sexta-feira, fevereiro 19, 2016

ALAN WATTS & O SÉTIMO SELO DE INGMAR BERGMAN



SÉTIMO SELO – O premiadíssimo drama O sétimo sel0 (Det sjunde inseglet,1956), escritor e dirigido pelo dramaturgo e cineasta sueco Ingmar Bergman (1918-2007), baseado numa peça de teatro de autoria do próprio diretor, é ambientado em dos mais dos mais obscuros e apocalípticos períodos da Idade Média, filmado sob os efeitos traumáticos da II Guerra Mundial, remetendo ao medo da morte explicitado no livro bíblico do apocalipse. Trata de um cavaleiro da Cruzada da Fé que retorna à sua terra natal e lá encontra a peste e a morte. Ao se encontrar com a morte personificada, propõe uma negociação por meio de uma disputa de xadrez. O destaque do filme é a atriz sueca Bibi Anderson. Veja mais aqui, aqui, aqui e aqui.


A VIDA CONTEMPLATIVA, DE ALAN WATTS - [...] A realidade é que essas esperanças messiânicas e apocalipticas no futuro desviam a atenção do místico da sua preocupação essencial pelo Momento Eterno e encorajam uma dependência em relação à mera passagem do tempo como um veículo de graça e crescimento. A concomitância de nossa perigosa crise ecológica com a súbita expansão da tecnologia da comunicação de massa não sugere, na verdade, que o mundo esteja em uma situação apocalíptica ou mesmo escatológica, em um período de revelação catastrófica e de desastre iminente. Por vezes, quando se tem a impressão de que o futuro nos está falhando, é bastante natural que ocorra uma ressurgencia de religião e de interesse pelas coisas eternas: é o nosso único recurso. Isso pode não ir além do conforto supersticioso da magia e da fantasia ou do refugio, em desespero, na proteção do Altíssimo; mas, por outro lado, pode também ser algo como a sensação irresistível de abandono e paz que ocasionalmente se apossa das pessoas que se defrontam com a morte. Em tais ocasiões, não há como escapar ao fato de que o ego humano, na procura da felicidade, do poder e da integridade, e com toda a sua vontade e inteligência, chegou a uma situação de perplexidade. Até mesmo o conforto da crença e da esperança religiosa parece vazio, não passando de simples formas fantásticas e refinadas de tentativa de salvar a extinção as nossas personalidades cuidadosamente elaboradas. A personalidade, entretanto, é um fantasma ainda menos substancial que o nosso corpo, consistindo em um trabalho efêmero da arte que, como uma composição musical, se desvanece ao ser tocada; ao se fazer, porém, o silêncio, ouve-se uma outra melodia, pois estamos reduzidos à inocente simplicidade de ouvir aquilo que acontece agora. Nisso realmente se resume o misticismo contemplativo – estar consciente, sem julgamento ou comentário, do que realmente está acontecendo neste momento, tanto em nosso intimo como exteriormente, sem nos apercebermos sequer de nossos pensamentos involuntários, como se não passassem de mero ruído de chuva. Tal comportamento só é possível quando está claro que não há mais nada a fazer, nem meio de progredir ou recuar. Aguarda sem prensar, pois ainda não estás pronto para tal: assim, a escuridão será a luz e a quietude, a dança. Assim, quando não há passado nem futuro, as portas da percepção se abrem e vemos tudo como realmente é – infinito. Todos aqueles que jamais se deixaram reduzir a essa simplicidade sentirão, certamente, que se trata de uma árida supersimplificação, que deve haver muito mais do que isto – em matéria de doutrinas, preceitos e práticas – para se obter uma efetiva consciência religiosa. aqui, então, serão expostas todas as velhas objeções à negatividade das ideias místicas, à dissolução do Deus, nosso Pai, na divina escuridão ou nuvem do desconhecimento dos místicos ocidentais, ou no Vazio informe dos budistas. Não se pode senão reiterar o ponto de que o místico somente nega os conceitos e ídolos de Deus, e desse modo, abre as portas da percepção, com a crença de que, se Deus é real, não precisa ser procurado em qualquer direção especifica ou concebido de qualquer modo especial. Para ver a luz, é somente necessário parar de sonhar e abrir os olhos. A VIDA CONTEMPLATIVA – O livro A vida contemplativa: um estudo sobre a necessidade da religião mística pelo guia espiritual da juventude moderna, do filósofo e escritor britânico, Alan Wilson Watts (1915-1973), trata de temas como a época do espírito, a dádiva da união, a realização da união, a existência de Deus, o coração de Deus, a vida de ação e a vida contemplativa. Veja mais aqui, aqui e aqui.

REFERÊNCIA
WATTS, Alan. A vida contemplativa: um estudo sobre a necessidade da religião mística pelo guia espiritual da juventude moderna. Rio de Janeiro: Record, 1971.


Veja mais sobre:
Boi de fogo aqui.


E mais: 
Max Klinger, Rogério Tutti, Nicolau Copérnico, José Carlos Capinam, Carson McCullers, Alberto Dines, Krystyna Janda & muito mais aqui.
Poetas do Brasil, Gregório de Matos Guerra, Sheryl Crow, Dalinha Catunda, Yedda Gaspar Borges, Iracema Macedo, Fidélia Cassandra, Jade da Rocha, Psicodiagnóstico, Controle & Silêncio Administrativos aqui.
Eliete Cigarini, Abuso Sexual, Condicionamento Reflexo & Operante aqui.
Poetas do Brasil, Satyricon de Petrônio, Decameron de Boccaccio, Jorge de Lima, Laura Amélia Damous, Sandra Lustosa, Arriete Vilela, Sandra Magalhães Salgado, Celia Lamounier de Araújo & Simone Moura Mendes aqui.
Anna Pavlova, a Psicanálise de Freud & Adoção aqui.
A magia do olhar de quem chega aqui.
A mulher chinesa aqui.
Tarsila do Amaral, Psicopatologia & Transtornos de Consciência, Direito, Consumidor & Internet aqui.
José Saramago, Hannah Arendt, Luís Buñuel, Sérgio Mendes, Catherine Deneuve, Frederico Barbosa, Barbara Sukova, Os Assassinos do Frevo & Gilson Braga aqui.
Skinner, Walter Smetak, Costa-Gavras, Olga Benário, Kazimir Malevich, Irene Pappás, Camila Morgado & Pegada de Carbono aqui.
Marcio Baraldi & Transversalidade na Educação aqui.
Padre Bidião & as duas violências aqui.
A literatura de Rubem Fonseca aqui.
Proezas do Biritoaldo: Quando o banguelo vê esmola grande fica mais assanhado que pinto no lixo aqui.
Big Shit Bôbras & o paredão: quem vai tomar no cu aqui.
 Todo dia é dia da mulher aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA;
Lasciva: Ela, poema de Luiz Alberto Machado, arte de Derinha Rocha
Série Ginofagia
Veja Fanpage aqui e mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.




GALEANO, BOLDRIN, FLORA PURIM, CAMPBELL, JACI BEZERRA, BRAGINSKY, ADONIRAN, INGRID PITT, RESILIÊNCIA & QUIPAPÁ

A ESCRITURA DO VISINVISÍVEL – A arte do pintor ucraniano Arthur Braginsky . – O que vejo a lágrima embaça porque tudo é muito adverso e av...