quarta-feira, novembro 12, 2014

A PESQUISA, A IGNORÂNCIA, A NATUREZA HUMANA & METODOLOGIA CIENTÍFICA



A PESQUISA – O escritor e filósofo Michel Randan aborda a questão da pesquisa nos tempos atuais, afirmando que: “Pesquisa é sobretudo tornar-se livre, à imagem da realidade, que é, ela própria, uma questão. Os novos tempos mudam precisamente quando não é mais proibido colocar as questões certas. Isto é a verdadeira liberdade de ser propriamente dita. Os novos físicos não são místicos, mas se veem confrontados com uma situação metafísica que é também uma dimensão: a das interações que refletem igualmente o coração e o sagrado. Quando participo do universo, só posso observá-lo através desse princípio de identidade que é o ser profundo. Eu estou diante do vivo, um outro vivo prodigioso se ignora. O aviso assume uma multiplicidade de formas: posso refutar o que não é observável, dedutível, analisável. Mas minha refutação só reflete minha capacidade colocar uma questão mais ampla. A que se assemelha a realidade que eu não a observo? Ora, real combina com vivo. E este vivo é também uma entidade biológica, espiritual e psíquica na qual nada está separado. Independentemente de mim, o vivo modula suas forças, dá conta de todos os dados para se acomodar e em definitivo seguir seu caminho. A neguentropia leva vantagem sobre a entropia. O universo é movimento. E é ao mesmo tempo consequente, lógico, simétrico, e no entanto livre para inventar incessantemente novas formas do vivo. Neste sentido, a realidade cósmica, a ma teria em seu conjunto, exprime uma liberdade de ser que é também nossa. O homem não está determinado; neste mundo de interações, está livre para manifestar sua presença”. (Michel Randon, A ciência face aos confins do conhecimento).

OS QUATRO PILARES DA IGNORÂNCIA E A NATUREZA HUMANA – O jornalista, escritor e ativista político judeu húngaro, Arthur Koestler (1905-1983), apresenta os  quatro pilares da ignorância: “[...] a evolução biológica é o resultado de mutações ocasionais, preservadas por seleção natural; a evolução mental é o resultado de tentativas ocasionais, preservadas por reforços (recompensas); todos os organismos inclusive o homem, são em essência autômatos passivos, controlados pelo ambiente e a única finalidade na vida é a diminuição das tensões através de reações de adaptação; o único método cientifico digno desse nome é a medida quantitativa; e, em consequência, os fenômenos complexos devem ser reduzidos a elementos simples, suscetíveis de receber esse tratamento, sendo desnecessária a preocupação de que as características específicas de um fenômeno complexo, como o homem, se possam perder no processo”. Em contrapartida o mesmo autor conclui: “Homem algum é uma ilha isolada: cada homem é um hólon. É uma entidade bifronte como Jano, que, olhando para o seu interior, se vê como um todo único e completo em si mesmo, e, olhando para fora, se vê como uma parte dependente. A sua tendência autoafirmativa é a manifestação dinâmica de sua condição de todo único, da sua autonomia e independência como hólon. A tendência antagônica, também universal, que é a integrativa, expressa a sua dependência do todo maior que integra: a sua condição de parte”. (Arthur Koestler, O fantasma da máquina).


COMPROMISSO – O escritor e filósofo Alan Wats traz uma expressão do nosso compromisso: “Premissas defeituosas somente podem ser abandonas por aqueles que vão às raízes de seu próprio pensamento e conseguem descobrir o que realmente são”. (Alan Watts, O homem, a mulher e a natureza). Veja mais aqui.

