sexta-feira, março 08, 2013

TEATRO, BRECHT, STANISLAVSKI, BORNHEIM, ESTUDOS & HISTÓRIA




BERTOLT BRECH: ESTUDOS SOBRE TEATRO – O livro “Estudos sobre teatro” do poeta, dramaturgo e encenador alemão Eugen Berthold Friedrich Brecht (1898-1956), aborda questões como a possibilidade do mundo hoje ser reproduzido pelo teatro, notas sobre peças e representações, a ópera Grande e Decadência da Cidade de Mahagony, a Ópera dos Tres Vintens, a peça A Mãe de Gorki, teatro recreativo e teatro didático, efeitos de distanciamento na arte dramática chinesa, as cenas de rua, a nova técnica da arte de representar, O Senhor Puntilla e seu criado Matti, a obra clássica intimidada, Pequeno Organon para o teatro, a dialética para o teatro, a práxis do teatrao, Antígona de Sófocles, a utilização de um modelo restringe a liberdade artística, acerca da contribuição da música para o teatro épico, palavras do dramaturgo sobre o teatro do cenógrafo Caspar Neher, acerca da distribuição e de uma carta a um ator. Veja mais aqui.

FONTE:
BRECHT, Bertolt. Estudos sobre teatro.Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1978.




TRAGÉDIA MODERNA – O livro “Tragédia moderna” de Raymond Williams, traz um prefácio de Iná Camargo Costa e é dividido em duas partes: a primeira, idéias trágicas; e a segunda, literatura trágica moderna. Na primeira parte aborda questões acerca da tragédia e a experiência, a tradição, as idéias contemporâneas, a revolução e a continuidade. A segunda traz abordagens acerca de herói e vítima na feitura da tragédia liberal de Ibsen e Miller, a tragédia privada de Strindberg, O´Neill e Tenesse Williamsn, a tragédia socal e pessoal de Tolstoi e Larwrence, o impasse e aporia trágicos de Tchekov, Pirandello, Ionesto e Beckett, a resignação trágica e sacrifício de Eliot e Pasternak, o desespero trágico de Camus e Sartre e uma rejeição à tragédia de Brecht.
Raymond Williams (31 Agosto 1921 - 26 Janeiro 1988) foi um acadêmico, crítico e novelista Galês. Seus escritos em política, cultura, literatura e cultura de massas refletiram seu pensamento marxista. Foi uma figura influente dentro da Nova Esquerda e na teoria cultural em geral. Mais de 750 000 cópias de seus livros foram vendidos apenas no Reino Unido. (Politics and Letters, 1979) e há muitas traduções de suas diversas obras. Veja mais aqui e aqui.

FONTE:
WILLIAMS, Raymond. Tragédia moderna. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.






HISTÓRIA MUNDIAL DO TEATRO – O livro “História mundial do teatro”, de Margot Berthold, traz a trajetória desde o teatro primitivo, Egito e antigo oriente, nas civilizações islâmicas e indo-pacíficas, na China, no Japão, na Grécia, Roma, Bizâncio, a Idade Média, a Renascença, o Barroco, a era da cidadania burguesa e do Naturalismo ao presente, com o teatro do diretor, os meios de comunicação de massa, a crise, o exprerimento, o show business na Broadway, o engajado, ricamente ilustrado com fotos e iconografias importantes. Indispensável. Veja mais aqui.

Fonte:
BERTHOLD, Margot. História mundial do teatro. São Paulo: Perspectiva, 2008.





