segunda-feira, fevereiro 08, 2016

CHEIRO DA FELICIDADE



CHEIRO DA FELICIDADE – Ela é a minha princesa, a minha framboesa, o gosto da vida. É a minha querida tal Luisa da MTV, um delicioso pavê, personagem de HQ, figura porreta, cheia da faceta, minha sorte, meu trevo, os pinotes do frevo com seus olhos incendiados, o sexo dilatado, tudo de melhor que está junto. Eu o pão, ela o presunto, tudo na medida. Sou sortudo, é a vida! É tudo no bambo. Pois com ela eu sambo e danço rock de arrancar um samboque até das tripas. Eu arreio a ripa com um toque de letra dela guardar na gaveta, na sua caçapa. É sua minha lapa e garatuja. Na toca da coruja, acerto-lhe em cheio. Tudo então meio a meio e dou-lhe uma cipoada, certeira lapada do cancão piar, do pencó empenar, de emendar os bigodes. E tudo se sacode de bater na canela. Tudo parte dela e a gente se trava, se ela se gaba, é coração de mãe. Ela deixa que eu ganhe e não deixo descarte, faço a maior arte de estreitar as pestanas. É quando ela sacana só me agarrando, emoções transbordando e eu agraciado invadindo seus lados. E ela eu reboco, pego firme e sufoco, viro o seu cambão. É de pipocar o tampão, de entornar todo caldo, não deixar nenhum saldo, nadinha a vencer. A gente a se entreter provando nosso doce. Ah, se assim sempre fosse, deixa pra lá, pra quê? Basta então entender, somente uma verdade: quem ama é vivente a ganhar de presente o cheiro da felicidade. © Luiz Alberto Machado. Direitos reservados.



SEGUNDA-FEIRA

Luiz Alberto Machado


Não estou morto

E respirei aliviado



Veio o sol

E não sei nada

Nem me eternizo



Não tenho ninguém

Para ficar comigo

A esta hora



E as pessoas patéticas e tolas

Saíram para não sei quê nem onde:

Fabricam sonhos nas ruas



Os barulhos indômitos

Refazem a cidade

De pernas pro ar



Sorrio e choro

Lavando o destino

Nenhuma ressurreição no tempo:

O sisifismo louco dos dias

E a contagem regressiva das horas



Coabita comigo

As imagens de ontem

E a migração dos ponteiros

No corrimão tortuoso da manhã



Ademais

Me deprimo com tudo isso:

tudo no espelho



Não estou morto

E respirei aliviado

Com o amanhecer

Veja mais no Trâmite da Solidão.


Veja mais sobre:
Aijuna, o mural dos desejos florescidos aqui.

E mais:
Crônica de amor por ela aqui.
O Recife do Galo da Madrugada aqui.
Utopia, Charles Dickens, Alfred Adler, Carybé, Rogério Duprat, Hector Babenco, Sonia Braga & Tchello D’Barros aqui.
A psicanálise de Karen Horney & o papo da tal cura gay aqui.
A hipermodernidade de Gilles Lipovetsky & a trajetória Tataritaritatá aqui.
Três poemetos da festa de amor pra ela aqui.
Poetas do Brasil aqui, aqui e aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA;
Veja Fanpage aqui e mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra:
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.




QUINTANA, BUKOWSKI, ESPINOZA, CARLOS NEJAR, OTTO FRIEDRICH, SUZANNE VALADON, ARTUR GOMES & O FIM DO MUNDO

SE O MUNDO ACABAR, JÁ ACABA TARDE! - Pra todo lado que eu me virasse, a conversa era uma só. Bastou eu botar a cara na rua logo cedo, apar...