PESQUISA & METODOLOGIA CIENTÍFICA: COMO ESCOLHER UM TEMA PARA SUA PESQUISA? – A escolha do tema é uma iniciativa individual, mesmo quando indicada pelo orientador ou pela instituição acadêmica. A escolha do tema deve ser feita a partir do foco de interesse do pesquisador. Ele deve ser sintético, objetivo e original. É o primeiro passo de investigação e que deve ser discutido, analisado e apresentado. O tema compreende a pergunta: o que é? Quando se pensa na elaboração de um tema é de suma importância que se saiba ou se tenha em mente quais são os seus antecedentes e consequências. Assim, o tema ideal é aquele em que se pode deixar bem definidas as causas e efeitos, para que se possa apresentar uma sugestão, um resultado ou solução. Vera (1983) traz questionamentos quanto a escolha do tema, observando que este significa que se deve estar em condições de explicar a temática proposta a todos os envolvidos, seja orientador, ou banca examinadora; saber desenvolver as questões implícitas; e poder assinalar aspectos particulares por meio de casos e exemplos, além de algumas aplicações possíveis. Alerta, então, o autor que é preciso uma compreensão parcial do assunto que se quer estudar e apresentar. A esse respeito, Thompson (1991) faz indicação de aspectos que devem ser levado em consideração quando da escolha do tema: quanto à área, ramo, assunto e o próprio tema. A primeira consideração deve quanto à área, ou seja, a opção recai em conformidade com a natureza do curso. Quanto ao ramo, o tema deve ter objetivo o aprofundamento de estudo na área de trabalho, buscando ampliação de conhecimento, familiarização com princípios básicos, compreensão dos aspectos envolvidos, análise e pesquisa. Quanto ao assunto, a escolha deve ser originada pelo gosto individual na busca por ampliação de conhecimentos, esclarecendo e aprofundando o que se quer questionar e analisar. Por fim, quanto ao tema propriamente dito, aconselhando-se a utilização do método dedutivo, procurando a particularização e isolamento de um ponto específico. A respeito da escolha do tema, Eco (1983) faz algumas sugestões: o tema precisa responder aos interesses do proponente de estudo; deve-se buscar e disponibilizar fontes de consulta; e realizar um quadro metodológico da pesquisa. Assim, tendo-se o tema definido é necessário, em seguida, apresentá-lo. E a apresentação do tema é exatamente descrever as causas e efeitos advindos dele, delimitando o que se quer dizer e aonde se quer chegar, respondendo o que é que ele significa com todas as suas implicações e peculiaridades. Tem-se, portanto, passos a seguir: o primeiro deles é escolher um tema de interesse ou afinidade. Depois, deve-se identificar se ele é conhecido publicamente ou não. Logo após torna-se necessário deixá-lo bem definido e claramente expresso. É preciso, então, saber o que se quer com esse tema e deixá-lo bem delimitado. É importante que se questione, problematize e indague o tema de todas as maneiras. Feito isso, é chegada a hora de buscar fontes e pesquisas a respeito do tema escolhido. O PROJETO DE PESQUISA – Após a escolha e delimitação do tema, formulação do problema, hipóteses e variáveis, é chegada a hora da elaboração do projeto de pesquisa. Este projeto, segundo Vera (1983) é um plano que possui a função de preparar com critério e a finalidade de proporcionar apoio e ajuda o produto da reflexão e do conhecimento do tema de pesquisa, constituído para introduzir um princípio de ordem nos conceitos e estabelecendo a hierarquia lógica das questões. Assinala Vergara (2007) que o projeto é uma carta de intenções definida com clareza o problema motivador da investigação, com um referencial teórico e uma metodologia a ser empregada, apresentando cronograma e bibliografia, tudo em obediência às normas prescritas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Acrescenta Furasté (2008) que o projeto de pesquisa é a versão preliminar do trabalho que se vai realizar, sendo um esboço inicial do que se quer fazer, tornando-se, portanto, uma das fases da pesquisa na qual é efetuada a descrição da estrutura do estudo. Esse projeto serve de roteiro para o que se pretende realizar no trabalho acadêmico. As partes que compõe o projeto são a inscrição e