segunda-feira, maio 08, 2017

O JULGAMENTO DE GANDHI, OS EXTREMOS DE HOBSBAWN, POTY LAZZAROTTO & SOLILÓQUIO

SOLILÓQUIO - Ainda ontem minha juventude: um menino semeava o futuro tropeçando no presente entre estrelas, a voz contra o muro, pedras e errâncias, distâncias que trilhei sem fim. O que ficou de quem partiu, perdas no tempo que não esqueci entre o choro a desaguar lapsos e lembranças na solidão restante dos escombros de agora e o que sobrou de mim. Sou rio afora por terras que deixei, mais que nunca a perseverança como o dia teima amanhecer pelos passos da esperança na janela insone que sou chuva torrencial na madrugada. É tudo que tenho cão sem dono e me valho de quase não ter outra opção, enquanto há muito mais em mim do que sou e nem sabia, só aos poucos a cada dia, ao ver-me tão patético quanto fui aprendiz de feiticeiro, cada qual seus caminhos e utopias, nunca é tarde para ir além dos medos e das convicções. Sei das minhas vulnerabilidades e com quantos defeitos me refiz perdido pelas estradas da existência. Parecia saber mais que sei e descobri a minha mentira com todas as simulações. Tive que me despir de mim mesmo, corpalma, tudo que sou e não, ao espelho o desconhecido, aquele que enterrei a pulso vingava impávido, o que se queria expresso restava falível destronado no envoltório da sordidez. Aos pedaços, catei cada um como quem junta as próprias cinzas e, na colheita, um grão de esperança. Reduzido a nada, dei fé do infinito que emergiu das minhas entranhas desfeitas, e me descobri maior que minhas fraquezas e infortúnios. Convalesci mãos espalmadas no horizonte e refeito peito aberto pronto para colher os sonhos nos galhos da vida. © Luiz Alberto Machado. Veja mais aqui.

O JULGAMENTO DE GANDHI
Gandhi nasceu em Porbandar, noivou aos oito anos, casou-se aos doze, cursou as escolas públicas e aos dezenove estudou Direito na Universidade de Londres. Após o jantar quase morre: “Passei noites sem dormir; tinha a impressão de ser um assassino”, não costumava comer carne animal. Estava em vias de conquistar riqueza e respeitabilidade, subitamente renunciou a tudo e definiu o que defender: a causa dos oprimidos contra a injustiça dos opressores, a causa da justiça contra a força. O primeiro passo foi provar a ilegalidade do decreto Asiatic Exclusion Act, destinado a deter a imigração e o despojamento de todos os direitos indianos na África do Sul. Ao vencer a causa, abandonou a advocacia por considerá-la “uma profissão imoral”, tornando-se “um dos esbulhados”, recusado nos hotéis, expulso dos trens, cuspido por todos. A partir de então, entrou em greve religiosa contra toda violência: “O soldado nunca deve temer a morte! O agressor poderá matar alguns de nós; nunca, porém, poderá escravizar os restantes”. O seu objetivo: liquidar o inimigo transformando-o em amigo. A princípio, nem brancos nem hindus compreendiam aquele homem singular e seus métodos curiosos: “Servir-vos-ei como a irmãos meus; mas não me submeterei a vós na qualidade de amos”. Muitos hindus opunham-se violentamente com irrisão: “desobediência à injustiça, coragem de morrer sem matar”. Acreditava na vitória: “Sei que muitas pessoas no Ocidente – e mesmo aqui no Oriente – julgam impossível uma vitória não-violenta. Reconheço que podemos estar longe de alcançá-la; que talvez não se verifique durante a minha existência. Podem ser necessárias muitas gerações. Mas no fim o triunfo há de vir. Nenhum inimigo pode ser bastante forte ou bastante feroz para resistir ao fogo do amor”. No dia 6 de abril de 1919, a primeira campanha de afetuosa desobediência, o hartal, cessão pública de trabalho em toda a Índia e, por causa disso o governo reprimiu o movimento e mandou prendê-lo: “De que serve agora a tua fé, contra as balas e as bombas do inimigo?”. Respondeu: “Os estrangeiros são bem-vindos como hóspedes; como usurpadores, não os desejamos aqui”. Então o juiz Broomsfield elogiou Gandhi e o condenou à prisão pela ilegalidade de seu procedimento e, sobre o assunto, um aluno da Faculdade de Direito falou: “Isto pode ser legal, senhor, mas não é justo”. O professor reagiu com um sorriso: “Se quer justiça, moço, atravesse a rua e entre na Escola de Teologia; aqui é a Escola de Direito”. Gandhi sabedor das leis, também sabia o que esperar do seu julgamento: “Com os meus sofrimentos, proponho-me conquistar o mundo”.
Trechos extraídos de Gandhi (Globo, 1979), contando a vida do advogado e fundador do Estado moderno indiano Mohandas Karamchand Gandhi (1869-1948). Veja mais aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.