JOGO, TEATRO & PENSAMENTO, DE RICHARD COURTNEY – A obra Jogo, teatro & pensamento: as bases intelectuais do teatro na educação, de Richard Courtney, trata da filosofia educacional diante do jogo e do teatro, a história do pensamento educacional, o mundo antigo, medieval, a renascença, o período neoclássico, o período romântico, a teoria de Schiller-Spencer, a teoria do instinto de Karl Groos, pré-exercicios, teoria da catarse, teorias fisiológicas, teoria da recreação, teoria do relaxamento, teoria da recapitulação, teoria genética, estádios em educação pedocêntrica, formas de abordagem dramática, educação dramática, escola de psicologia profunda, pensamento simbólico, psicanálise britânica, psicoterapia infantil, os elementos da ludoterapia, escolas de psicoterapia, o fenômeno do acting-out, psicodrama, criatividade e espontaneidade, estética e criatividade, o artista no teatro, antropologia social, abordagem sociológica, o teatro do selvagem, jogo dramático, a plateia, teorias gerais do jogo, abordagens americanas, teoria da aprendizagem, imitação, identificação, teoria dos papeis, cognição, pensamento criativo, aprendizagem da memória, psicolinguística, linguagem das crianças, fala e pensamento. Veja mais aqui.

FONTE:
COURTNEY, Richard. Jogo, teatro & pensamento: as bases intelectuais do teatro na educação. São Paulo: Perspectiva, 1980.




GERD BORNHEIM & TEATRO: A CENA DIVIDIDA – A obra “Teatro: a cena dividida” de Gerd Bornheim aborda questões sobre o teatro popular, a situação e o impasse, a indiferença de Lukács, a mística das origens, a metamorfose do povo, sobre o folclore, sobre o drama histórico, sobre o repertório clássico, a atualidade do atual, o povo, minuta para a demarcação do conceito, texto de uma entrevista, teatro e literatura, os caminhos do teatro contemporâneo e debate. Veja mais aqui.

FONTE:
BORNHEIM, Gerd. Teatro: a cena dividida. Porto Alegre: LP&M, 1983.



CONSTANTIN STANISLAVSKI: A CONSTRUÇÃO DA PERSONAGEM – A obra “A construção da personagem” do ator, diretor, pedagogo e escritor russo Constatin Stanislavski (1863-1938) trata da caracterização física, vestir a personagem, personagens e tipos, tornar expressivo o corpo, plasticidade do movimento, contenção e controle, a dicção e o canto, entonações e pausas, acentuação, a palavra expressiva, a perspectiva, tempo-ritmo no movimento e no falar, o encanto cênico, ética do teatro, padrões de realização e algumas conclusões sobre a representação. Veja mais aqui.

CONSTANTIN STANISLAVISKI – pseudônimo de Constantin Siergueieivitch Alexei teve grande destaque entre os séculos XIX e XX. Sua primeira apresentação ocorreu quando ainda tinha sete anos em um teatro que seu pai mandara construir em sua casa. Neste local, também conhecido como Circulo Alexeiev, aconteciam vários encontros com atores, diretores, músicos, artistas plásticos conhecidos. Após os casamentos na família, esses encontros começaram a ficar mais raros. Em 1888, Stanislavski funda a Sociedade Literária de Moscou, no qual passa a estudar a arte teatral com grandes personalidades da época, como o diretor Fiédotov. Este empreendimento não teve muito sucesso, principalmente no aspecto financeiro o que levou Stanislavski a arcar sozinho com as despesas. Após trocar correspondências com Vladímir Ivânovitch Niemiróvitch-Dântchenco (1858 – 1943), escritor e professor de arte dramática na Filarmônica de Moscou; iniciou no dia 22 de junho de 1897, às 14h; no Slaviánski Bazar (Mercado Eslavo, nome de um restaurante), não só um conversa histórica, mas um diálogo, de um empreendimento, que marcaria o teatro no século XX: o Teatro de Arte (ou Artístico) de Moscou Acessível a Todos, que depois passaria a ser conhecido como o Teatro de Arte de Moscou. Foi neste local que Stanislavski, durante anos, teve a oportunidade de testar métodos e técnicas no trabalho de preparação do ator. Muito desses foram deixados de lado e outros aprofundados. Estes seus estudos geraram o conhecido "sistema" Stanislavski (como ele mesmo o chamava).Em 1905 ele acrescentou ao teatro o estudio experimental, base de sua pedagogia e critica do teatro. Dedicando ao teatro, durante mais de 40 anos, uma atitude critica e de constante preocupação, Stanislavski revê e dignifica a função do ator, oferecendo-lhe quer no incansavel dia a dia de direitor, quer em seus escritos didaticos e teóricos, uma orientação que abrange todos os niveis do comportamento dramatico. Com seu método ele apresenta os meios praticos de atingir-se o desempenho, ensinando os procedimentos psicologicos e tecnicos do aproveitamento de estmulos sensoriais, da memória emotiva, da descontração muscular, da imaginação e da pratica de observar e observar-se.