delimitação do tema, problema a ser abordado, hipóteses, objetivos geral e específicos, justificativa, referencial teórico, metodologia com a definição do tipo de pesquisa, cronograma e referências bibliograficas. Para Rudio (1988), a elaboração de um projeto de pesquisa implica o desenvolvimento de passos metodológicos que decorrem de respostas que envolvem o que pesquisar definindo o problema, hipóteses, questões norteadoras, base teórica e conceitual; por que pesquisar, apresentando a justificativa da escola do problema e estudo; para que pesquisar, apresentando os objetivos com os propósitos de estudo; como pesquisar, apresentando a metodologia adequada e escolhida; quando pesquisar, elaborando um cronograma de execução; e apresentação das referências bibliográficas básicas apresentadas na base teórica e conceitual. É nessa etapa que se faz necessária a definição do objeto de pesquisa articulado com as escolhas do tema e formulação do projeto de pesquisa. Efetuada a escolha e delimitação do tema, formulação do problema e das hipóteses, passa-se à justificativa do estudo. Para Furasté (2008) a justificativa é a apresentação dos motivos que levaram à decisão de se abordar o tema dentro do universo acadêmico, colocando as razões que levaram à escola e que sustentam a realização do trabalho. A justificativa tem por função destacar a relevância e o porquê da realização da pesquisa, apresentando os motivos que a justificam, além de ser clara e trazer as contribuições que preveem a compreensão, intervenção ou solução do problema; deve articular a relevância intelectual e prática do problema investigado. Os objetivos, para Furasté (2008), são definidos como geral e específicos, sendo, portanto, a definição com precisão e clareza das metas, propósitos e resultados concretos a que se pretende chegar. Os objetivos são as expressões das metas que se almeja alcançar com a investigação, prevendo as intenções que se situam tanto no plano geral quanto no específico, por meio da utilização de verbos no infinitivo. Para Vergara (2007), os objetivos podem ser final ou intermediário. Se o problema é uma questão a investigar, objetivo é um resultado a alcançar. O objetivo final dá a resposta ao problema. Os objetivos intermediários são metas de cujo atingimento depende o alcance do objetivo final. A definição da base teórica ou conceitual é a definição clara dos pressupostos teóricos, das categorias e conceitos a serem utilizados no estudo, atendendo às características de ser sintético e objetivo, estabelecendo um diálogo entre a teoria e o problema a ser investigado, ser ético, fazendo as devidas referências aos autores considerados na abordagem. Essa base teórica ou conceitual é denominada, segundo Furasté (2008) de referencial teórico significando a apresentação do embasamento teórico sobre o qual se fundamentará o trabalho com os pressupostos que darão suporte à abordagem dos estudos. Esse referencial teórico, segundo Vergara (2007) tem por objetivo apresentar os estudos sobre o tema, ou especificamente sobre o problema, já realizados por outros autores, compreendendo uma revisão da literatura concernente ao acervo de teorias e críticas, como também trabalhos realizados como referências, revelando as preocupações e preferências do autor do projeto, apontando lacunas ou discordâncias ou pontos a ratificar. Outros objetivos do referencial teórico são o de permitir maior clareza na formulação do problema de pesquisa, facilitar a formulação de hipóteses ou suposições, sinalizar o método mais adequado para solução do problema, permitir a identificação de qual procedimento será mais pertinentes para a coleta e tratamento dos dados e fornecer elementos para interpretação desses dados. Para Creswell (2007) os objetivos da revisão da literatura são o compartilhamento dos resultados de outros estudos que estão relacionados com a proposta do projeto, obedecendo a observância da tipologia de pesquisa, seja qualitativa, quantitativa ou mista. A metodologia é a parte que, segundo Vera (1983), é um momento heurístico em que ocorre a reunião sistemática e ordenada de textos, obra e dados. Assim, é identificada como sendo o caminho ou a forma de desenvolver a pesquisa por meio do processo de