Veja mais sobre:
Mãe é mãe & Deus proteja a minha, a sua, a nossa & o da mãe-joana & e das mães (do guarda, do juiz de futebol e dos políticos) que são coitadas!, Inteligência emocional de John Gottman, o teatro de Máximo Gorki, a poesia de Jorge Tufic, a música de Caetano Veloso, Travessuras de mãe de Denise Fraga, a arte de Luciah Lopez , a pintura de Gustav Klimt & Lena Gal aqui.

E mais:
A literatura de Aníbal Machado, Teoria da alienação de István Mészarós, Semiologia da representação de André Helbo, o cinema de Roberto Rossellini & Anna Magnani, a música de Keith Jarret, Erótica pornográfica de J. J. Sobral, a pintura de Jean-Léon Gérome.& Almeida Junior aqui.
Direitos humanos fundamentais aqui.
A arte de Dhara - Maria Alzira Barros aqui.
Exercício de admiração de Emil Cioran. Abril despedaçado de Ismail Kadaré, O teatro de arte de Meyerhold, Fridha Khalo, A música de Badi Assad, A pintura de Karel Appel, Carlota Joaquina & Clube Caiubi de Compositores aqui.
Brincarte do Nitolino, Tratado lógico-filosófico de Ludwig Wittgenstein, o teatro futurista de Filippo Marinetti, a literatura de Azar Nafisi, a música de Nelson Freire, a pintura de Eugène Delacroix, Augustine de Charcot, a arte de SoKo, a fotografia de John De Mirjian, a cangaceira Dadá & O eco da trombeta de Maria Iraci Leal aqui.
A sina de Agar, A nascente de Ayn Rand, o teatro de Jean-Louis Barrault, Mundos oscilantes de Adalgisa Nery, a literatura de Anita Loos, a música de Cláudia Riccitelli & The Bossa Nova exciting Jazz Samba Rhythms, a pintura de Jose Gutierrez de la Vega & Amor como princípio de Delasnieve Daspet aqui.
Canto de circo de Osman Lins, a arte de Paul Éluard, a música de Paulo César Pinheiro, o teatro de Adolphe Appia, a poesia de Alberto de Oliveira, o cinema de Pedro Almodóvar & Penélope Cruz, a pintura de Francesco Hayez & José Malhoa, A travessia poética de Valéria Pisauro & Programa Tataritaritatá aqui.
Três poemas & a dança revelou o amor... aqui.
A dança dos meninos, a poesia de Manuel Bandeira & João Cabral de Melo Neto, A dançarina de Yasunari Kawabata, A dança poética de Amiri Baraka, A dançarina do Kama Sutra de Kama Sutra, de Vatsyayana, a música de Isabel Soveral & António Chagas Rosa, a pintura de Jose Manuel Abraham, Pas de Deux & a fotografia de M. Richard Kirstel, Dança Alagoas & Ary Buarque aqui.
O voo da mulher & mulheres no mundo, o teatro de Federico Garcia Lorca, Os adoradores de cabras de Gianni Guadalupi & Alberto Manguel, a música de Duke Ellington, o cinema de Lars von Trier & Nicole Kidman, a arte de Tatiana Parcero & Caco Galhardo, Como veio a primeira chuva & Pétalas do Silêncio de Rô Lopes aqui.
O dono da razão, a poesia de Murilo Mendes, Identidade e etnia de Carlos Rodrigues Brandão, Fundamentos da educação de Maria Sérgio Michaliszyn, a pintura de Mônica Alves Torres & Jules Pascin, a arte de Francisco Zúñiga & a música de Ju Martins aqui.
Não era pra ser, nem foi, Entre a vida e a morte de Nathalie Sarraute, a música de Galina Ustvolskaya, a fotografia de Takashi Aman, o ativismo de Emmeline Parnkhurst, o cinema de Sarah Gravon & Carey Mulligan, a gravura de Jean-Frédéric Maximilien de Waldeck, a arte de Paul-Émile Chabas & Carlos Alberto Santos aqui.
A esperança equilibrista, O espaço da cidadania de Milton Santos, Admirável mundo novo de Aldous Huxley, Os saberes da educação de Edgar Morin, a música de Vivaldi & Michala Petri, a fotografia de Andreas Feininger, a pintura de Gianluca Mantovani & Jose De la Barra, a arte de Daniele Lunghin & Dave Stevens aqui.
Eita! Vou por ali no que vem e que vai, a literatura de Ítalo Calvino, Os tempos da Praieira de Costa Porto, a poesia de Louise Glück, Neurofilosofia & Neurociências, a música de Edson Zampronha, Betina Muller & Mike Edwards, a arte de Laszlo Moholy-Nagy & Anke Catesby aqui.
O aperto que virou vexame trágico, As estratégias sensíveis de Muniz Sodré, a poesia de Sophia de Mello Breyner Andresen, Tecnologias: memórias e esquecimentos de Maria Cristina Franco Ferraz, a fotografia de Alexander Yakovlev, a arte de William Mulready & Doris Savard, a pintura de Angelo Hasse, a música de Asaph Eleutério, Ricardo Loureiro & Rádio Estrada 55 aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