OLGA REVERBEL: TEATRO NA SALA DE AULA – A obra “Teatro na sala de aula”, de Olga Reverbel, trata do professor, do aluno, do ambiente, as atividades dramáticas com suas estratégias e avaliações, as atividades integradas, a descoberta do movimento, do som e do espaço, a interpretação, a direção de espetáculo na escola, em busca de um repertório para o espectador jovem, iniciação à critica, as fichas de avaliação, planejamentos e para onde vai o teatro na educação.

FONTE BIBLIOGRÁFICA
REVERBEL, Olga. Teatro na sala de aula. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1979.
BIBLIOGRAFIA:
STANISLASVSKI, Constantin. A construção da personagem. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1983,



O TEATRO BRASILEIRO MODERNO DE DÉCIO DE ALMEIDA PRADO – A obra “O teatro brasileiro moderno” de Décio de Almeida Prado é uma das obras indispensáveis para o pesquisador e militante do teatro brasileiro por se tratar de um painel vivo e profundo da cena brasileira. O autor, por sua trajetória de mais de 50 anos de teatro no Brasil, dá o seu testemunho efetuando uma análise acerca das principais realizações cênicas e dramatúrgicas, acompanhando a efervescência do Teatro de Procópio Ferreira, Nelson Rodrigues, a criação do TBC, o Arena, o Oficina, até chegar no momento teatral da atualidade. Indispensável.

FONTE:
PRADO, Décio de Almeida. O teatro brasileiro moderno. São Paulo: Perspectiva, 2008.




RENATA PALLOTTINI: INTRODUÇÃO À DRAMATURGIA – O livro “Introdução à dramaturgia”, de Renata Pallottini, oriundo da tese de doutoramento da autora para a Escola de Comunicações e Artes da USP, aborda a questão da ação dramática e conflito, o teatro épico e dramática rigorosa e analise de um texto do teatro épico. Traz também o prefácio “A dramaturgia como teoria” de Fernando Peixoto.

A AUTORA: A poeta, escritora, professora e dramaturga paulista Renata Pallottini cursos Filosofia na PUC e direito na Faculdade do Largo de São Francisco, estudou dramaturgia na Escola de Arte Dramática onde mais tarde lecionou. É autora de diversos livros de poesia e teatro.


FONTE:
PALLOTTINI, Renata. Introdução à dramaturgia. São Paulo: Brasiliense, 1983.



VIOLA SPOLIN: IMPROVISAÇÃO PARA O TEATRO – A obra “Improvisação para o teatro” de Viola Spolin, aborda questões como teoria e fundamentação, a experiência criativa, sete aspectos da espontaneidade, procedimentos nas oficinas de trabalho, a composição física das oficias de trabalho, exercícios de orientação, onde, atuando com o corpo todo, aprimorando a percepção, marcação de cena não-direcional, ouvir, ver e não fitar, agilidade verbal, contato, silêncio, dicção, rádio e efeitos técnicos, desenvolvimento material para situações, exercícios de afinação, discurso, fisicalização, ver, desenvolvimento de cenas a partir de sugestões da platéia, emoção, conflito, personagem, a criança e o teatro, princípios fundamentais para o ator infantil, teatro formal e teatro improvisacional, ensaio e desempenho, post-mortem e problemas especiais, histórias para ensaios, dirigindo a criança-ator, eliminando qualidades de amador, definição dos termos, livros de jogos recomendados, entre outros.

FONTE BIBLIOGRÁFICA:
SPOLIN, Viola. Improvisação para o teatro. São Paulo: Perspectiva, 1979.