elaboração investigativo, escolhendo aquele que melhor identifique e tenha correspondência com a problemática e o referencial teórico. Nessa parte são identificados os sujeitos de pesquisa, a coleta de dados e a descrição da organização e análise dos dados. É nessa parte que se deve definir o tipo de pesquisa a ser realizada, estabelecendo o universo e a amostra compreendidas pelo estudo, a seleção dos sujeitos, a forma como serão coletados, levantados, comparados, tratados e analisados os dados recolhidos. Explica Furasté (2008) que a parte do projeto de pesquisa destinado à metodologia é aquele que compreende a definição dos procedimentos técnicos, das modalidades de atividades e dos métodos que serão utilizados. O cronograma, para Furassté (2008) é definido como a distribuição das tarefas e etapas que permitirão um aproveitamento racional e lógico da disponibilidade de tempo para a realização do trabalho. É nessa parte do projeto que são estabelecidas as datas-limite para leitura, redação, revisão, digitação, entrega e outras atividades. O cronograma possui a finalidade de definir o tempo necessário para realização de cada uma das etapas propostas para realização da pesquisa, descrevendo as atividades a serem realizadas em cada etapa, indicando a duração de cada atividade prevista. Nessa parte do projeto deverão estar discriminadas todas as etapas de trabalho com os seus respectivos prazos. As referências possuem a finalidade de trazer a relação de todas as fontes utilizadas na elaboração do projeto de pesquisa, seguindo orientações técnicas normatizadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Essas referências são, portanto, a lista das obras citadas no referencial teórico. FORMULAÇÃO DA HIPÓTESE – Depois de escolher e delimitar o tema de pesquisa e formular o problema de pesquisa, é chegada a hora de formular a hipótese de estudo. Para Vera (1983), a hipótese é um enunciado geral que precisa ser verificado e validado, ou melhor, confirmado ou refutado.  Por isso, as hipóteses confirmadas tornam-se leis que constituem um sistema teórico. A hipótese, conforme Vergara (2007), é uma suposição ou antecipação da resposta ao problema, ou seja: uma afirmação. A investigação será feita para confirmá-la ou refutá-la. Essa hipótese é usada geralmente em estudos positivistas ou neopositivista, implicando testagem de relações via procedimentos estatísticos. Segundo Triviños (1987), a hipótese surge após a formulação do problema, uma vez que ela envolve uma possível verdade ou resposta ou resultado provável, apoiada numa teoria. Essa hipótese pertence geralmente aos estudos experimentais, muito embora, seja aceita noutros tipos de estudo, funcionando como foco norteador. Para tanto, o autor assinala as condições essenciais para a correta formulação das hipóteses: devem ser expressa numa linguagem clara, ser específica, ter apoio de uma teoria, possuir dimensão geral, ser proposta favorável à interrogativa colocada pelo investigar e seus termos devem possuir a qualidade de ser verificada empiricamente. Observa Creswell (2007) as condições para a formulação da hipótese nos estudos quantitativos, qualitativos e mistos. Na pesquisa quantitativa, segundo Creswell (2007) as hipóteses funcionar para moldar e focar especificamente o objetivo do estudo, por serem as previsões que o pesquisador faz sobre a relação entre as variáveis, sendo, portanto, estimativas numéricas de valores da população baseados em dados coletados em amostras. O teste de hipóteses emprega procedimentos estatísticos nos quais o investigador faz inferências sobe a população a partir de uma amostra de estudo. Elas são usadas em experimentos nos quais os investigadores comparam grupos. Em vista disso, possui diretrizes que incluem o uso de variáveis dependentes e independentes, além de uma forma rigorosa. Elas podem ser nula ou alternativa. A hipótese nula representa o método tradicional de redigir hipóteses fazendo uma previsão de que na população total não existe relação ou diferença entre os grupos. Já a hipótese alternativa o investigador faz uma previsão sobre o resultado esperado para a população do estudo. Também pode ser direcional, quando a hipótese prever o resultado potencial e criada para examinar