A ERA DOS EXTREMOS DE ERIC HOBSBAWN
[...] Vivemos num mundo conquistado, desenraizado e transformado pelo titânico processo econômico e tecnocientífico do desenvolvimento do capitalismo, que domina os dois ou três últimos séculos. Sabemos, ou pelo menos é razoável supor, que ele não pode prosseguir ad infinitum. O futuro não pode ser uma continuação do passado, e há sinais, tanto externamente quanto internamente, de que chegamos a um ponto de crise histórica. As forças geradas pela economia tecnocientífica são agora suficientemente grandes para destruir o meio ambiente, ou seja, as fundações materiais da vida humana. Nosso mundo corre o risco de explosão e implosão. Tem de mudar. [...] Se a humanidade quer ter um futuro reconhecível, não pode ser pelo prolongamento do passado ou do presente. Se tentarmos construir o terceiro milênio nesta base, vamos fracassar, ou seja, a alternativa para uma mudança da sociedade é a escuridão. [...].
Trechos da obra Era dos extremos: o breve século XX – 1914 – 1991 (Companhia das Letras, 1994), do historiador egípcio Eric Hobsbawm (1917-2012). Veja mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: arte do gravurista, ceramista, desenhista e muralista Poty Lazzarotto (1924-1998)
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.

KRISHNAMURTI, MILLÔR, CELSO FURTADO, JOSEPH CAMPBELL, BARBOSA LIMA SOBRINHO, GILVAN LEMOS, RIO UNA & MARQUINHOS CABRAL

MARQUINHOS CABRAL: DESDE MENINO SOLTO NA BURAQUEIRA – A gente aprontou muitas e tantas no quintal lá de casa e nos cômodos da casa dele ...