SÁBATO MAGALDI: INICIAÇÃO AO TEATRO – A obra “Iniciação ao teatro” de Sábato Magaldi trata do conceito de teatro, o texto, o ator, os elementos visuais, a arquitetura, o encenador, a empresa, o público, a participação do Estado, nacionalismoa, qualificativos em voga como boulevard, vanguarda, teatro político, épico, social, popular, pobre, criação coletiva, o happening, teatro do oprimido, destino do teatro com relação á televisão e ao cinema, os erros da nostalgia e o exemplo de Copeau. Veja mais aqui.

SÁBATO ANTONIO MAGALDI é teórico, critico teatral e professor mineiro radicado no Rio de Janeiro desde 1948. Ele pertence ao primeiro escalão intelectual brasileiro, influente pensador ligado a momentos decisivos da história do teatro brasileiro. Formou-se em direito, em 1949, pela Universidade de Minas Gerais (faz o último ano no Rio de Janeiro). De 1950 a 1953, foi crítico teatral do Diário Carioca, enviando colaboração da França, enquanto lá permanece de 1952 a 1953. Nesse ano recebe o certificado de estética da Sorbonne (Universidade de Paris), sendo seu professor Etiènne Souriau. A obtenção desse certificado exige ainda aprovação nos cursos de psicologia e história da arte moderna. Regressa ao Brasil, transfere-se para São Paulo, a convite de Alfredo Mesquita, a fim de lecionar história do teatro na Escola de Arte Dramática - EAD, e se torna redator do jornal O Estado de S. Paulo. Com a criação do Suplemento Literário, em 1956, tornou-se titular da coluna de teatro até 1969. Participou do Seminário de Dramaturgia do Teatro de Arena, em 1958, e dirigu nos anos 60 a coleção Teatro Universal, da Editora Brasiliense, e a coleção Teatro Vivo, da Editora Abril, nos anos 70. Fundada a Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, ECA/USP, em 1967, chegou por concurso a professor titular de teatro brasileiro. E recebeu o título de professor emérito em 2000. Foi o primeiro secretário municipal de Cultura de São Paulo, a convite do prefeito Olavo Setúbal. Com Maria Thereza Vargas, lançou, em 1975, Cem Anos de Teatro em São Paulo, publicação fasciculada destinada a comemorar o centenário do jornal O Estado de S. Paulo e depois editada em livro (Editora Senac São Paulo, 2001). Doutorou-se na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, FFLCH/USP, em 1972, com a tese Teatro de Oswald de Andrade, e fez livre-docência, em 1983, na ECA/USP, defendendo a tese Nelson Rodrigues: Dramaturgia e Encenações. Prestou, em 1985, concurso para professor adjunto, tornando-se, em 1988, professor titular de teatro brasileiro. Organizou e prefaciou a publicação do Teatro Completo de Nelson Rodrigues (quatro volumes), que se estende de 1981 a 1989. De 1985 a 1987, lecionou na Sorbonne, em Paris, e de 1989 a 1991, na Universidade de Aix-en-Provence. Em 1994 foi eleito membro da Academia Brasileira de Letras, ABL. Entre os títulos de sua produção destacam-se Panorama do Teatro Brasileiro, 1962; Iniciação ao Teatro, 1965; O Texto no Teatro, 1989; Moderna Dramaturgia Brasileira, 1998; Depois do Espetáculo, 2003; Teatro da Ruptura: Oswald de Andrade e Teatro da Obsessão: Nelson Rodrigues, 2004. Outras publicações: Temas da História do Teatro, 1963; O Cenário do Avesso, 1977; Um Palco Brasileiro (O Arena de São Paulo), 1984; O Texto no Teatro Moderno Brasileiro, em Literatura Brasileira: Ensaios, Crônica, Teatro e Crítica, 1986; O Papel de Brecht no Teatro Brasileiro: Uma Avaliação, em Brecht no Brasil, Experiências e Influências, de W. Bader; Teoria e Prática da Censura no Brasil Atual, em Le Thêatre sous la Contrainte, 1988; Teatro Brasileiro, em O Teatro através da História (vol.II), 1994; As Luzes da Ilusão (Discurso de recepção na ABL), 1995; O Crítico de Teatro, em Sobre Anatol Rosenfeld. Em obras de referência e especializadas, é autor do verbete sobre o teatro brasileiro da Enciclopédia Mirador Internacional e do Díctionnaire des Littératures das Presses Universitaires de France. Atualiza verbetes sobre teatro do dicionário Novo Aurélio - Século XXI. Acumula muitos prêmios ao longo de sua carreira no país. É conselheiro vitalício da Fundação Bienal de São Paulo; torna-se Chevalier des Arts et Lettres, do governo francês, em 1967; e Chevalier de l'Ordre National du Mérite, do governo francês, em 1979. (Fonte: Itau Cultural)