a relação entre as variáveis, como pode ser não-direcional, quando faz-se uma previsão, mas a forma exata de diferenças não é especificada pelo pesquisador não saber o que pode ser previsto. Na pesquisa qualitativa, segundo Vergara (2007), as hipóteses confirmam ou não a suposição de estudo, usando mecanismos estatísticos que não precisam funcionar como testagem. Na pesquisa mista, segundo Creswell (2007), as hipóteses possuem características como a de precisarem questionamento qualitativo e quantitativo para focar e restringir as declarações de objetivo, incorporarem elementos de boas questões técnicas, atenção à ordem das questões, entre outras. FORMULAÇÃO DO PROBLEMA – Tendo escolhido o tema, o próximo passo é delimitá-lo por meio de uma análise sistemática, extraindo da temática de estudo os seus principais elementos constitutivos. Furasté (2008) assinala que a delimitação do tema é o momento mais complexo, desafiador e importante para o processo inicial do trabalho. Com base nisso, é de fundamental importante seguir regras para efetuar uma divisão de um todo do tema em suas partes, tais como: adequar de forma gradual e completa a divisão obedecendo a princípios, não podendo a parte igualar-se ao todo porque essas partes devem ser independentes umas das outras. A partir da delimitação, dá-se a formulação do problema, quando o tema proposto deve ser problematizado. Esta consiste no apontamento de um problema que é fundamental e precisa ser analisado e resolvido com relação à temática. Segundo Vera (1983), um problema de pesquisa é um enunciado ou fórmula que deve ser determinado com precisão para ser examinado, avaliado e solucionado durante a realização dos estudos. Triviños (1987) orienta que existem duas formas para delimitar, definir e formular o problema de pesquisa: do ponto de vista instrumental e prático é recomendável o foco de pesquisa deva estar articulado com a proposta temática e que o assunto deva surgir da prática diária do pesquisador. Assim, o problema deve ser definido a priori pelo pesquisador, de forma clara ou difusa, para o procedimento do levantamento durante a pesquisa. No dizer de Creswell (2007), o problema de pesquisa consiste na apresentação de uma sentença que traga informações para despertar interesse no leitor, assinalada por meio de frases que identificam um problema que precisa ser abordado. Nesse sentido, o autor traça diretrizes que, ao formular o problema, deve ter em mente a inscrição de uma frase de abertura que seja capaz de estimular o interesse do leitor e que transmita uma questão com a qual o público geral possa se relacionar. Como regra geral, destaca o autor que se deve evitar uso de citações, que o proponente mantenha distância de expressões idiomáticas, que se considere o uso de informação numérica para produzir impacto, que seja identificado claramente, que indique a importância e que assegure que seja estruturado de maneira a considerar com a técnica de pesquisa no estudo. IDENTIFICAÇÃO DAS VARIÁVEIS DE PESQUISA - Entende Triviños (1987) que as hipóteses estão constituídas de uma ou mais variáveis, para que se tenha uma clara ideia dos rumos e conteúdos de uma pesquisa. Assim, as variáveis, como as hipóteses se constituem de conceitos que possuem definições gerais que precisam ser esclarecidos de forma precisa, devendo o investigador operacionalizar esses conceitos, dando-lhes sentido e conteúdo prático. Assim, a operacionalização das variáveis consiste em dar às mesmas um sentido facilmente observável que permita operar e medir. A variável, conforme Triviños (1987), é conceituada como as características observáveis de algo que podem apresentar diferentes valores. Assim ela é identificada na pesquisa quantitativa como sendo a medida, e na pesquisa qualitativa a variável é descrita. O uso das variáveis, conforme Vera (1983) obedece a uma intenção científica, ou seja: formular leis e teorias sobre a base de dados de observação correlacionados matematicamente. Os tipos de variáveis, segundo Triviños (1987) são independentes, dependentes e intervenientes. As variáveis independentes são aquelas que caracterizam o sujeito que se estuda, sua posição, caracteres. Esta é, portanto, a causa, e é obtida mediante testes, inquéritos