravela esta! Põe bandeiras, que é festa. Verga alta! Âncora a pique! — Ó poderoso dom Anrique, cá vindes vós?... Que cousa é esta?...Vem o Fidalgo e, chegando ao batel infernal, diz: Fildalgo — Esta barca onde vai ora, que assim está apercebida? Diabo — Vai para a ilha perdida, e há-de partir logo ess'ora. Fildalgo — Para lá vai a senhora? Diabo — Senhor, a vosso serviço. Fildalgo — Parece-me isso cortiço... Diabo — Porque a vedes lá de fora. Fildalgo — Porém, a que terra passais? Diabo — Para o inferno, senhor. Fildalgo — Terra é bem sem-sabor. Diabo — Quê?... E também cá zombais? Fildalgo — E passageiros achais para tal habitação? Diabo — Vejo-vos eu em feição para ir ao nosso cais... Fildalgo — Parece-te a ti assim!... Diabo — Em que esperas ter guarida? Fildalgo — Que leixo na outra vida quem reze sempre por mim. Diabo — Quem reze sempre por ti?!.. Hi, hi, hi, hi, hi, hi, hi!... E tu viveste a teu prazer, cuidando cá guarnecer por que rezam lá por ti?!... Embarca — ou embarcai... que haveis de ir à derradeira! Mandai meter a cadeira, que assim passou vosso pai. Fildalgo — Quê? Quê? Quê? Assim lhe vai?! Diabo — Vai ou vem! Embarcai prestes! Segundo lá escolhestes, assim cá vos contentai. Pois que já a morte passastes, haveis de passar o rio. Fildalgo — Não há aqui outro navio? Diabo — Não, senhor, que este fretastes, e primeiro que expirastes me destes logo sinal. Fildalgo — Que sinal foi esse tal? Diabo — Do que vós vos contentastes. Fildalgo — A estoutra barca me vou. Hou da barca! Para onde is? Ah, barqueiros! Não me ouvis? Respondei-me! Houlá! Hou!... (Pardeus, aviado estou! Cant'a isto é já pior...) Oue jericocins, salvador! Cuidam cá que são eu grou? Anjo — Que quereis? Fildalgo — Que me digais, pois parti tão sem aviso, se a barca do Paraíso é esta em que navegais. Anjo — Esta é; que demandais? Fildalgo — Que me leixeis embarcar. Sou fidalgo de solar, é bem que me recolhais. Anjo — Não se embarca tirania neste batel divinal. Fildalgo — Não sei porque haveis por mal que entre a minha senhoria... Anjo — Para vossa fantasia mui estreita é esta barca. Fildalgo — Para senhor de tal marca nom há aqui mais cortesia? Venha a prancha e atavio! Levai-me desta ribeira! Anjo — Não vindes vós de maneira para entrar neste navio. Essoutro vai mais vazio: a cadeira entrará e o rabo caberá e todo vosso senhorio. Ireis lá mais espaçoso, vós e vossa senhoria, cuidando na tirania do pobre povo queixoso. E porque, de generoso, desprezastes os pequenos, achar-vos-eis tanto menos quanto mais fostes fumoso. Diabo — À barca, à barca, senhores! Oh! Que maré tão de prata! Um ventozinho que mata e valentes remadores! Diz, cantando: Vós me veniredes a la mano, a la mano me veniredes. [...] Veja mais aqui.


AMERICAN BEAUTY – O premiadíssimo filme American Beauty (Beleza Americana, 1999), dirigido e roteirizado por Sam Mendes, escrito por Alan Ball e música de Thomas Newman, ganhou quase todos os Oscars de 2000: melhor filme, melhor diretor, melhor roteiro original, melhor fotografia e melhor ator. Trata-se de uma sátira sobre as noções de beleza e satisfação pessoal, sendo inspirado no julgamento de Anny Fisher, em 1992. Já tendo sido destacado por aqui, hoje a motivação de nova menção foi o papel desempenhado pela belíssima atriz estadunidense Annette Bening. Veja mais aqui e aqui.



IMAGEM DO DIA
Anatomy, do fotógrafo Freddy Martins


Veja mais no MCLAM: Hoje é dia do programa Some Moments, a partir das 21hs, no blog do Projeto MCLAM, com a sempre emocionante apresentação de mãe e filho: Meimei Corrêa & Verney Filho. Para conferir online e ao vivo acesse aqui.

VAMOS APRUMAR A CONVERSA?
Aprume a conversa aqui.

Arte de Meimei Corrêa. Veja mais aqui e aqui.