FONTE:
GUINSBURG, Jacó. Apresentação. In: MAGALDI, Sábato. Moderna dramaturgia brasileira. São Paulo: Perspectiva, 1998.
MAGALDI, Sábato. Iniciação ao teatro. São Paulo: Ática, 1985.



GERD BORNHEIM: O SENTIDO E A MÁSCARA – A obra “O sentido e a máscara” de Gerd Bornheim, trata de questões acerca do teatro contemporâneo, de vanguarda, Ionesco e o Teatro Puro, as duas características do Expressionismo, observações sobre o sentido e a evolução do trágico, Kleist e a condição romântica, Edmont de Goethe, vigência de Brecht, a propósito de Jacques e a submissão de Ionesco.

REFERENCIA:
BORNHEIM, Gerd. O sentido e a máscara. São Paulo: Perspectiva, 1975.




COISAS DE TEATRO – Excelente blog editado pelo ator, diretor, autor, professor de teatro e produtor cultural Mariozinho Telles, pela escritora Adelia Carvalho e pelo autor teatral, cartunista e blogueiro Ruy Jobim Neto. O espaço traz notícias, eventos, destaques, oficinas, cursos e muitas dicas sobre o universo teatral brasileiro e do exterior. Confira, imperdível. Veja mais aqui.




Veja mais sobre:
A mulher nos primórdios da humanidade, Virginia Woolf, Friedrich Engels, Edith Wharton, Maria Polydouri, Sainkho Namtchylak, Paula Picarelli, Inês Pedrosa, Jean-Léon Gérôme, Hanna Cantora & Tudo no Brasil é um parto da montanha aqui.

E mais:
Leolinda Daltro & Todo dia é dia da mulher aqui.
Yamandu Costa, Terêncio, Beaumarchais, Julie Dreyfus, Sharon Tate & Constituição Federal aqui.
Painel das Fêmeas, Lao Zi, O livro dos peixes de William Gould, , a poesia de Heinrich Heine, os contos eróticos de Fabiana Karfig, a música de Sally Nyolo, o cinema de Gaspar Noé, a pintura de Howard Rogers, Musetta Vander, Ação & Inquérito civil aqui.
Sobre a morte e o morrer, Direito Ambiental, Psicologia da Saúde & Poetas do Brasil aqui.
Literatura: modernidade x pós-modernidade aqui.
O trabalho: escravidão, subordinação e desemprego aqui.
Freud, Alan Watts, Erich Fromm, Roland Gori & Eduardo Giannetti aqui.
Poetas do Brasil: Al-Chaer, Marisa Queiroz, José Terra Correia, Vanice Zimerman & Simone Lessa aqui.
Poetas do Brasil aqui, aqui e aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Todo dia é dia da mulher aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Paz na Terra: 
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja  aqui e aqui.



FAULKNER, PIVA, BOURDIEU, FUREDI, LIA CHAIA, VITOR DA FONSECA, PALHAÇOS, SOCORRO DURÁN & AMANDA DUARTE

POETASTRO METE AS CATANAS SEM ENTENDER DO RISCADO – Imagem: Xilogravura de Amanda Duarte. - Nada dava certo mesmo pras bandas do Doro, tud...