e estatísticas. Estas são as variáveis explicativas que atuam sobre as variáveis dependentes que sofrem os efeitos dela. No dizer de Creswell (2007) estas variáveis são aquelas que causam, influenciam ou afetam os resultados, sendo, também, chamadas de variáveis de tratamento, manipulas, antecedentes ou previsoras. Em vista disso, entende-se que essa variável deve ser de tratamento. Outras variáveis independentes podem simplesmente ser variáveis mensuradas nas quais não correu manipulação e podem ser estatisticamente controladas no experimento. A variável dependente é o efeito, ou seja, aquela em que se obterá com uma precisão que estará em razão direta da qualidade dos procedimentos que tenham sido aplicados na determinação dos valores das variáveis. Essas variáveis, para Creswell (2007) dependem das variáveis independentes por serem os resultados da influencia que essas originam, podendo, também, serem chamadas de variáveis de critérios, de resultado ou de efeito. Assim sendo, é a resposta ou a variável de critério que supostamente é causada ou influenciada pelas condições de tratamento independentes. A variável interveniente é aquela que influi ou produz alterações nas variáveis independentes e dependentes. Para Creswell (2007), essas variáveis são também conhecidas como mediadas, ou seja, que medeiam os efeitos da variável independente sobre a variável dependente. Outros dois tipos de variáveis são destacadas por Creswell (2007): as de controle e as mistas. As variáveis de controle desempenham um papel ativo nos estudos quantitativos, sendo, portanto, um tipo de variável independente que são mensuradas em um estudo porque elas potencialmente influenciam a variável dependente. Já a variável de deslocamento ou falsa, conforme Creswell (2007), é aquela que não é mensurada nem observada em um estudo, já que existe e sua influencia não pode ser diretamente detectada em um estudo e só certificada após a conclusão dos estudos. Acrescenta Triviños (1987) que as variáveis podem ser ainda contínuas, discretas ou fundamentais. As contínuas admitem subdivisões entre as dimensões inteiras. A discreta não admite subdivisões. As fundamentais são aquelas que se referem aos caracteres básicos do que se investiga. O uso das variáveis quantitativamente será efetuado para relacionar as variáveis ou comparar amostras ou grupos em termos de um resultado. Em suma: uma variável, segundo Vera (1983) é representada por um signo ou letra incluída em uma formula, ou conjunto de signos lógicos ou matemáticos, que, por sua vez, representa um conjunto de objetos ou valores de forma indeterminada. O conjunto de valores ou objetos chama-se classe, campo de existência ou de variabilidade da variável. Se duas variáves se relacionam entre si como os membros de uma equação algébrica, constituem uma função: fixando valores a uma das variáveis, a que é chamada de independente, a outra ou as outras assumirão valores em relação aos atribuídos à primeira, esta ou estas variáveis se chamam variáveis dependentes. Veja mais aqui e aqui.

REFERÊNCIAS
BAUER, Martin; GASKELL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002.
BOGDAN, Robert; BIRKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto, 1994.
BREAKWELL, Glynis/ HAMMOND, Sean; SCHAW, Chris; SMITH, Jonathan. Métodos de pesquisa em psicologia.Porto Alegre: Artmed. 2010.
CRESWELL, John. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, 2007.
ECO, Umberto. Como fazer uma tese. São Paulo: Perspectiva, 1983.
FURASTÉ, Pedro Augusto. Normas técnicas para o trabalho científico: elaboração e formatação com explicitação das normas da ABNT. Porto Alegre:s.n, 2008.
GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1995.
______. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1987.
GOLDENBERG, Mirian. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. São Paulo: Record, 2011.
HAGUETTE, Teresa. Metodologias qualitativas na sociologia. Petrópolis: Vozes, 2007.
MACHADO, Luiz Alberto. Faça seu TCC sem traumas. Maceió: Nascente, 2012.
MEDEIROS, João Bosco. Redação científica: a prática de fichamentos, resumos e resenhas. São Paulo: Atlas, 2007.
MINAYO, Maria Cecilia (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis:Vozes, 1994.
______. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo/Rio de Janeiro: Hucitec/Abrasco, 1996.
MOREIRA, Marco Antonio; ROSA, Paulo Ricardo da Silva. Uma introdução à pesquisa quantitativa em ensino. Porto Alegre/Campo Grande: UFRGS/UFMS, 2008.
PATACO, Vera; VENTURA, Magda; RESENDE, Érica. Metodologia para trabalhos acadêmicos e normas de apresentação gráfica. Rio de Janeiro: LTC, 2008.
POPPER, K.R. A Lógica da Pesquisa Científica. São Paulo: Cultrix, 1975.
RUDIO, Franz Victor. Introdução ao projeto de pesquisa. Petrópolis: Vozes, 1988.
SANTOS, Boaventura Souza. Um discurso sobre as ciências. Porto: Afrontamento, 1996.
SEVERINO, A J. Metodologia do trabalho científico. São Paulo :Cortez , 1996.
SILVA, Augusto; PINTO, José Madureira (Orgs.). Metodologia das ciências sociais. Porto: Afrontamento, 1986.
THIOLLENT, Michel. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 1986.
Thompson, Augusto. Manual de orientação para preparo de monografia. Rio de Janeiro: Forense, 1991.
TRIVIÑOS, Augusto. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.
VERA, Asti. Metodologia da pesquisa científica. Porto Alegre: Globo, 1983.
VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2007.
VIEIRA, Maria do Pilar; PEIXOTO, Maria do Rosário; KHOURY, Yara. A pesquisa em história. São Paulo: Ática, 1998.
WEBER, Max. Metodologia das ciências sociais. São Paulo: Cortez, 2001.


Veja mais sobre:
As mulheres soltam o verbo, o verso & o sexo porque todo dia é dia delas aqui.

E mais:
William Shakespeare, Émile Zola, Giovani Casanova, Federico Fellini, Emmylou Harris, Hans Christian Andersen, Harriet Hosmer, Max Ernst, Raínha Zenóbia & Os contos de Magreb aqui.
Literatura e História do Teatro aqui.
Pequena história da formação social brasileira, de Manoel Maurício de Albuquerque aqui.
A linguagem na Filosofia de Marilena Chauí aqui.
A poesia de Chico Buarque aqui.
Vigiar e punir de Michel Foucault aqui.
Norberto Bobbio e a teoria da norma jurídica aqui.
Como se faz um processo, de Francesco Carnelutti aqui.
As misérias do processo penal, de Francesco Carnelutti aqui.
Boca no trombone aqui.
Todo homem que maltrata uma mulher não merece jamais qualquer perdão aqui.
Teóphile Gautier, Ricardo Machado, Neurodesenvolvimento & transdisciplinaridade aqui.
James Baldwin, Naná Vasconcelos, Raul Villalba, Wanderlúcia Welerson Sott Meyer, Ronald Augusto, Monique Barcello & Lia Rosatto aqui.
A literatura de Antonio Miranda aqui.
Biziga de amor & Programa Tataritaritatá aqui.
O Teatro da Espontaneidade & Psicodrama aqui.
Walt Withman, Mariza Sorriso, Holística, Psicologia Social & Direito Administrativo aqui.
História da mulher: da antiguidade ao século XXI aqui.
Palestras: Psicologia, Direito & Educação aqui.
A croniqueta de antemão aqui.
Fecamepa aqui e aqui.
Livros Infantis do Nitolino aqui.
&
Agenda de Eventos aqui.

CRÔNICA DE AMOR POR ELA
Veja Fanpage aqui & mais aqui e aqui.

CANTARAU: VAMOS APRUMAR A CONVERSA
Recital Musical Tataritaritatá - Fanpage.
Veja os vídeos aqui & mais aqui e aqui.



GRAMSCI, MORIN, COMENIUS, HUIZINGA, REGINALDO OLIVEIRA, MANOCA LEÃO & POLÍTICAS EM DEBATE

Livros, teatro & música infantis aqui . POLÍTICAS EM DEBATE - A semana que passou, posso dizer agora com convicção, foi pra...